Cegos “enxergaram” letras que cientistas escreveram em seus cérebros com eletricidade

Pesquisadores da Baylor College of Medicine (Texas, EUA) conseguiram fazer pessoas cegas “enxergarem” letras escritas em seus cérebros com eletricidade.

A tecnologia ainda é precoce, mas pode ser usada um dia para estimular o cérebro e restaurar a visão das pessoas. Os cientistas testaram sua abordagem, chamada de “prótese visual”, tanto em pessoas que podiam enxergar quanto em pessoas que perderam a visão quando adultos.

Eles colocaram um implante no córtex visual do cérebro dos participantes, capaz de estimular essa região através de correntes elétricas. Essas correntes, por sua vez, enviavam padrões que “persuadiam” o órgão a ver letras que não estavam lá.

Em outras palavras, esses estímulos faziam o cérebro “traçar” formas que os participantes podiam “ver”.

Fosfenos

As correntes elétricas faziam o cérebro dos participantes gerarem fosfenos, pequenos pontos de luz que podemos perceber sem que nenhuma luz real entre em nossos olhos. Sabe quando você esfrega os olhos em um ambiente escuro e vê pontos de luz estranhos? É isso.

Os cientistas sabem que é possível criar fosfenos – um produto do nosso processamento visua – através de estimulação elétrica desde 1775. Já a ideia de usá-los para gerar imagens no cérebro surgiu na década de 1960.

Acontece que fazê-los tomar formas inteligíveis automaticamente, como pixels individuais na tela de um computador, não é uma tarefa das mais fáceis. A equipe do novo estudo contornou essa dificuldade usando uma técnica parecida com a de implantes cocleares.

Em detalhes

Os cientistas colocaram uma série de eletrodos sobre os córtices visuais – especificamente, uma região chamada V1, onde ocorre o processamento inicial da informação vinda da retina – de cinco participantes: três com visão normal, e dois cegos.

Os indivíduos com visão normal já estavam passando por cirurgia para implantar eletrodos como parte de um tratamento para epilepsia. Os cegos tinham participado de um estudo anterior sobre próteses visuais e já tinham implantes.

Na V1, cada região diferente corresponde a zonas de nosso campo de visão, como o canto superior direito ou inferior esquerdo. Se os cientistas ativavam um eletrodo por vez, os participantes viam um fosfeno aparecer na zona prevista.

Infelizmente, ativar vários eletrodos de uma só vez não fazia os fosfenos aparecerem em formas coerentes. Para conseguir isso, os pesquisadores tentaram uma estratégia diferente: “passaram” uma corrente elétrica por vários eletrodos a fim de traçar padrões e gerar formas reconhecíveis.

Uma vez que o cérebro é “preparado” para detectar mudanças em nosso ambiente, os cientistas imaginaram que ele rastrearia um padrão de fosfenos apresentados um após o outro. Essa é uma abordagem semelhante à utilizada por implantes cocleares para gerar diferentes tons auditivos.

Com essa técnica, os cientistas desenharam formas de letras, como “W”, “S” e “Z”, na superfície de V1 – de cabeça para baixo e de frente para trás, pois é assim que a informação visual geralmente atinge o córtex visual de nossos olhos – e os participantes conseguiram percebê-las com sucesso.

Próximos passos

Infelizmente, existem muitos desafios a serem superados antes que esta pesquisa se torne um produto comercializável.

Por exemplo, próteses visuais práticas devem conter milhares de eletrodos, enquanto o protótipo utilizado pelo estudo só tinha algumas dúzias. Além disso, é necessário inventar novos eletrodos que permaneçam compatíveis com o tecido cerebral por longos períodos de tempo.

Acima de tudo, disseram os pesquisadores, para tornar dispositivos protéticos visuais realmente úteis para pacientes cegos, eles precisam melhorar a qualidade de vida.

De acordo com os cientistas, versões mais avançadas do dispositivo poderiam funcionar de maneira semelhante a implantes cocleares, que estimulam os nervos do ouvido com eletrodos para melhorar a capacidade auditiva do usuário.

“A capacidade de detectar a forma de um membro da família ou de permitir uma navegação mais independente seria um avanço maravilhoso para muitos pacientes cegos”, disseram os pesquisadores do novo estudo, o neurocientista Michael Beauchamp e o neurocirurgião Daniel Yoshor, ambos da Baylor College of Medicine, ao Live Science.

Um artigo sobre a pesquisa foi publicado na revista científica Cell.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

MDZhB: a misteriosa rádio soviética que segue emitindo sinais e ruídos há quase 50 anos

Uma misteriosa estação de rádio segue ininterruptamente transmitindo somente ruídos estáticos interrompidos por sons robóticos há mais de quatro décadas. Conhecida como UVB-76 ou MDZhB, os sinais da rádio são transmitidos de dois diferentes pontos da …

Atmosfera da Terra primitiva pode ter sido tão tóxica quanto a de Vênus hoje

Pesquisadores tentaram reproduzir o equilíbrio delicado entre os gases que evaporaram do oceano de magma e a atmosfera que eles podem ter criado, e descobriram que esta seria fina e composta por dióxido de carbono …

Enorme monolito misterioso descoberto no deserto de Utah

Uma ocorrência totalmente comum. Você está em um helicóptero sobrevoando uma região remota do sul de Utah contanto cabras e bodes selvagens, quando de repente avista um monolito inexplicável saindo do solo. A KSL TV, relatou …

Funcionário de funerária é demitido após tirar selfie com corpo de Maradona

Foi demitido o funcionário da funerária responsável pelo velório do ex-jogador Diego Armando Maradona que tirou uma foto ao lado do caixão com o corpo do astro, enterrado nesta quinta-feira, dia 26, na Grande Buenos …

Museu de Londres reunirá relatos de sonhos de britânicos na pandemia

Projeto visa documentar mudanças no sono causadas pelo confinamento e pela crise gerada com a covid-19, além de coletar narrativas sobre o período para gerações futuras. Mudanças no sono aparentemente têm sido comuns durante a pandemia …

'O Gambito da Rainha': série da Netflix ignora sexismo no xadrez, diz ex-campeã

Existem várias cenas comoventes em O Gambito da Rainha, a série da Netflix que conta a história fictícia de Beth Harman, uma jovem prodígio do xadrez da década de 1960. Em uma delas, um jogador experiente …

Detectada "partícula fantasma" no Sol que confirma teoria da década de 1930

Uma equipe internacional de cientistas conseguiu, pela primeira vez, detectar diretamente a presença do ciclo carbono-nitrogênio-oxigênio (CNO) na fusão nuclear do Sol. Este ciclo representa uma das reações de fusão pelas quais as estrelas convertem hidrogênio …

Musk acertou? Tesla se aproxima dos US$ 500 bilhões de valor de mercado

Nesta segunda-feira (23), a Tesla atingiu o valor de mercado de US$ 498 bilhões. E isso em um momento em que não se sabe se a empresa vai conseguir atingir a sua meta de entregar …

Papai Noel é considerado 'trabalhador essencial' na Irlanda

Na mesma semana em que novas restrições de viagem foram colocadas em prática no Reino Unido e na Irlanda diante dos estragos causados pela segunda onda da pandemia de covid-19 na Europa, a Irlanda fez …

Especialistas da ONU advertem sobre viés racista em algoritmos

Os países devem fazer mais para combater o racismo, principalmente nos algoritmos de inteligência artificial utilizados para reconhecimento facial e controles policiais. Essas ferramentas podem reforçar discriminações, alertam especialistas da ONU. Segundo a especialista jamaicana …