Cegos “enxergaram” letras que cientistas escreveram em seus cérebros com eletricidade

Pesquisadores da Baylor College of Medicine (Texas, EUA) conseguiram fazer pessoas cegas “enxergarem” letras escritas em seus cérebros com eletricidade.

A tecnologia ainda é precoce, mas pode ser usada um dia para estimular o cérebro e restaurar a visão das pessoas. Os cientistas testaram sua abordagem, chamada de “prótese visual”, tanto em pessoas que podiam enxergar quanto em pessoas que perderam a visão quando adultos.

Eles colocaram um implante no córtex visual do cérebro dos participantes, capaz de estimular essa região através de correntes elétricas. Essas correntes, por sua vez, enviavam padrões que “persuadiam” o órgão a ver letras que não estavam lá.

Em outras palavras, esses estímulos faziam o cérebro “traçar” formas que os participantes podiam “ver”.

Fosfenos

As correntes elétricas faziam o cérebro dos participantes gerarem fosfenos, pequenos pontos de luz que podemos perceber sem que nenhuma luz real entre em nossos olhos. Sabe quando você esfrega os olhos em um ambiente escuro e vê pontos de luz estranhos? É isso.

Os cientistas sabem que é possível criar fosfenos – um produto do nosso processamento visua – através de estimulação elétrica desde 1775. Já a ideia de usá-los para gerar imagens no cérebro surgiu na década de 1960.

Acontece que fazê-los tomar formas inteligíveis automaticamente, como pixels individuais na tela de um computador, não é uma tarefa das mais fáceis. A equipe do novo estudo contornou essa dificuldade usando uma técnica parecida com a de implantes cocleares.

Em detalhes

Os cientistas colocaram uma série de eletrodos sobre os córtices visuais – especificamente, uma região chamada V1, onde ocorre o processamento inicial da informação vinda da retina – de cinco participantes: três com visão normal, e dois cegos.

Os indivíduos com visão normal já estavam passando por cirurgia para implantar eletrodos como parte de um tratamento para epilepsia. Os cegos tinham participado de um estudo anterior sobre próteses visuais e já tinham implantes.

Na V1, cada região diferente corresponde a zonas de nosso campo de visão, como o canto superior direito ou inferior esquerdo. Se os cientistas ativavam um eletrodo por vez, os participantes viam um fosfeno aparecer na zona prevista.

Infelizmente, ativar vários eletrodos de uma só vez não fazia os fosfenos aparecerem em formas coerentes. Para conseguir isso, os pesquisadores tentaram uma estratégia diferente: “passaram” uma corrente elétrica por vários eletrodos a fim de traçar padrões e gerar formas reconhecíveis.

Uma vez que o cérebro é “preparado” para detectar mudanças em nosso ambiente, os cientistas imaginaram que ele rastrearia um padrão de fosfenos apresentados um após o outro. Essa é uma abordagem semelhante à utilizada por implantes cocleares para gerar diferentes tons auditivos.

Com essa técnica, os cientistas desenharam formas de letras, como “W”, “S” e “Z”, na superfície de V1 – de cabeça para baixo e de frente para trás, pois é assim que a informação visual geralmente atinge o córtex visual de nossos olhos – e os participantes conseguiram percebê-las com sucesso.

Próximos passos

Infelizmente, existem muitos desafios a serem superados antes que esta pesquisa se torne um produto comercializável.

Por exemplo, próteses visuais práticas devem conter milhares de eletrodos, enquanto o protótipo utilizado pelo estudo só tinha algumas dúzias. Além disso, é necessário inventar novos eletrodos que permaneçam compatíveis com o tecido cerebral por longos períodos de tempo.

Acima de tudo, disseram os pesquisadores, para tornar dispositivos protéticos visuais realmente úteis para pacientes cegos, eles precisam melhorar a qualidade de vida.

De acordo com os cientistas, versões mais avançadas do dispositivo poderiam funcionar de maneira semelhante a implantes cocleares, que estimulam os nervos do ouvido com eletrodos para melhorar a capacidade auditiva do usuário.

“A capacidade de detectar a forma de um membro da família ou de permitir uma navegação mais independente seria um avanço maravilhoso para muitos pacientes cegos”, disseram os pesquisadores do novo estudo, o neurocientista Michael Beauchamp e o neurocirurgião Daniel Yoshor, ambos da Baylor College of Medicine, ao Live Science.

Um artigo sobre a pesquisa foi publicado na revista científica Cell.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

George W. Bush: o suposto plano para matar ex-presidente dos EUA desbaratado pelo FBI

Um simpatizante do Estado Islâmico planejava assassinar o ex-presidente dos EUA George W. Bush, mas o plano foi descoberto pelo FBI (polícia federal americana), segundo autoridades dos Estados Unidos. O suspeito, um residente de Ohio, supostamente …

O que se sabe sobre misterioso surto de varíola dos macacos

Casos recentes da doença na América do Norte e Europa acenderam o alerta entre especialistas. Endêmico na África, vírus é transmitido por animais contaminados e por contato próximo prolongado entre pessoas. Autoridades de saúde na América …

EUA: Estudo traz primeiros resultados 'promissores' de vacina de RNA mensageiro contra Aids

Uma vacina usando a tecnologia de RNA mensageiro, a mesma que algumas vacinas contra a Covid-19, pode ser usada desta vez contra a Aids. É o que mostram os primeiros resultados promissores de testes …

Viagem de Lula à Argentina visa fortalecer governo de Fernández e teoria de lawfare contra Kirchner

O ex-presidente Lula será o primeiro estrangeiro a discursar diante de uma multidão na Praça de Maio, em Buenos Aires, em um ato destinado a renovar o vínculo do governo argentino com o seu …

Após EUA, vários países se mobilizam em boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia seguiram os passos dos Estados Unidos e anunciaram que também vão participar do “boicote diplomático” aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, previstos para fevereiro. Os países acusam …

Musk anuncia que Neuralink testará microchips neuronais em humanos em 2022

O bilionário e empreendedor norte-americano referiu que já testou com sucesso um implante cerebral em um macaco, e quer agora que essa tecnologia seja aplicada em humanos. Os humanos poderão ter implantes cerebrais da empresa Neuralink …

Cientistas americanos encontram substância contra coronavírus em algas para sushi

Biólogos americanos esperam que sua descoberta ajude na criação de tratamentos antivírus com base em plantas. Os cientistas determinaram que o sulfato de rhamnan – polissacarídeo componente das algas verdes Monostroma nitidum, utilizadas para embrulhar o …

Mulheres comandam metade dos ministérios no governo Scholz

Futuro chanceler confirma nomes finais do seu governo, que deverá começar os trabalhos ainda esta semana. Percentual de mulheres no comando de ministérios federais é o maior da história da Alemanha. O próximo chanceler federal da …

Biden e Putin fazem videoconferência para tentar resolver impasse na Ucrânia

Joe Biden e Vladimir Putin se preparam para uma vídeoconferência nesta terça-feira (7) em um momento em que as tensões entre Washington e Moscou se intensificam com rumores de uma iminente invasão da Ucrânia …

Aung San Suu Kyi é condenada a 4 anos de prisão

Líder deposta por golpe militar em Mianmar enfrenta série de acusações que a Anistia Internacional chama de falsas. Novo veredicto deve sair nos próximos dias. A líder deposta de Mianmar, Aung San Suu Kyi, foi condenada …