Desigualdade cria ambiente propício para extrema direita no Brasil, diz Dilma

A ex-presidente do Brasil, Dilma Rousseff

A ex-presidente do Brasil, Dilma Rousseff

Personificada no presidente eleito Jair Bolsonaro, a extrema direita estava latente no Brasil e aproveitou-se da desigualdade para pavimentar seu crescimento. A avaliação foi feita pela ex-presidente Dilma Rousseff, derrotada nas eleições de outubro ao disputar uma vaga no Senado por Minas Gerais, em entrevista à EFE.

“Acredito que o que levou a criar um ambiente propício para que a extrema direita crescesse foi a desigualdade, que é engendrada por uma forma de desenvolvimento econômico que tem como aspecto prioritário o lado financeiro”, afirmou a ex-presidente pouco depois de participar de um evento da Fundação Perseu Ábramo, ligada ao PT.

Para a ex-presidente, a extrema direita estava escondida no Brasil após quase duas décadas do fim da ditadura militar (1964-1985). Outro elemento que contribuiu para essa irrupção, na avaliação de Dilma, é o fato de país ainda ter “todo um rastro de escravidão“.

No entanto, segundo a petista, o impeachment sofrido por ela em 2016 e a prisão em abril do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado por corrupção, foram fatores definitivos para o movimento.

“O processo de impeachment e a prisão de Lula limparam o ‘centro ideológico’ e a extrema direita se apropriou dessa base do centro e da direita (não radical)”, analisou.

A partir disso, Dilma considera que foi criado um ambiente no qual a corrupção deixou em segundo plano outros problemas do país, como a concentração de riqueza na mão da camada mais rica da população.

“Dizem que a Petrobras quebrou porque houve corrupção dentro da Petrobras. A corrupção não quebrou a Petrobras. A Petrobras continua tendo grandes lucros. O problema do Brasil não é a corrupção, mas sim como a crise nos afetou”, disse a ex-presidente.

Depois de quatro anos de prejuízos, a Petrobras dá sinais de que voltará a lucrar apenas neste ano, de acordo com os resultados trimestrais publicados até o momento.

Perguntada sobre suas maiores preocupações no futuro governo de Bolsonaro, Dilma afirmou que, do ponto de vista político, teme a “destruição do adversário”. Na economia, o medo é a agenda neoliberal do presidente eleito, que pretende vender estatais e tem outros projetos considerados pela petista como “nocivos” ao país.

“Uma coisa é derrotar o adversário, outra é querer destruí-lo fisicamente. Ele em vários momentos falou isso, não?”, questionou.

Dilma afirmou que não serão os militares indicados para compor o futuro ministério de Bolsonaro que darão a “nota grave” do governo. Para ela, que considera “extremamente preocupante” a quantidade de integrantes das Forças Armadas exercendo a atividade política, eles podem ter até um papel mais desenvolvimentista que o eleito.

“O que é uma nota preocupante do governo de Bolsonaro é o caráter neofacista, certos vínculos que ele tem, não somente com os militares, mas sobretudo com a pauta das milícias ou do combate antipetista, que se tornou uma espécie de anticomunismo”, analisou.

Na opinião de Dilma, o antipetismo de hoje tem “componentes fantasmagóricos” que não se viam no Brasil desde a ditadura. “Mas o caráter fundamental do governo de Bolsonaro é ser um governo neoliberal de desmonte, combinado com um governo autoritário”, disse a ex-presidente.

Bolsonaro, segundo Dilma, ainda terá que lidar com certas “contradições” de sua equipe, já que, para ela, há integrantes do futuro governo que não concordam com o “neoliberalismo radical”.

Para enfrentar os problemas que surgem a partir da aplicação de uma política neoliberal, a ex-presidente avalia ser fundamental a “radicalização da democracia” para combater o aumento da desigualdade e retrocessos nos direitos, como habitação digna, educação de qualidade e aposentadoria decente.

“Para nós, no Brasil, é fundamental radicalizar a democracia, ou seja, nós somos aqueles que defendem a democracia, que defendem as liberdades e os direitos civis fundamentais. É uma luta que não pode se esgotar só nos partidos, tem que envolver também os movimentos sociais”, concluiu Dilma.

Ciberia // EFE

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Incêndios florestais matam quatro pessoas e centenas de cangurus na Austrália

O número de vítimas pelos incêndios no leste da Austrália, onde 140 focos ainda continuam ativos, subiu para quatro nesta quinta-feira (14), com a descoberta de um cadáver perto da cidade de Kempsey, em Nova …

Holanda reduzirá limite de velocidade para combater poluição

O governo da Holanda reduzirá o limite máximo de velocidade nas rodovias do país como parte de uma série de medidas para combater as emissões de óxido de nitrogênio, geradas em grande parte por veículos …

A polêmica sobre campos de extermínio nazistas que opôs a Polônia ao Netflix

O primeiro-ministro da Polônia, Mateusz Morawiecki, enviou uma carta ao Netflix insistindo em mudanças no documentário The Devil Next Door (o diabo ao lado), sobre campos de extermínio nazistas. Na carta enviada no domingo, 10, e …

O único problema de ser filho único é o estigma

Filhos únicos possuem uma péssima reputação. Quantas vezes você não observou algum pai ser criticado por escolher ter apenas um pimpolho? “Ele vai ficar mimado, muito sozinho, egoísta, etc. etc. etc”. É um senso comum. Parece, …

Epidemia mundial: Pneumonia mata uma criança de menos de 5 anos a cada 39 segundos

O Dia Mundial da Pneumonia é comemorado em 12 de novembro. A data foi proposta pela Organização Mundial da Saúde (OMS), com o objetivo de conscientizar as pessoas sobre a importância da prevenção da doença, …

Senadora se declara presidente da Bolívia

A parlamentar oposicionista e segunda vice-presidente do Senado Jeanine Áñez declarou-se presidente da Bolívia nesta terça-feira (12). Ela também afirmou que o país terá novas eleições após a formação de uma nova comissão eleitoral. "De acordo …

Bolsonaro anuncia saída do PSL

Em meio à crise por disputa de poder na legenda, presidente afirma que pretende criar novo partido. Cerca de 30 parlamentares aliados de Bolsonaro devem seguir exemplo e deixar o PSL. O presidente Jair Bolsonaro anunciou …

Israel mata comandante da Jihad Islâmica em ataque aéreo

Forças israelense bombardeiam casa de líder extremista na Faixa de Gaza. Militantes palestinos reagem disparando dezenas de mísseis contra Israel. Autoridades pedem que população fique em casa. Um importante comandante militar do grupo extremista palestino Jihad …

Cão aprende a falar usando máquina de escrever e já sabe 29 palavras

Stella tem 18 meses e, apesar de ser um cachorro, já sabe “falar” mais do que muitos humanos da sua idade. Através de uma máquina criada por sua tutora, o animal consegue se comunicar usando …

Saída de Lula da prisão pode ser “oportunidade” para Bolsonaro, diz especialista ao Le Monde

O jornal Le Monde deste domingo e segunda-feira, feriado em que a França comemora o Armistício da Primeira Guerra Mundial, traz uma reportagem de página inteira sobre a liberação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da …