Cientistas descobrem fóssil de mosquito cheio de sangue pela primeira vez

Dale Greenwalt / Smithsonian

Fóssil de mosquito com sangue conservado

Fóssil de mosquito com sangue conservado

Nos 20 anos desde que o filme “Parque dos Dinossauros” fantasiava sobre como os dinossauros poderiam ser clonados a partir do sangue encontrado em mosquitos presos em âmbar, coletores de fósseis saíram em busca de um espécime semelhante.

Ao longo dos anos, alguns grupos diferentes disseram ter encontrado um mosquito fossilizado com sangue preso em seu abdômen, mas cada uma dessas descobertas, por sua vez, acabaram por ser o resultado de erro ou contaminação.

Agora, foi anunciado que finalmente temos esse espécime: um mosquito cheio de sangue que foi preservado em xisto por cerca de 46 milhões de anos no noroeste de Montana, nos EUA.

A coisa mais surpreendente sobre a descoberta?

Foi feita há três décadas por um caçador de fósseis amador – um estudante de geologia de pós-graduação chamado Kurt Constenius -, abandonado em um porão, e só recentemente reconhecido pelo bioquímico aposentado Dale Greenwalt, que tem trabalhado coletando fósseis para o Museu Smithsonian de História Natural.

O espécime, descrito em um artigo que Greenwalt publicou com pesquisadores do museu e com o entomologista Ralph Harbach na revista “Proceedings”, da Academia Nacional de Ciências dos EUA, está preso em pedra, não âmbar, e (infelizmente para os entusiastas do clássico de Steve Spielberg) não é velho o suficiente para estar cheio de sangue de dinossauro.

Fóssil de mosquito é descoberto por acaso

Depois de Greenwalt ter conhecido a família de Constenius e descrito o seu trabalho, eles decidiram doar sua coleção de fósseis para o museu.

Quando o pesquisador começou a catalogar as caixas dos fósseis e se deparou com este espécime particular, imediatamente soube que era diferente.

Ele suspeitou que o abdômen escuro e opaco do mosquito, preso em um pequeno pedaço de xisto, poderia conter sangue de 46 milhões de anos de idade.

A equipe de ciências minerais do laboratório do museu usou uma série de técnicas para analisar a amostra à fundo, incluindo energia dispersiva de espectroscopia de raios-X.

“A primeira coisa que descobrimos é que o abdômen está repleto de ferro, que é o que você esperaria de sangue”, conta Greenwalt ao Smithsonian.

Dale Greenwalt / Smithsonian

A formação rochosa no Montana, próximo do Glacier National Park (EUA), onde o espécimen foi encontrado

A formação rochosa no Montana, próximo do Glacier National Park (EUA), onde o espécimen foi encontrado

Além disso, a análise utilizou um espectrômetro de massa de íons secundários, que revelou a presença de heme, o composto que dá aos glóbulos vermelhos sua cor distinta e lhes permite transportar oxigênio por todo o corpo. Outros testes mostraram a ausência destes compostos em outras partes do fóssil.

Os resultados servem como prova definitiva de que o sangue foi preservado dentro do inseto.

Mas, neste ponto, os cientistas não têm nenhuma maneira de saber a qual criatura pertence. Isso porque o DNA se degrada rápido demais para sobreviver depois de ficar 46 milhões de anos preso em pedra (ou mesmo em âmbar, falando nisso).

Uma pesquisa recente descobriu que ele tem uma meia-vida de cerca de 521 anos, mesmo em condições ideais.

Nada de “Parque dos Dinossauros”

Isto significa que, mesmo que milagrosamente houvesse algum DNA de uma criatura antiga no fóssil, existem ainda uma tonelada de problemas técnicos que impedem uma clonagem semelhante à de “Parque dos Dinossauros”.

Para montar um genoma completo a partir de fragmentos de DNA, precisamos ter uma compreensão de como é todo esse genoma (o que não temos, neste caso).

Em seguida, para transformá-lo em um animal vivo, seria necessário colocar esse DNA em um óvulo de uma espécie viva muito intimamente relacionada com a criatura misteriosa que nem sabemos qual é, para começo de conversa.

Então, infelizmente, não veremos criaturas antigas serem ressuscitadas e vagarem por aí graças a esta nova descoberta.

Ainda assim, o achado é cientificamente significativo, ajudando os cientistas a entender melhor a evolução de insetos que se alimentam de sangue.

Anteriormente, a coisa mais próxima de um mosquito cheio de sangue que havia sido encontrado era um mosquito com restos do parasita da malária dentro de seu abdômen.

Embora este fóssil tenha fornecido evidências indiretas de que os mosquitos se alimentavam de sangue cerca de 15 a 20 milhões de anos atrás, esta nova descoberta representa a mais antiga evidência direta do comportamento dos sugadores de sangue.

Ele também mostra pela primeira vez que as moléculas biológicas, tais como heme, podem sobreviver como parte do registro fóssil.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Senado oficializa criação da CPI da Pandemia

Presidente do Senado diz que foco deve estar nas ações e omissões do governo federal e no repasse de recursos da União para estados e municípios. STF julgará determinação do ministro Barroso que ordenou abertura …

Bernie Madoff, maior golpista da história, morre em prisão norte-americana, diz relato

Bernard Madoff, o ex-financista que realizou a maior fraude de investimento na história dos Estados Unidos, morreu aos 82 anos de idade, de acordo com relatos da mídia. Em 2009, o notório financista recebeu uma sentença …

Salvator Mundi, obra mais cara de Da Vinci avaliada em R$2,6 bi, é vista em iate de príncipe

A obra de arte mais cara do mundo é ‘Salvator Mundi’, atribuída a Leonardo da Vinci. Com valor estimado em mais de 400 milhões de dólares ou superior aos 2,6 bilhões de reais, seu paradeiro …

Variante indiana da Covid-19 se propaga mais rápido e é menos detectada por testes PCR

A Índia enfrenta a pior onda de contaminações da Covid-19 desde o início da pandemia, com mais de 165 mil casos registrados nas últimas 24 horas: duas vezes mais do que no último pico, em …

Tipo sanguíneo não afeta risco de contrair COVID-19, diz novo estudo

Um estudo buscou entender se determinados tipos sanguíneos trazem mais riscos de contrair a COVID-19, e concluiu que não é o caso. Com a pandemia, muito se questiona em relação ao comportamento da COVID-19 em nosso …

Buracos negros são famintos, mas possuem boas maneiras à 'mesa', aponta estudo

Todos os buracos negros supermassivos nos centros das galáxias possuem períodos nos quais devoram a matéria situada de seus arredores. De acordo com um estudo publicado na revista científica Astronomy & Astrophysics, as galáxias ativas têm …

Pnad e Caged: No auge do desemprego, Brasil enfrenta falhas nas estatísticas do mercado de trabalho que confundem e desorientam

Num momento em que o país tem registrado números diários de mortes por covid-19 que ultrapassam 4 mil e diversos Estados e municípios reforçam medidas de distanciamento social, na tentativa de conter a propagação do …

Jovem negro de Minnesota morreu por “disparo acidental”, afirma polícia

Policial teria confundido arma de descarga elétrica com arma de fogo. Incidente em meio a julgamento da morte de George Floyd acirra tensões e agrava protestos. Mineápolis e outras cidades ampliam toque de recolher. A policial …

Bia, assistente de voz do Bradesco, vai responder mensagens de assédio

O Bradesco precisou tomar providências para proteger uma mulher de assédio. No caso, uma mulher que nem existe fisicamente. A mulher que dá voz ao sistema de inteligência artificial do aplicativo, a Bia (sigla para Bradesco …

Covid-19: Médicos pressionam governo francês para aumentar controles de pessoas vindas do Brasil

Especialistas acreditam que medidas do governo francês para frear entrada de variante P1 no país são insuficientes e pressionam para aumento de controles de passageiros provenientes do Brasil nos aeroportos ou pela suspensão dos …