“Coletes amarelos” voltam às ruas na França com protestos modestos, mas marcados por confrontos

Christophe Petit Tesson / EPA

Este sábado foi marcado por uma série de protestos dos “coletes amarelos” nas ruas da França. O movimento, que começou em 2018 e ficou mundialmente conhecido por paralisar o país durante meses, havia sido interrompido, principalmente por causa da pandemia de Covid-19, mas foi retomado. As manifestações reuniram menos participantes, mas registraram confrontos com a polícia.

O movimento, que nasceu sob forma de protesto contra um imposto sobre os combustíveis, antes de se tornar uma mobilização nacional contra a queda do poder aquisitivo, foi retomado em Paris e várias cidades francesas. O ritual não foi alterado: as convocações foram lançadas pelas redes sociais e, logo pela manhã, os primeiros cortejos já estavam nas ruas.

Temendo cenas de vandalismo, como as que marcaram inúmeros protestos dos “coletes amarelos” no passado, as autoridades implementaram um dispositivo de segurança reforçado, fechando algumas estações de metrô em Paris e proibindo o acesso a locais sensíveis, como a avenida Champs-Elysées, palco de violência e degradação no auge do movimento. Alguns comerciantes também preferiram proteger suas vitrines com tapumes para evitar os atos de vandalismo.

Mas o contexto de pandemia – no qual eram mais numerosos os participantes usando máscaras de proteção do que os coletes amarelos, símbolo do movimento – parece ter tido um impacto na mobilização.

Segundo dados divulgados no início da noite pelo ministro francês do Interior, Gérald Darmanin, cerca de 8.500 pessoas desfilaram pelas ruas do país, entre elas 2.500 na capital e “as manifestações foram realizadas em um clima de calma que permitiu manter a ordem republicana”. Um número bem modesto diante dos mais de 100.000 participantes reunidos em alguns dos atosno auge do movimento.

Carros incendiados

Mas isso não impediu que o protesto desse sábado fosse marcado por confrontos com a polícia. Manifestantes enfrentaram as forças de ordem, que responderam com bombas de gás lacrimogêneo. Atos de vandalismo foram registrados e pelo menos dois carros foram incendiados em Paris.

Não há registros de feridos mas, no final do dia, a polícia indicou que 287 pessoas haviam sido detidas durante os protestos (275 na capital). Muitas delas foram presas por participarem da manifestação carregando facas, martelos e outros objetos que poderiam ser usados como armas.

// RFI

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Processo contra o Google nos EUA pode afetar o modo como você usa seu celular

Na última terça-feira (23), o Departamento de Justiça dos EUA entregou um "presente de Halloween" pouco agradável ao Google: um gigantesco processo antitruste, acusando a empresa de práticas que eliminam a competição nos mercados de …

Chilenos decidem a favor de nova Constituição por ampla maioria

Em plebiscito, quase 80% dos eleitores votam a favor de uma nova Carta Magna, em substituição à herdada da era Pinochet, e de que ela seja escrita por uma Assembleia Constituinte com igualdade entre mulheres …

'Vai comprar lá na Venezuela', rebate presidente a apoiador que reclamou de preço do arroz

O presidente Jair Bolsonaro rebateu neste domingo (25), durante passeio de moto por Brasília, crítica de apoiador sobre a alta do preço do arroz. No momento em que saia da Feira Permanente do Cruzeiro, região administrativa …

Espanha, Itália e França ampliam restrições em fim de semana com recorde de casos da Covid-19

Os líderes europeus intensificam as medidas de combate à pandemia do coronavírus, depois da alta de 42% de novos casos da Covid-19 em uma semana. A Itália reforçou neste domingo as medidas de restrição …

Pistachio, o cãozinho filhote que nasceu com pelo verde na Itália

O fazendeiro italiano Cristian Mallocci esperava uma ninhada normal de cachorros de sua cadelinha labradora. Entretanto, ao ver os filhotinhos que nasceram, ele percebeu que um era um pouquinho diferente. ‘Pistachio’, como foi nomeado posteriormente, …

Fóssil de pterossauro nunca antes visto de 100 milhões de anos é descoberto na China

Um novo gênero e uma nova espécie de pterossauro dsungaripterídeo, que viveu durante o Cretáceo Inferior, foram catalogados na China após análise de uma mandíbula inferior incompleta. Pterossauros eram répteis voadores que viveram simultaneamente com os …

A consciência é um campo energético: afirma estudo

Uma nova ideia incomum em neurociência sugere que nossa consciência é derivada de um campo de ondas eletromagnéticas emitidas pelos neurônios quando disparam suas cargas elétricas. A ideia é que essas ondas de atividade elétrica sejam …

Pais gays viram alvo de investigações na Rússia

Alguns anos atrás, o advogado Vladimir (nome modificado), morador de uma grande cidade russa, decidiu ter um filho com o auxílio de uma mãe de aluguel. Sua família inteira ficou contente quando uma menina nasceu. …

Líbano: Saad Hariri volta ao posto de primeiro-ministro para formar novo governo

Saad Hariri foi nomeado novamente primeiro-ministro do Líbano, com o desafio de chegar a um acordo com as várias forças políticas do país e formar um governo capaz de realizar as reformas necessárias para …

Alunos incentivam câmeras ligadas para que professores não ‘falem’ com telas em branco

Para amenizar a sensação de solidão de professores em aulas online, alunos norte-americanos começaram a usar o TikTok para incentivar mais estudantes a abrirem as câmeras durante encontros educacionais à distância. A usuária da rede social …