Com medo da Covid-19, Venezuela discrimina venezuelanos que voltam ao país

Marcelo Camargo / ABr

Várias medidas vêm sendo aplicadas na Venezuela para conter a Covid-19. Um estádio foi transformado em hospital de campanha, blocos de concreto foram colocados nas vias, festas estão proibidas e há um canal de denúncia contra venezuelanos que voltam ao país por trilhas ilegais.

Sem condições para se manterem no exterior, pelo menos 42 mil venezuelanos em território colombiano tentam voltar ao próprio país, de acordo com Juan Fernando Espinoza, diretor da Migração Colômbia.

É na fronteira entre os dois países que centenas deles se aglomeram aguardando a autorização para ingressar na Venezuela. No entanto, a entrada deles é restrita por ordem do governo de Nicolás Maduro. Para o governo da Venezuela, essas pessoas são “armas biológicas”, já que poderiam elevar o número de casos no país.

As autoridades do governo bolivariano classificam o coronavírus como “o vírus colombiano”, como se a doença tivesse surgido no país vizinho e não na China, um dos principais apoiadores da Venezuela.

Ao relento, com fome e sem conseguir passar legalmente pela fronteira, esses venezuelanos recorrem a “trochas”, como são chamadas as vias ilegais, para voltar para casa. Às vezes precisam pagar atravessadores ou até mesmo subornar integrantes da Guarda Nacional Bolivariana para poder entrar no país em que nasceram.

Estes venezuelanos são recriminados e chamados pejorativamente de “trocheros”. Caso sejam pegos na Venezuela, são levados presos por ordem do governo. Para o bolivariano Freddy Bernal, protetor de Táchira, estado na fronteira com a Colômbia, os “trocheros” são “terroristas biológicos”.

Até o momento, pelo menos 21 “trochas”, as passagens irregulares na fronteira colombo-venezuelana, foram destruídas.

Perseguição contra os “trocheros”

Entre as medidas restritivas, Maduro afirmou recentemente que é preciso “parar o tema dos “trocheros”, que contaminaram o país”. Números divulgados pelo governo apontavam que havia mais casos “importados” que de transmissão comunitária. Hoje essa proporção se inverteu.

Para identificar e buscar os “trocheros” foi criado um correio eletrônico para receber denúncias anônimas desses venezuelanos que retornam de maneira ilegal ao próprio país. No incentivo à delação está o alerta: “lembre-se de que a saúde de todos está em jogo por culpa de irresponsáveis que violam pontos de controle epidemiológico no país. Denuncie!”

Maduro afirmou em rede nacional que mais de mil “trocheros” foram encontrados em todo o país. Soledad García, relatora da Comissão Interamericana de Direitos Humanos, considera que classificar como “trocheros e apátridas” os venezuelanos que tentam voltar ao país “agrava a situação de vulnerabilidade dos migrantes”.

São as Brigadas de Prevenção Popular que fazem as buscas. Elas vão aos endereços denunciados para capturar quem voltou ao país de maneira ilegal. No melhor dos casos, eles são levados a albergues ou hotéis habilitados pelo governo, onde ficam em observação por até 14 dias. No entanto, há denúncias de que nesses centros faltam água e colchões, e a comida é limitada.

Outros não têm a mesma sorte. Cerca de 13 “trocheros” foram processados e deverão cumprir entre seis e dez anos de prisão.

De acordo com o Observatório Venezuelano de Prisões nos últimos dias cerca de 49 detentos foram detectados com a Covid-19. Não há informações concretas sobre como a doença se espalhou nas cadeias venezuelanas.

Proibido se contaminar

A Direção de Manutenção da Ordem Interna da Guarda Nacional Bolivariana, braço das Forças Armadas, lançou uma advertência. O funcionário que por “negligência” for contaminado com a Covid-19 terá um procedimento administrativo aberto e será severamente punido.

Há semanas pelo menos 160 militares testaram positivo para o novo coronavírus. Cerca de 12 integrantes da cúpula do chavismo, Diosdado Cabello entre eles, testaram positivo. Esta semana o vice-almirante Luis Somaza Chacón morreu em decorrência do vírus.

Para receber infectados, o governo bolivariano adaptou com 1.200 camas o Poliedro de Caracas, uma espécie de Maracanãzinho onde eram realizados shows, jogos e os concursos do Miss Venezuela. Como chefe deste hospital de campanha foi designado o ex-jogador de beisebol e cantor Antonio Álvarez, mais conhecido pelo apelido de Potro Álvarez.

É obrigatório o uso de máscaras nas ruas do país. No estado Miranda, que engloba a Grande Caracas e onde estão boa parte dos infectados, esta semana foi instaurado um rodízio. É preciso obedecer o dia da semana determinado pelo final numérico da carteira de identidade para poder comprar nos supermercados.

Em Caracas, nos bairros com maior número de infectados, foram colocados blocos de concretos nas ruas para impedir a circulação de veículos e de pessoas.

Em todo o país estão proibidas as reuniões, sob pena de prisão. No último fim de semana cerca de 140 pessoas foram presas em flagrante ao participar de festas clandestinas. Para a primeira dama, Cília Flores, “é preciso assumir a quarentena como forma de vida”.

// RFI

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

George W. Bush: o suposto plano para matar ex-presidente dos EUA desbaratado pelo FBI

Um simpatizante do Estado Islâmico planejava assassinar o ex-presidente dos EUA George W. Bush, mas o plano foi descoberto pelo FBI (polícia federal americana), segundo autoridades dos Estados Unidos. O suspeito, um residente de Ohio, supostamente …

O que se sabe sobre misterioso surto de varíola dos macacos

Casos recentes da doença na América do Norte e Europa acenderam o alerta entre especialistas. Endêmico na África, vírus é transmitido por animais contaminados e por contato próximo prolongado entre pessoas. Autoridades de saúde na América …

EUA: Estudo traz primeiros resultados 'promissores' de vacina de RNA mensageiro contra Aids

Uma vacina usando a tecnologia de RNA mensageiro, a mesma que algumas vacinas contra a Covid-19, pode ser usada desta vez contra a Aids. É o que mostram os primeiros resultados promissores de testes …

Viagem de Lula à Argentina visa fortalecer governo de Fernández e teoria de lawfare contra Kirchner

O ex-presidente Lula será o primeiro estrangeiro a discursar diante de uma multidão na Praça de Maio, em Buenos Aires, em um ato destinado a renovar o vínculo do governo argentino com o seu …

Após EUA, vários países se mobilizam em boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia seguiram os passos dos Estados Unidos e anunciaram que também vão participar do “boicote diplomático” aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, previstos para fevereiro. Os países acusam …

Musk anuncia que Neuralink testará microchips neuronais em humanos em 2022

O bilionário e empreendedor norte-americano referiu que já testou com sucesso um implante cerebral em um macaco, e quer agora que essa tecnologia seja aplicada em humanos. Os humanos poderão ter implantes cerebrais da empresa Neuralink …

Cientistas americanos encontram substância contra coronavírus em algas para sushi

Biólogos americanos esperam que sua descoberta ajude na criação de tratamentos antivírus com base em plantas. Os cientistas determinaram que o sulfato de rhamnan – polissacarídeo componente das algas verdes Monostroma nitidum, utilizadas para embrulhar o …

Mulheres comandam metade dos ministérios no governo Scholz

Futuro chanceler confirma nomes finais do seu governo, que deverá começar os trabalhos ainda esta semana. Percentual de mulheres no comando de ministérios federais é o maior da história da Alemanha. O próximo chanceler federal da …

Biden e Putin fazem videoconferência para tentar resolver impasse na Ucrânia

Joe Biden e Vladimir Putin se preparam para uma vídeoconferência nesta terça-feira (7) em um momento em que as tensões entre Washington e Moscou se intensificam com rumores de uma iminente invasão da Ucrânia …

Aung San Suu Kyi é condenada a 4 anos de prisão

Líder deposta por golpe militar em Mianmar enfrenta série de acusações que a Anistia Internacional chama de falsas. Novo veredicto deve sair nos próximos dias. A líder deposta de Mianmar, Aung San Suu Kyi, foi condenada …