Movimento dos “coletes amarelos” completa um ano com efeitos positivos na economia

presidenciaperu / Flickr

O presidente da França, Emmanuel Macron

O diário econômico francês Les Echos desta sexta-feira dedica sua capa e várias páginas ao movimento dos coletes amarelos, que completa um ano neste domingo. O jornal analisa as consequências dos protestos na economia francesa e no comportamento do chefe de Estado.

A crise dos coletes amarelos começou com o aumento dos impostos sobre os combustíveis e evoluiu para uma ampla pauta de reivindicações.

O presidente francês perdeu popularidade e teve que adotar, ainda em 2018, medidas propostas pelo movimento para melhorar o poder aquisitivo da população. O chefe de Estado também saiu em caravana pelo país para debater diretamente com os franceses.

O jornal Les Echos diz que outras crises se sobrepuseram àquela que levou multidões às ruas. Entre elas, a reforma da Previdência e a crise nos hospitais e nas universidades públicas, por exemplo.

O fato é que o efeito “coletes amarelos” fez com que Macron mudasse o seu comportamento. “Depois de uma primeira fase bastante vertical de seu mandato, ele garante ter aprendido, com esta crise, a ouvir e discutir mais, tendo os franceses como mediadores”, ressalta o jornal, que também acredita que, agora, o presidente tenha mais “humanidade.”

O Les Echos ainda lembra que o investimento de cerca de € 17 bilhões para tentar “apagar o incêndio social” no final do ano passado, fez com que a economia francesa resistisse melhor que seus vizinhos à desaceleração do crescimento da economia global, fazendo de Macron “um adepto de Keynes”, em alusão ao economista britânico John Keynes, que defende a função social do Estado na melhoria das condições de vida da população, o chamado Estado-Providência.

O jornal também destaca que o presidente mudou sua maneira de comunicar com o povo. No início do mandato, Macron protagonizou episódios que o levaram a ter fama de arrogante, como quando deu uma bronca em um jovem que o chamou de “Manu.”

Apesar disso, lembra o jornal, Macron não tem um projeto de coesão da sociedade e terá semanas difíceis pela frente: as greves anunciadas a partir do dia 5 de dezembro, para protestar contra a reforma da Previdência, garantem um fim de ano agitado para Macron e para os franceses.

O governo também teme que os coletes amarelos voltem às ruas para comemorar o aniversário de um ano dos protestos de forma violenta.

O movimento continua

Uma outra matéria no mesmo jornal diz que, apesar de enfraquecido, o movimento nunca deixou de existir.

“Os grupos no Facebook aspiram reencontrar esta visibilidade e convocam os coletes amarelos e se encontrarem na avenida Champs Elysées, que se tornou simbólica nas manifestaçõs”, escreve Les Echos.

As figuras emblemáticas do movimento também desapareceram da mídia. Apesar disso, diz o jornal, o movimento continua a ter a aprovação de 22% dos franceses, segundo pesquisa do instituto Elabe.

// RFI

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Evo Morales vai fazer da Argentina o seu comitê de campanha para as eleições na Bolívia

Em uma operação secreta, o ex-presidente da Bolívia, Evo Morales, chegou à Argentina de onde vai comandar a campanha do seu partido para as próximas eleições. Depois de passar quase um mês no México, …

Boris Johnson vence por ampla margem no Reino Unido

O Partido Conservador do atual primeiro-ministro, Boris Johnson, conquistou a maioria absoluta dos assentos no Parlamento do Reino Unido nas eleições realizuadas nesta quinta-feira (12/12) no país. Esse resultado eleitoral garante ao premiê o número …

Simples e atemporal, azul clássico é a cor de 2020, segundo a Pantone

A cor do ano de 2020 será o Classic Blue, um azul clássico que oferece estabilidade e conexão. Quem diz isso é a Pantone, a principal empresa de cores do mundo, que oferece o sistema …

Segredos do idioma dos orangotangos são revelados

Um novo estudo da Universidade de Exeter (Inglaterra) desvendou a linguagem secreta dos orangotangos, descobrindo o que significam 11 sinais vocais e 21 gestos. Os pesquisadores passaram dois anos filmando mais de 600 horas do comportamento …

Exaustos com o Brexit, britânicos vão às urnas pela quarta vez em quatro anos

O Reino Unido está indo às urnas nesta quinta-feira (12) para o que está sendo chamada de a eleição mais importante desta era. Os britânicos estão diante de duas escolhas: apoiar o primeiro-ministro conservador Boris Johnson e …

VÍDEO da NASA revela degelo dramático das geleiras do Alasca

Vídeo recém-publicado mostra derretimento de geleiras e calotas de gelo do Alasca visto do espaço. Algumas imagens revelam mudanças de quase 50 anos, e dão aos cientistas novas ideias relacionadas aos efeitos das mudanças climáticas …

Greta Thunberg é eleita Pessoa do Ano pela "Time"

Revista dedica capa à jovem adolescente sueca por liderar a maior manifestação pelo clima na história da humanidade e diz que mudanças significativas raramente ocorrem sem a força mobilizadora de indivíduos influentes. A ativista sueca Greta …

Companhia aérea adota copos comestíveis para substituir descartáveis

A redução do uso de plástico como medida de combate à poluição é necessidade urgente e, ainda que cada um de nós seja parte desse destrutivo consumo, é sabido que a diferença se dá de …

Senado votará pacote anticrime nesta quarta-feira, diz Alcolumbre

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), disse que vai pautar para esta quarta-feira (11) a votação do pacote anticrime. O projeto foi aprovado na semana passada pela Câmara dos Deputados e passou nesta terça-feira (10) …

Vacina contra gastroenterite pode ser eficaz contra câncer, mostra pesquisa

O estudo, realizado por um grupo de cientistas franceses do Centro de Pesquisa em Cancerologia de Lyon, mostrou que a vacina usada para prevenir a gastroenterite em crianças pode provocar a morte de células cancerígenas …