Desde 1970 a NASA sabe que existe vida em Marte, diz ex-engenheiro da agência

ESA

Em um artigo publicado na terça-feira (15) na revista Scientific American, Gilbert Levin, um ex-engenheiro da NASA que trabalhou nas missões Viking, faz uma afirmação polêmica: a de que, desde a década de 1970, a agência já sabe que existe vida em Marte.

No artigo, Levin revela que as duas naves Viking, que pousaram em locais bem diferentes do Planeta Vermelho, conduziram uma série de testes para determinar se existia vida no planeta. E um destes testes, que foi baseado no experimento usado pelo cientista Louis Pasteur para provar a existência dos micróbios, retornou um valor positivo para a existência de microorganismos.

O resultado obtido teria sido confirmado pela outra nave da missão Viking, que replicou os resultados ao efetuar o mesmo teste em uma região mais de 6.500 km distante de onde a primeira nave pousou.

Levin, que afirma ter passado os últimos 43 anos estudando os resultados obtidos na missão, revela que ao toda a equipe conseguiu quatro testes que resultaram como positivos da presença de vida em Marte, todos com curvas de dados que indicavam a existência de respiração microbiana no solo do planeta, e que eram bem parecidos com os resultados encontrados ao investigar a presença de bactérias no solo terrestre — o que, para Levin, provava que havia sido encontrada a presença de vida microscópica em Marte.

A pergunta que ele faz no artigo é: se a presença de vida em Marte já estava comprovada, por que o governo dos Estados Unidos resolveu esconder essa informação durante décadas?

Mas a realidade não é exatamente essa. O resultado dos testes conduzidos pelas Viking no solo de Marte durante a década de 1970 não foram escondidos como informação confidencial, e nestas últimas quatro décadas diversos cientistas têm analisado esses resultados, mas não há um consenso sobre se eles realmente indicam a existência de vida no planeta.

Isso porque os críticos desta afirmação acusam os testes de não serem específicos, com resultados que não se confirmam ao longo de todos os experimentos e, por isso mesmo, inconclusivos.

Levin até mesmo concorda com essas críticas, e são nelas que a maior preocupação do engenheiro está depositada: o fato de que os resultados obtidos pelas missões Viking não foram complementados por outros experimentos que pudessem validar as descobertas feitas pela missão.

E isso coloca os atuais planos da NASA sobre um novo prisma, pois a agência estaria pronta para enviar astronautas a um planeta onde não há a certeza da existência ou não de germes, e isso pode colocar os astronautas em um risco desnecessário, pois, caso exista vida microscópica em Marte, será necessário um grande esforço não apenas para não expô-los aos possíveis microorganismos existentes no planeta, mas também para garantir que eles não tragam nenhum desses microorganismos em seu retorno para a Terra.

Assim, Levin conclui que, antes de enviarmos astronautas para Marte, é preciso estudar com maior atenção os resultados dos experimentos feitos pela Viking e compará-los com as mais recentes evidências de que poderia existir vida em Marte — como as recentes descobertas de que, em algum momento de sua evolução, o planeta já teve uma atmosfera e grandes reservatórios de água, o que é o suficiente para fazer com que muitos cientistas acreditem que, ao menos em algum momento, organismos vivos existiram em Marte.

Mesmo que existam muitas teorias de que já existiu vida em Marte — e evidências que suportam essas teorias — ainda não há nenhum consenso científico de que outro planeta além da Terra tenha desenvolvido uma forma de vida.

Mas, ao mesmo tempo, é preciso levar muito a sério os avisos de Levin, pois, se realmente existirem microorganismos vivos no solo de Marte, enviar astronautas para lá pode ser algo extremamente perigoso, pois não é possível saber como esses germes e bactérias irão se comportar na atmosfera terrestre caso esses astronautas tragam amostras deles para cá, e seria importante ter a certeza da existência ou não da existência de vida no Planeta Vermelho antes de enviarmos os primeiros humanos para explorar o terreno marciano.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Fumar aumenta o risco de depressão e esquizofrenia?

De acordo com um novo estudo da Universidade de Bristol (Reino Unido), fumar pode aumentar o seu risco de desenvolver depressão ou esquizofrenia. Os pesquisadores queriam estudar a relação conhecida entre tabagismo e doenças mentais. Muitas …

Prisões não vão abrir as portas após decisão do STF, dizem especialistas

Segundo especialistas ouvidos pela Sputnik Brasil, a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre o momento da execução da pena não vai fazer com que as "portas dos presídios sejam abertas para criminosos perigosos". Na quinta-feira …

EUA acusam China de exportar drones autônomos letais para o Oriente Médio

O exército hi-tech de autômatos letais, antes uma visão do futuro, já é uma realidade e está em pleno curso, inclusive com comércio dessa nova tecnologia em andamento. Isso é o que diz o secretário de …

Um simples exame de sangue já pode prever câncer de mama 5 anos antes de se manifestar

O câncer de mama é o segundo mais comum no mundo, e também o que mais mata mulheres. No entanto, o grande paradoxo é que, enquanto a doença é a responsável por uma das principais …

Evo Morales renuncia à presidência da Bolívia

Após convocar novas eleições, líder esquerdista cede à pressão das Forças Armadas e da polícia, entregando o cargo "para que meus irmãos não sejam ameaçados". Vice e outras autoridades também se demitem. O presidente da Bolívia, …

Pesquisadores descobrem a primeira nova cepa de HIV em quase duas décadas

Um estudo dos Laboratórios Abbott e da Universidade do Missouri (EUA) detectou a primeira nova cepa de HIV em 19 anos, desde que as diretrizes para classificação de subtipos foram estabelecidas em 2000. A cepa faz …

Google, Facebook e Microsoft propõem que Pentágono controle inteligência artificial

Microsoft, Google e Facebook estão pedindo para que Washington assuma controle sobre o desenvolvimento da inteligência artificial. Dois gigantes do Vale do Silício do GAFAM, Google e Facebook, juntos com a Microsoft, exortam, através de seu …

Georg Elser, o lobo solitário que quase matou Hitler

Em 8 de novembro de 1939, um carpinteiro alemão por pouco não mudou o rumo da história. Mas ditador nazista escapou do atentado preparado por ele em Munique. Passaram-se décadas até Elser ser reconhecido. Consta que …

Pela primeira vez, Brasil apoia embargo dos EUA a Cuba na ONU

Pelo 28º ano consecutivo, o embargo dos EUA imposto a Cuba há quase seis décadas foi condenado nesta quinta-feira (7) por uma esmagadora maioria na Assembleia Geral da ONU, onde a resolução cubana obteve 187 …

Inteligência artificial resolveria problema de Isaac Newton do século XVII

Um algoritmo astronômico descoberto por pesquisadores no Reino Unido resolveu um dos problemas que ninguém conseguiu solucionar desde Newton. A inteligência artificial (IA) poderia permitir que cientistas britânicos encontrassem uma solução em menos de um segundo …