CIA pensou em usar “soro da verdade” nos interrogatórios do 11 de setembro

O “Projeto Medicação” foi posto de lado em 2003, mas, até lá, os médicos da CIA estudaram a hipótese de substituir as violentas técnicas de interrogatório pelo uso de um “soro da verdade” que fizesse os detidos falar.

Um relatório, assinado por um responsável médico da CIA, detalha o que era o “Projeto Medicação”, que consistia em trocar a tortura por medicação e visava forçar os suspeitos de terrorismo detidos nos anos que se seguiram aos atentados de 11 de setembro de 2001, nos EUA, a fornecerem informações.

Os médicos da agência, de acordo com a revista portuguesa Visão, analisaram o uso de barbitúricos – efeito sedativo e hipnótico –, de psicotomiméticos – que geram sintomas de psicose –, e sobretudo do midazolam, uma benzodiazepina.

Esse tipo de medicamento, usado normalmente para tratar a ansiedade, revelou uma desvantagem significativa quando comparada com o LSD que a CIA usou nos anos 50. O midazolam tem que ser administrado por via intravenosa, enquanto o LSD pode ser administrado sem que o interrogado perceba.

Nos interrogatórios que se seguiram ao 11 de setembro, eram usadas técnicas brutais contra os suspeitos, como agressão física, waterboarding – uma forma de tortura que simulava o afogamento – e contenção dos detidos em uma caixa minúscula. Esses métodos foram fortemente criticados, até pelo ex-presidente dos EUA, Barack Obama.  

A hipótese esteve em cima da mesa devido à “notável resistência” de Abu Zubaydah, suspeito de ajudar a planejar o 11 de setembro, às técnicas de interrogatório empregadas pela CIA, escreve a Visão.

“A intensidade e a duração dos interrogatórios de Abu Zubaydah foram uma surpresa para os Serviços Médicos e motivaram um estudo mais profundo sobre a alternativa aparentemente mais benigna dos interrogatórios com drogas”, lê-se no relatório.

O relatório menciona que o uso de tal droga iria se deparar com obstáculos legais: aqueles que proibiam a realização de experiências médicas em prisioneiros, assim como o uso de drogas que alteram a mente em interrogatórios.

Por tudo isso, a agência desistiu da ideia em 2003, sem nunca enviar o pedido de parecer ao Departamento de Justiça, depois de analisar os resultados de tentativas anteriores.

Outro relatório, datado de 1961 e citado pelo Washington Post, concluiu que quem aguenta os interrogatórios também é capaz, provavelmente, de manter sua posição mesmo em estados mentais alterados, como seria o caso com o uso de um medicamento.

Há mais de dois anos que a União Americana pelas Liberdades Civis pedia a publicação do relatório, no âmbito das alterações à Lei da Liberdade da Informação nos EUA. Um juiz federal autorizou a divulgação em setembro do ano passado e documento chegou ao conhecimento público esta semana.

Ciberia // ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

China consegue pousar veículo não tripulado em Marte

A China conseguiu neste sábado pousar um veículo autônomo não tripulado em Marte. A fase final da operação Tianwen-1 aconteceu sem falhas, informou a TV estatal chinesa, que transmitiu um programa especial chamado Alo …

Lewandowski permite que Pazuello fique em silêncio na CPI

Ex-ministro da Saúde será obrigado a comparecer ao depoimento, mas não precisará responder perguntas que possam incriminá-lo. No entanto, será obrigado a falar a verdade em fatos e questões relacionados a terceiros. O ministro do Supremo …

Como o coronavírus afeta o fígado

O SARS-CoV-2, vírus causador da covid-19, mudou completamente a cara do mundo que conhecíamos até então. Ele afetou praticamente todos os aspectos da vida cotidiana e causou mudanças substanciais nas ciências da saúde e, portanto, na …

'Síndrome de Havana': lesão cerebral atinge ao menos 130 diplomatas e oficiais americanos, dizem EUA

Diplomatas, agentes da CIA e oficiais de defesa dos EUA relataram sintomas graves da perturbação conhecida como "síndrome de Havana" nas últimas semanas. O elevado número de casos causa espanto. Nas últimas semanas, foram relatados mais …

RJ comunica 1º caso de raiva em cachorro em quase três décadas

Pela primeira vez desde 1995, o Laboratório Municipal de Saúde Pública (Lasp) do Rio de Janeiro diagnosticou um caso de raiva animal. A descoberta parte do resultado de perícia no corpo de um cão morto …

O que dizem cientistas sobre isenção de máscaras para vacinados nos EUA

Os Estados Unidos anunciaram nesta quinta-feira (13/05) o fim da obrigatoriedade do uso de máscaras de proteção na maioria das situações para pessoas que já foram completamente vacinadas contra a covid-19. Segundo a nova orientação do …

Putin: Rússia reagirá de maneira devida às ameaças perto de suas fronteiras

Durante reunião com membros do Conselho de Segurança da Rússia nesta sexta-feira (14), o presidente da Rússia pediu que lhe fosse reportado sobre o agravamento do conflito israelo-palestino, que toca diretamente os interesses de segurança …

Covid: 16 mil pessoas foram imunizadas com doses de vacina trocadas no Brasil

Um levantamento de dados da Folha de São Paulo com informações do DataSUS, base de dados do Ministério da Saúde, mostrou que pelo menos 16 mil pessoas receberam doses de vacinas diferentes em seu processo …

Covid-19: diretor do Butantan prevê vacinação lenta até setembro no Brasil

Como diretor do Instituto Butantan desde 2017, Dimas Covas sempre precisou aliar o conhecimento técnico e científico com as particularidades do mundo político que, na visão dele, não parecem seguir uma lógica. E essa necessidade se …

Escalada de violência entre israelitas e palestinianos já fez mais de 100 mortos

O conflito entre israelitas e palestinianos subiu de tom na madrugada de hoje, com o Exército israelita a bombardear a faixa de Gaza. Desde segunda-feira já morreram 119 palestinianos nestes ataques, entre eles 31 …