Câmeras colocadas em baleias revelam mistérios da espécie na Antártida

Pequenas câmeras colocadas na parte traseira das baleias jubarte e baleias minke revelaram alguns mistérios sobre seus hábitos alimentares e suas vidas na Antártida, informaram nesta terça-feira (11) fontes científicas na Austrália.

Para este projeto, um grupo de cientistas australianos e americanos colocou dispositivos digitais não invasores, que contêm sensores tridimensionais de movimento e uma câmera em um grupo de baleias na Península Antártica.

Estes dispositivos colocados por sucção, que além disso registram através dos sensores os movimentos das baleias bem como o tempo e a profundidade de cada imersão, são colocados por 24 ou 48 horas antes de serem retirados para serem usados de novo em outros exemplares.

“As câmeras mostram o método de alimentação das baleias jubartes nesta área da Antártida, incluindo como incham ao alimentar-se dos enxames de krill”, explicou Mike Double, pesquisador da Divisão Australiana Antártica (AAD, siglas em inglês), em um comunicado de sua instituição.

Segundo os estudos, uma grande quantidade de baleias parece se reunir em vários lugares como a Baía Wilhelmina, a Enseada Cierva, a Baía Fournier e o Canal Errera, para se alimentar durante semanas.

A informação permite reconstruir a forma como as baleias se alimentam debaixo da água e determinar “se as mudanças na população de krill pela mudança climática, a pesca comercial e a acidificação do oceano podem causar impactos nas baleias no futuro“, disse o especialista americano Ari Friedlaender.

Outra pesquisadora que participou do estudo, Elanor Bell, disse que a informação é valiosa na medida em que se conhece pouco sobre os padrões de alimentação das baleias minke.

Turismo Bahia / Flickr

-

As baleias destinam muito tempo durante o dia à socialização

“As minke são mais rápidas que as baleias jubartes e frequentemente buscam alimentos em áreas com muita água congelada. Isto faz com que seja mais difícil nos aproximarmos para desdobrar equipamentos de rastreamento”, comentou.

As câmeras também captaram imagens sobre a vida social das baleias e a força com a qual exalam para limpar as águas congeladas e poder respirar, informou em um comunicado a filial australiana do Fundo Mundial para a Natureza (WWF), que apoiou o estudo.

“Pudemos apreciar que as baleias destinam muito tempo durante o dia à socialização e ao descanso enquanto que se alimentam em grande medida pelas noites”, comentou Friedlaender.

Este estudo foi auspiciado pela Comissão Baleeira Internacional e a Associação de Investigação do Oceano Antártico (IWC-SORP, siglas em inglês) para melhorar a proteção das áreas de alimentação das baleias.

O diretor da seção de Ciências Oceânicas da WWF-Austrália, Chris Johnson, destacou a necessidade de ter santuários marítimos “para proteger as espécies e permitir que os hábitats sejam mais resistentes e prosperem no futuro”.

// EFE

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Ministra da Saúde de Macron vai disputar prefeitura de Paris em batalha de mulheres

O partido presidencial francês e seus aliados centristas encontraram neste domingo (16) na ministra da Saúde, Agnès Buzyn, 58, a sucessora ideal para Benjamin Griveaux. O candidato de Emmanuel Macron ao cargo de prefeito de …

Organização vende suposto DNA de Donald Trump e outros líderes globais

Nesta sexta-feira, uma organização chamada Earnest Project passou a oferecer a chance de possuir amostras de DNA de alguns líderes mundiais e outras celebridades. O grupo alega que coletou clandestinamente itens descartados pelos participantes do Fórum …

Tribunal alemão suspende derrubada de floresta para fábrica da Tesla

Justiça ordena que gigante americana interrompa corte de árvores nos arredores de Berlim enquanto analisa pedido de associação ambiental. Empresa de Elon Musk planeja construir ali sua primeira "gigafábrica" da Europa. Um tribunal na Alemanha determinou …

Satélites podem facilmente ser manipulados por hackers, alerta pesquisador

Talvez você já esteja por dentro da confusão toda em relação aos problemas que os satélites Starlink, da SpaceX, estão causando na comunidade astronômica. Os relativamente poucos satélites lançados (cerca de 240, como parte de um …

Na Índia, campanha faz semáforo voltar ao vermelho se os motoristas buzinarem demais

Se a Índia é um país famoso por sua religiosidade, sua culinária, suas belezas naturais e, sendo o segundo país mais populoso, por ser a maior democracia por eleitorado do mundo, ela também carrega a …

Secularismo e tolerância a minorias predizem a prosperidade de um país

Pesquisadores da Universidade de Bristol e Universidade do Tennesse analisaram dados de quase 500 mil pessoas de 109 países e concluíram que mudanças na cultura geralmente vêm antes da melhora na riqueza, educação e democracia. Os …

Estudo: declínio de abelhas se aproxima da extinção em massa

De acordo com um novo estudo liderado por cientistas da Universidade de Ottawa (Canadá), a probabilidade de uma população de abelhas sobreviver em qualquer lugar diminuiu 30% no curso de uma geração humana. Os pesquisadores sugerem …

Pesquisador diz ter descoberto droga capaz de apagar memória ruim de separação amorosa

Um pesquisador de Montreal, no Canadá, diz ter encontrado uma maneira de acabar com o sofrimento causado por uma separação traumática — ele "edita" as memórias dolorosas usando um betabloqueador e sessões de terapia. Alain Brunet …

Documento revela que Facebook poderia ter virado uma "Wikipédia da vida privada"

Steven Levy, conhecido editor da Wired, conseguiu colocar as mãos em algo que ele talvez nunca imaginou encontrar: um diário de Mark Zuckerberg, CEO e fundador do Facebook, datado de 2006 e que mostra algumas …

Missão suicida: satélite queimará na atmosfera da Terra, mas por uma boa causa

Na próxima semana, a Agência Espacial Europeia (ESA) vai destruir um satélite, lançando-o em direção à atmosfera da Terra, só para vê-lo queimar durante a reentrada. Sim, tudo de propósito. Trata-se de um experimento muito …