Cientistas conseguem “desligar” o prazer de comer

Um grupo de cientistas da Universidade de Colúmbia, nos EUA, acredita ser possível “desligar” o desejo e o prazer que sentimos quando comemos doces através da manipulação de neurônios na amígdala, o centro emocional do cérebro. 

O estudo, publicado na semana passada na revista Nature, foi aplicado com sucesso em camundongos. Caso o mesmo se verifique com os humanos, a descoberta pode revolucionar a compreensão e o tratamento de transtornos alimentares, como a anorexia nervosa ou a obesidade.

As descobertas apontam que o complexo sistema gustativo do cérebro – que produz um conjunto de pensamentos, memórias e emoções quando provamos alimentos – é formado por várias unidades que podem ser isoladas, modificadas ou removidas.

“Quando o nosso cérebro sente um sabor, não só identifica sua qualidade como coreografa uma maravilhosa sinfonia de sinais neuronais, que associam a experiência ao contexto, valor hedônico, memórias, emoções e outros sentidos, de forma a produzir uma resposta coerente”, disse Charles Zuker, um dos autores do estudo.

A nova pesquisa é baseada em trabalhos anteriormente realizados por Zuker e sua equipe para mapear o sistema de degustação no cérebro.

Os cientistas já tinham revelado que quando a língua encontra um dos 5 (ou 6) sabores – doce, amargo, salgado, azedo ou umami (palavra japonesa para delicioso) – há um conjunto de células especializadas que enviam sinais para determinadas regiões do cérebro, desencadeando ações e comportamentos apropriados.

Nesta experiência em particular, os cientistas se concentraram no sabor doce e salgado e na amígdala, uma importante região do cérebro para a tomada de juízos de valor sobre informações sensoriais. Os pesquisadores já tinham concluído anteriormente que a amígdala está diretamente ligada ao córtex gustativo.

Procedimentos experimentais

Os cientistas realizaram várias experiências nas quais as conexões doces ou amargas da amígdala foram ativadas artificialmente. Por exemplo, quando as conexões doces da amígdala foram manipuladas, os ratos responderam à água como se tratasse de açúcar.

Ao manipular essas conexões, os pesquisadores conseguiram até inverter a percepção do sabor, transformando o doce em sabor aversivo ou o amargo em sabor agradável.

No entanto, quando os cientistas desligaram as conexões da amígdala, deixando o córtex gustativo inalterado, os ratos ainda eram capazes de reconhecer e distinguir o doce do amargo. Apesar de reconhecerem os sabores, os ratos não apresentavam emoções básicas a esses sabores, como preferência pelo açúcar ou aversão ao amargo.

“Seria como trincar o nosso bolo de chocolate favorito, mas não ter qualquer prazer em fazê-lo”, disse Li Wang, pós-doutoranda no laboratório de Charles Zuker.

Ao demonstrar que a identidade de um alimento e o prazer que sentimos ao comê-lo podem ser isolados e, depois, manipulados separadamente, estes cientistas abrem um caminho promissor para o tratamento de distúrbios alimentares através da amígdala.

Brevemente, a equipe vai estudar regiões adicionais do cérebro que também têm funções importantes no sistema gustativo. Por exemplo, o córtex gustativo está também diretamente ligado às regiões envolvidas nas ações motoras, aprendizagem e memória.

Ciberia // HypeScience / ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Chinesa acorda com problema auditivo e deixa de conseguir ouvir homens

Da noite para o dia, uma chinesa deixou de conseguir ouvir vozes masculinas. Embora possa parecer invejável para alguns, a perda auditiva pode ter sérias repercussões médicas. A chinesa, identificada apenas pelo apelido Chen, se deitou …

Oásis egípcio escondia tumbas da era romana

Dois túmulos da época romana foram encontrados no complexo arqueológico de Beir Al-Shaghala, no oásis egípcio de Dakhla, anunciou esta semana o secretário-geral do Conselho Supremo de Antiguidades, Mostafa Waziri. Construídos com diferentes estilos arquitetônicos e …

60% das espécies de café estão em risco de extinção

Pela primeira vez, o café integra a Lista Vermelha da União Internacional para a Conservação da Natureza como espécie em vias de extinção. De acordo com um estudo publicado esta semana nas revistas ScienceAdvances e Global Change Biology, 60% …

Pela felicidade dos professores, escola cria “licença do amor”

A escola de ensino médio de Dinglan, localizada na cidade chinesa de Hangzhou, apresentou esta semana a “licença do amor”, que visa melhorar o humor dos professores e, consequentemente, o trabalho com os alunos. Segundo relata …

Parte da Antártida está encolhendo (e não deveria)

Quando os cientistas falam sobre o derretimento da Antártida, geralmente se referem à Antártida Ocidental, onde gigantescos glaciares costeiros derramam grandes quantidades de água. Mas, do outro lado das montanhas transantárticas a leste, há um manto …

Estátua de diabo “alegre demais” gera polêmica na Espanha

Uma estátua que representa o diabo foi criticada por ser “alegre demais” pelos moradores da cidade de Segóvia, na Espanha. A escultura de bronze, que ainda não foi instalada, foi criada em homenagem a uma lenda …

Deputada britânica adiou o parto para votar contra o acordo do Brexit

Tulip Siddiq decidiu adiar o nascimento do segundo filho para poder votar contra o acordo do Brexit. A deputada trabalhista chegou ao Parlamento em uma cadeira de rodas. Tulip Siddiq decidiu adiar o nascimento do filho por …

Sorveteria em Florença cobra R$ 106 de turista por uma bola de sorvete

Uma sorveteria cobrou 25 euros (cerca de R$ 106) por um sorvete a um turista de Taiwan. Indignado, o turista reclamou ao guia que o acompanhava, que chamou a polícia. O estabelecimento foi multado em …

McDonald’s perde direitos do Big Mac para cadeia de fast food irlandesa

A irlandesa Supermac’s conseguiu uma vitória histórica: o Big Mac deixa de ser uma marca registrada na Europa. Mas a decisão ainda é passível de recurso. “É o fim do McBully”, disse Pat McDonagh, que recebeu …

Disco de gelo giratório gigantesco "invade" rio no Maine

Um enorme círculo de gelo giratório se formou esta semana no rio de Presumpscot, na cidade de Westbrook, no estado norte-americano do Maine. Esse disco bizarro, ainda que raro, é um fenômeno natural fruto da Física. …