Elon Musk revela seus planos para hackear cérebros humanos

Uma das empresas do multi-empresário Elon Musk, a Neuralink, está trabalhando em uma tecnologia inovadora baseada em “fios” ou eletrodos que serão implantados no cérebro humano.

O objetivo de tal tecnologia? Conectar nossos cérebros a potenciais interfaces computacionais, como a internet. Por enquanto, os fios ultrafinos serão testados para fins médicos, mas a longo prazo a ideia é “alcançar uma espécie de simbiose com a inteligência artificial”.

Obviamente, isso será opcional. Não precisaremos todos nos tornar metade humanos-metade robôs artificialmente inteligentes (ufa ou que pena, dependendo de como você se sente sobre isso).

A Neuralink foi fundada em 2017 e é presidida por Max Hodak. A tecnologia para “hackear” cérebros humanos ainda está em estágio inicial, e há um longo caminho pela frente antes que possa ser comercializada.

Por enquanto, o plano é usar robôs para operar uma espécie de “máquina de costura” a fim de implantar os fios (que tem aproximadamente um terço do diâmetro de um fino cabelo humano) no tecido cerebral de uma pessoa, onde serão capazes de realizar operações de leitura e escrita de informações em grandes volumes de dados.

Neuralink

No futuro, o método deve evoluir para o uso de lasers que farão minúsculos buracos no crânio humano para implantar os fios ultrafinos. Isso seria muito menos invasivo e os pacientes não sentiriam nada.

Os eletrodos podem teoricamente ser utilizados para propósitos médicos, como permitir que amputados reganhem mobilidade através de membros protéticos, ou restaurar visão e audição, por exemplo. Esse tipo de teste pode começar já no ano que vem, inclusive.

Avançando no escuro

A Neuralink demonstrou a tecnologia em ratos em laboratório recentemente, e a performance excedeu os melhores sistemas de interface cérebro-computador que existem hoje. Os dados foram recolhidos via USB-C e geraram cerca de dez vezes mais transferência de informação do que os melhores sensores atuais.

Por enquanto, a fim de avançar na pesquisa, a Neuralink está recrutando talentos e divulgando suas descobertas justamente para poder trabalhar mais abertamente esse campo de estudo, alcançando melhores resultados.

Por exemplo, existe a questão sobre a longevidade dos fios/eletrodos quando expostos ao cérebro humano, uma vez que o órgão possui uma mistura salina que pode danificar e degradar plásticos ao longo do tempo.

Em última análise, o plano é que os eletrodos implantados sejam capazes de se comunicar com chips fora do cérebro sem necessidade de nenhuma conexão, proporcionando monitoramento em tempo real e com liberdade de movimento sem precedentes.

Ciberia // HypeScience / NYT /

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Mal de Parkinson pode 'começar' antes do nascimento, diz estudo

Um novo estudo investigando a origem da doença de Parkinson jogou células do cérebro de pacientes em um verdadeiro "túnel do tempo". O objetivo foi identificar, especificamente em pacientes com manifestação precoce do Parkinson — diagnosticados …

Neste hotel os hóspedes dormem em bolhas na selva em meio a elefantes resgatados

Paraíso dos amantes de natureza e belas praias, a Tailândia já figura como destino preferido dos aventureiros há alguns anos. Com hospedagens para todos os gostos e bolsos, o país também possui diversas reservas ambientais …

Jamais pediria ajuda a Trump, diz Bolsonaro sobre brasileiros deportados

O presidente Jair Bolsonaro afirmou neste domingo (26/01), em visita de Estado à Índia, que "jamais" pediria ao líder americano, Donald Trump, para que brasileiros deportados por terem entrado ilegalmente nos Estados Unidos recebessem tratamento …

Destroços de navio de centenas de anos são encontrados na Polônia

Arqueólogos encontraram um navio naufragado de várias centenas de anos, bem como uma ponte destruída da 2ª Guerra Mundial em um rio polonês. Arqueólogos encontraram um navio naufragado de várias centenas de anos, bem como uma …

Por que cientistas estão determinados a provar que Einstein estava errado

Ano entra, ano sai, e tanto a lei dos corpos em queda de Galileu Galilei quanto a teoria da relatividade de Albert Einstein são testadas novamente apenas para os pesquisadores confirmarem pela enésima vez que …

Bolsonaro faz apologia à ignorância, afirmam historiadoras no jornal Le Monde

  O jornal Le Monde que chegou às bancas na tarde desta segunda-feira (27) traz um texto de meia página criticando a política cultural em vigor atualmente Brasil. Assinado por duas historiadoras francesas e uma brasileira, …

OMS considera elevado risco global de coronavírus

A Organização Mundial da Saúde admitiu nesta segunda-feira (27/01) um erro na avaliação de risco global do novo coronavírus, que surgiu na China, e disse que o nível correto é elevado. Anteriormente, ele havia sido …

Quem é Vanessa Nakate, ativista negra cortada de foto com Greta em Davos

O tema era o meio-ambiente, mas o debate sofre o futuro da humanidade ganhou outros vultos quando a jovem ativista climática de Uganda, Vanessa Nakate, descobriu que havia sido cortada pela agência de notícias Associated …

Sobreviventes retornam a Auschwitz nos 75 anos da libertação

Autoridades de 50 países participam da solenidade no antigo campo de concentração na Polônia, em meio a temores pelo aumento do antissemitismo. "Precisamos tomar cuidado para que não volte a acontecer", diz sobrevivente. Mais de 200 …

Por que cientistas querem tanto provar que Einstein e Galileu estavam errados

Ano entra, ano sai, e tanto a lei dos corpos em queda de Galileu Galilei quanto a teoria da relatividade de Albert Einstein são testadas novamente apenas para os pesquisadores confirmarem pela enésima vez que …