Conflito armado se acirra na fronteira entre Armênia e Azerbaijão

(h) NKR Defense Army / EPA

A Armênia e o Azerbaijão se acusaram mutuamente neste domingo (27/09) de iniciar confrontos mortais na região separatista de Nagorno-Karabakh, na fronteira entre os dois países, em meio a uma disputa territorial de décadas. Ao menos 23 pessoas foram mortas no conflito, considerado o mais grave em quatro anos.

Autoridades rebeldes afirmaram que 16 combatentes separatistas armênios foram mortos, e mais de 100 ficaram feridos nos confrontos. Ambos os lados também relataram vítimas civis.

Enquanto o Azerbaijão condenou “veementemente” a investida militar da Armênia na região, o governo armênio convocou à “mobilização geral”. Ambos os países declararam lei marcial, sob a qual lideranças militares assumem a posição de autoridades civis.

Em declaração divulgada no Twitter, o conselheiro do presidente do Azerbaijão, Hikmet Hajiyev, sublinhou que o país “condena veementemente o novo ato de agressão da Armênia”. Acusando as Forças Armadas do país vizinho de terem violado o cessar-fogo bilateral, ele mencionou um “bombardeio que afetou áreas densamente povoadas por civis”.

“Há relatos de mortos e feridos entre civis e militares”, acrescentou Hajiyev, atribuindo a responsabilidade das ofensivas ao bloco armênio, por ter “deliberadamente atacado áreas residenciais”.

Já o primeiro-ministro armênio, Nikol Pashinian, fez um apelo à “mobilização militar geral” através do Facebook, exortando o pessoal ligado às Forças Armadas a se apresentar em suas comissões militares territoriais. Segundo o correspondente da DW em Ierevan, numerosos cidadãos se reuniram no centro da capital armênia, dispostos a partir para o front.

Horas antes, o premiê denunciara em tuíte uma ofensiva do Azerbaijão “com ataques aéreos e de mísseis”, anunciando o abate de dois helicópteros e três drones azéris, assim como a destruição de três tanques.

Não há dados seguros sobre se os disparos partiram das forças governamentais armênias ou de rebeldes de Nagorno-Karabakh. Pashinian assegurou, ainda, que o Exército armênio tudo fará para “proteger a pátria da invasão”.

Araik Harutyunyan, presidente da autoproclamada República de Nagorno-Karabakh, também declarou “lei marcial e mobilização militar” numa sessão parlamentar de emergência. O território é um enclave de etnia armênia no Azerbaijão, fora do domínio azéri desde 1994. Ambos os lados mantêm forte presença militar ao longo de uma zona desmilitarizada que separa a região do resto do Azerbaijão.

O chefe da ONU, António Guterres, está “extremamente preocupado com a retomada das hostilidades” na região, informou um porta-voz em comunicado. “O secretário-geral apela veementemente aos lados para que parem imediatamente de lutar, diminuam as tensões e retornem a negociações significativas sem demora.”

O presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, também classificou como “altamente preocupante” o retorno da violência na região, afirmando no Twitter que “a volta imediata às negociações, sem pré-condições, é o único modo de seguir adiante.”

O conflito armênio-azerbaijano data dos tempos soviéticos: em fins dos anos 80 a população majoritariamente armênia de Nagorno-Karabakh pediu para o ter

ório ser incorporado à vizinha Armênia. A subsequente guerra durou seis anos, causando cerca de 25 mil mortes. No fim, as forças armênias assumiram o controle de Karabakh.

Apesar de o conflito entre os dois países ter se concluído oficialmente em 1994, as tensões e confrontos na região separatista se mantiveram, mesmo com a assinatura de um cessar-fogo em 2016. Os atuais choques armados são os mais pesados desde então.

O Azerbaijão defende que a solução do conflito com a Armênia envolve necessariamente a libertação dos territórios ocupados, exigência que tem sido apoiada por várias resoluções do Conselho de Segurança das Nações Unidas.

A Armênia, por seu lado, apoia o direito à autodeterminação de Nagorno-Karabakh, defendendo a participação dos representantes do território separatista nas negociações para a resolução do conflito.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Estudo de esqueletos de 200 gerações revela como humanos evoluíram para lutar contra germes

Estudiosos analisaram cerca de 70 mil esqueletos de 200 gerações a fim de entender como a humidade passou por pandemias anteriores. Os estudos foram feitos acerca de doenças infecciosas como tuberculose, treponematose e hanseníase. Os pesquisadores …

Médica adverte sobre síndrome inflamatória multissistema em pacientes que superaram covid

A médica-chefe de um hospital de Moscou, Mariana Lysenko, declarou em uma entrevista ao canal RT que alguns dos pacientes que superaram a COVID-19 podem desenvolver uma síndrome inflamatória multissistema. De acordo com a médica, a …

Militares abrem fogo contra manifestantes em Mianmar

Forças de segurança reforçam repressão aos protestos contra golpe de Estado e deposição do governo democraticamente eleito. Relatos de mortes surgem de várias cidades. ONU condena violência e o uso de força excessiva. As forças de …

LEGO lança quiz online para educar a criançada sobre cyberbullying

O sentido educacional que os brinquedos da LEGO oferecem ganha nova e ainda maior dimensão com o lançamento do Safer Internet Day (ou Dia da Internet mais Segura, em tradução livre), um quiz virtual desenvolvido …

Covid-19: Peru prorroga suspensão de voos do Brasil até 14 de março

O governo do Peru anunciou neste domingo (29) a prorrogação até 14 de março da suspensão de voos procedentes do Brasil. A medida preventiva visa evitar a entrada de passageiros que podem estar infectados …

Ex-funcionários do McDonald's revelam "estratégia de espionagem" da rede de fast-food

A revista Vice analisou testemunhos de supostos trabalhadores anônimos do McDonald's que tinham conhecimento direto da vigilância, e vazou documentos que explicam as táticas de espionagem. Uma equipe de analistas de inteligência da cadeia de fast-food …

Bolsonaro usa pesquisa alemã distorcida para criticar uso de máscaras

O presidente Jair Bolsonaro usou sua live de quinta-feira (26/02) para mais uma vez desestimular o uso de máscaras contra a covid-19. No mesmo dia em que o Brasil registrou a segunda pior marca de mortes …

Cientistas congelam sêmen de corais para tentar salvar espécie da extinção no Brasil

Estima-se que até 50% dos recifes de corais já desapareceram dos oceanos. A previsão para o futuro também não é animadora: uma projeção da Unesco apontou que, caso as mudanças climáticas não sejam revertidas, eles …

Esqueletos descobertos podem revelar a história do mais rico pirata da historia, morto há 300 anos

No início do século XVIII, quem mandava nos mares sem lei do Caribe, da América Central e da América do Norte era o grande pirata inglês Samuel Bellamy, imortalizado pelo apelido de “Black Sam”. Um dos …

Biden isola príncipe saudita, provável alvo de relatório da CIA sobre morte de jornalista

O presidente americano, Joe Biden, falou pela primeira vez por telefone nesta quinta-feira (25) com o rei Salman, da Arábia Saudita, na iminência da publicação de um aguardado relatório de inteligência sobre o assassinato …