Cientistas identificam a melhor idade para aprender uma língua estrangeira

Há uma “janela de oportunidade” etária para aprender idiomas com fluência, segundo uma pesquisa recentemente divulgada pelo MIT, o famoso centro interdisciplinar de pesquisa dos EUA.

O tema não é alvo de consenso entre pesquisadores, mas o estudo do MIT indica que se queremos ter o conhecimento gramatical de inglês como um nativo, devemos tentar começar a estudar a língua por volta dos 10 anos de idade. Depois disso, torna-se “praticamente impossível alcançar proficiência semelhante a um falante nativo”.

Adolescentes continuam tendo uma boa habilidade para idiomas até os 17 ou 18 anos – mais tempo do que se pensava previamente. Mas, entrando na vida adulta, essa capacidade começa a se perder.

Cientistas já sabiam que o bilinguismo (ou mesmo o multilinguismo) deve ser praticado até com bebês, como uma forma de estimular o cérebro e o desenvolvimento de habilidades essenciais na vida adulta, como a concentração e o controle emocional. Mas até agora, segundo o MIT, havia poucas certezas sobre qual seria o melhor período para aprender outros idiomas.

“Não vemos muitas diferenças entre pessoas que começaram [a aprender um idioma] a partir do nascimento ou que começaram aos 10 anos, mas vemos um declínio depois dessa idade”, diz, em comunicado do MIT, Joshua Hartshorne, professor de psicologia e coautor da pesquisa.

Quiz

As descobertas, publicadas na revista científica Cognition, foram elaboradas a partir de um teste gramatical (em inglês) realizado via Facebook por quase 670 mil pessoas de diferentes idades e nacionalidades.

As perguntas do quiz visavam testar a capacidade dos participantes de determinar se frases em inglês, como “Yesterday John wanted to won the race”, estão gramaticalmente corretas.

O teste perguntava ainda a idade dos participantes, há quanto tempo estudavam inglês e em que circunstâncias, ou seja, se por acaso se mudaram para um país de língua inglesa.

Cerca de 246 mil dos 370 mil participantes cresceram ouvindo apenas inglês, enquanto os restantes eram bilíngues ou multilíngues, de origens finlandesa, turca, alemã, russa ou húngara, por exemplo. A maioria tinha entre 20 e 30 e poucos anos.

Ao analisar os dados, usando um modelo computadorizado, os pesquisadores confirmaram que a aprendizagem da gramática de um idioma é mais robusto durante a infância, prossegue na adolescência e depois se torna bem mais difícil na vida adulta.

Persistir mesmo assim

Ainda não está claro porque há uma queda nas habilidades a partir dos 18 anos. Cientistas atribuem isso ao fato de o cérebro ficar menos mutável ou adaptável na vida adulta.

“Pode ser uma mudança biológica ou algo social ou cultural”, diz Josh Tenenbaum, coautor do estudo e professor de Ciências Cognitivas no MIT. “No geral, a idade de 17 e 18 anos é o período em que muitas sociedades deixam de considerar uma pessoa menor de idade. Depois disso, o jovem muitas vezes sai de casa, ou começa a trabalhar em período integral ou vai estudar algo específico na universidade. Tudo isso pode afetar seu ritmo de aprendizagem de qualquer idioma”.

No entanto, isso não significa que os adultos devem perder o ânimo em aprender um idioma: apesar das maiores dificuldades em relação às crianças, também são capazes de adquirir um bom conhecimento da língua, dizem os cientistas.

Além disso, aprender um novo idioma na vida adulta faz bem ao cérebro e pode até mesmo retardar possíveis doenças de degeneração cerebral, como a demência, segundo outras pesquisas prévias.

E mesmo as conclusões do MIT podem ser questionadas: “A ideia de que não conseguimos alcançar uma habilidade semelhante à de um nativo se não começarmos cedo é questionável. Há casos raros, mas existem e estão documentados”, diz Marilyn Vihman, do Departamento de Linguagem da Universidade de York, no Reino Unido.

“Há pessoas que com 20 e poucos anos aprendem novos idiomas a ponto de se tornarem espiões. Não acredito que haja uma idade crítica, apenas uma estabilização (nas habilidades) após a adolescência, para a maioria, mas não a totalidade dos falantes”.

A cientista Danijela Trenkic, também da Universidade de York, destacou que o estudo do MIT apenas estudou um aspecto da linguagem: a gramática. “É possível ser um excelente comunicador, mesmo sem ser um falante nativo ou mesmo sem acertar a gramática de todas as frases”, declara.

O MIT diz que a abordagem adotada – o quiz online – permitiu fazer diagnósticos do conhecimento idiomático “de centenas de milhares de pessoas em diferentes estágios de aprendizagem. Ao medir a habilidade gramatical de pessoas de diferentes idades, que começaram a aprender inglês em diferentes momentos de suas vidas, se conseguiu obter dados suficientes para diversas conclusões significativas“, como as mencionadas.

“Há muitas outras coisas nesses dados que ainda podem ser analisadas”, diz Hartshorne. “Queremos atrair a atenção de outros cientistas para o fato de que os dados estão disponíveis e podem ser utilizados”.

Ciberia // ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

O que contribuiu em peso para o 'colapso maia'?

Pesquisas recentes reforçam a teoria de que o colapso de muitas das grandes cidades maias mesoamericanas estava relacionado a períodos prolongados de seca, alguns de até 200 anos. Nayelli Jiménez Cano, pesquisadora do Laboratório de Zooarqueologia …

Com 39% da população abaixo da linha da pobreza, Ruanda patrocina PSG e causa polêmica

O time de futebolParis Saint-Germain (PSG) divulgou nesta quarta-feira (4), uma parceria de três anos com o governo de Ruanda, sem especificar o valor. Em maio de 2018, o país africano já havia assinado um acordo …

Os pássaros estão encolhendo, e você nunca vai adivinhar por quê

De acordo com um novo estudo americano, devido a mudança climática, os pássaros estão encolhendo em tamanho, embora a envergadura de suas asas esteja ficando maior. “Descobrimos que quase todas as espécies estavam ficando menores. As …

Navio de combate alemão da 1ª Guerra Mundial é encontrado nas Malvinas

Um cruzador alemão, afundado pelos britânicos durante a Primeira Guerra Mundial em 8 de dezembro de 1914, foi achado perto da costa das ilhas Malvinas. Trata-se do SMS Scharnhorst, principal navio da esquadra do almirante Maximilian …

Impeachment de Trump avança nos EUA: entenda o caso em poucas palavras

Você já deve ter ouvido falar que a reação a um polêmico telefonema com um líder estrangeiro ameaça o futuro da Presidência de Donald Trump. O presidente americano enfrenta um inquérito de impeachment sob a acusação …

Twitter vai ser mais rígido com conteúdo adulto na internet e preocupa criadores

Desde o ano passado tem sido mais difícil para os criadores de páginas com o perfil NSFW (Not Safe for Work ou não seguro para ver no trabalho — impróprio, em tradução livre) ter seus …

Otan tenta exibir união, enquanto líderes são flagrados falando de Trump

Chefes de Estado e de Governo de 29 países participaram nesta quarta-feira (4) do segundo dia da cúpula de aniversário de 70 anos da Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte), em Watford, nos arredores …

Radar aéreo descobre um navio viking em uma fazenda

Um estudo do Instituto Norueguês de Pesquisa do Patrimônio Cultural (NIKU) descobriu um navio viking em uma fazenda usando radar aéreo. O achado foi uma surpresa e um golpe de sorte, uma vez que este local …

Casamentos entre pessoas do mesmo sexo saltam 61,7% no Brasil

O número de casamentos realizados entre pessoas do mesmo sexo em 2018 aumentou 61,7% em relação ao ano anterior, segundo dados divulgados nesta quarta-feira (04/12) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). De acordo com …

Uber do entulho te ajuda a descartar resíduos corretamente

O lixo é definitivamente um problema contemporâneo de dimensões globais – e não só a qualidade, o material ou o destino desse lixo, mas também a forma de descarta-lo. Dos 387 quilos de resíduos que o …