Afinal, os corais são contemporâneos dos dinossauros

Os cientistas descobriram que as algas que suportam os corais começaram a aparecer durante o período Jurássico Médio, ainda antes da extinção dos dinossauros – 100 milhões de anos antes do que pensávamos.

Um grupo internacional de cientistas descobriu que a associação entre os corais e seus simbiontes, as microalgas, começou a aparecer há cerca de 160 milhões de anos, e não há 60 milhões como se pensava até então.

A pesquisa, publicada semana passada no Science Daily, demonstra assim que os atuais recifes de corais são contemporâneos dos dinossauros.

As microalgas, também conhecidas como zooxantela, vivem nas células dos corais e permitem que captem energia solar para construir formações de recifes, que servem de habitat para diversos organismos marinhos.

De acordo com um dos autores do estudo, o professor Todd LaJeunesse da Universidade Estadual da Pensilvânia, nos Estados Unidos, a associação com as microalgas foi “uma das principais razões para o sucesso dos corais modernos”.

Assim como aponta o estudo, os cientistas realizaram uma análise de DNA das microalgas, um estudo filogenético e comparações genômicas, e descobriram que os simbiontes apareceram e começaram sua associação com o coral durante o período Jurássico Médio, antes da extinção dos dinossauros.

Os cientistas observaram ainda que, ao longo da sua existência, as associações entre os corais e seus simbiontes sobreviveram a muitos episódios de mudanças climáticas – inclusive à extinção dos dinossauros.

Essa capacidade de superar as adversidade climáticas sugere aos cientistas que, apesar da crescente preocupação com o aquecimento global, os corais podem também sobreviver a mais uma mudança drástica no clima.

Ciberia // Sputnik / ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Submarinos russos serão equipados com “torpedos do Juízo Final”

Os submarinos das frotas do Norte e do Pacífico da Marinha russa deverão brevemente contar com 32 drones nucleares Poseidon, conhecidos como “torpedos do Juízo Final”, capazes de destruir completamente cidades costeiras. Segundo revela o portal Russkoe …

Universidade egípcia expulsa aluna por abraçar o noivo (fora do campus)

A aluna abraçou o noivo quando o rapaz a pediu em casamento, mas o gesto, que não aconteceu no interior do campus, foi o suficiente para a jovem ser expulsa pela universidade. A universidade egípcia de Al …

Escultura “McJesus” provoca protestos em Israel

Uma escultura representando a figura de Ronald McDonald (da cadeia de fast food McDonald’s) crucificado, em uma exposição de arte em Israel, está provocando protestos da minoria cristã árabe no país. Centenas de cristãos árabes pediram …

Há uma espiral misteriosa na atmosfera de Vênus

A nave espacial não tripulada Akatsuki, do Japão, encontrou gigantescas estruturas espirais na atmosfera de Vênus, formadas por ventos polares e pela rápida rotação do planeta. A atmosfera de Vênus ganha atenção de astrônomos há quase …

Tem “barriga de cerveja”? Seu cérebro pode estar encolhendo

Uma equipe de pesquisadores britânicos concluiu que quem acumula mais gordura na zona do abdômen apresenta uma maior probabilidade de redução do cérebro e de aparecimento de demência. Com a linha da cintura em expansão, surgem …

Até os antigos egípcios faziam tarefa de casa

Uma tarefa de casa, escrita por uma criança do Antigo Egito, ficou preservada desde o segundo século a.C. – e as palavras podem parecer familiares até nos dias de hoje. Uma lição antiga preservada em uma …

Dinamarca avança com plano ambicioso de criar 9 ilhas na costa de Copenhague

O governo dinamarquês e a prefeitura de Copenhague, em conjunto com um gabinete de arquitectura e planejamento urbano, vão avançar com um ambicioso plano de criar nove ilhas na costa da capital do país. Um grandioso …

(cv) Euronews

Submarino alemão da Primeira Guerra Mundial aparece na costa da França

Os destroços de um submarino alemão da Primeira Guerra Mundial emergiram em uma praia de Wissant, no norte da França. Há décadas enterrada na areia, a carcaça enferrujada da embarcação naufragada em 1917 agora pode …

Não somos só o que comemos, “somos o que vemos” no dia a dia

No que diz respeito à saúde física, somos o que comemos. Mas e quanto à saúde mental? Segundo o médico David Fryburg, endocrinologista, somos o que vemos. Conforme aponta Fryburg, a comida é uma mistura complicada de fontes …

Detectados misteriosos sinais de rádio de galáxia a 1,5 bilhão de anos-luz

Uma equipe de cientistas do Canadá detectou sinais de rádio provenientes de uma galáxia a 1,5 bilhões de anos-luz de distância da Terra. As rajadas rápidas de rádio, impulsos de energia com duração de apenas alguns …