Detritos espaciais ameaçam comunicações na Terra

Atualmente, não há qualquer regulação internacional sobre a geração desse tipo de resíduos, porém há cada vez mais iniciativas para combater sua proliferação.

Desde meados do século XX, quando começou a corrida espacial, ocorreram mais de cinco mil lançamentos espaciais, que provocaram um acúmulo de aproximadamente 23 mil objetos girando na órbita de nosso planeta. Destes, aproximadamente 1.200 são satélites em funcionamento, segundo a Agência Espacial Europeia (ESA).

Enquanto isso, os demais não possuem nenhuma utilidade e são classificados como detritos espaciais, porém “estão se convertendo em uma grande preocupação para a comunidade internacional”, conta Simonetta Di Pipo, diretora do Escritório das Nações Unidas para o Espaço Exterior (Unoosa), relata a agência EFE.

Tanto a Agência Espacial Europeia (ESA) quanto a Agência Espacial Federal da Rússia (Roscosmos) estimam que existam em torno de 700 mil objetos ou fragmentos de mais de um centímetro sem utilidade, orbitando a uma velocidade de 56.000 km/h em torno da Terra.

Um possível impacto de algum desses elementos contra um satélite em funcionamento ou contra a estrutura de alguma estação espacial poderia causar danos importantes. “Devido ao risco de colisão, os satélites de comunicações, e em geral todos os nossos objetos funcionais no espaço exterior, enfrentam um risco crescente de danos por detritos espaciais”, afirmou Di Pippo.

O risco é crescente, na medida em que quantos mais objetos houver em órbita, maior será a probabilidade de colisões, que, por sua vez, produzirão novos fragmentos à deriva. O detrito espacial é classificado em três categorias segundo o seu tamanho: os com menos de um centímetro, os em torno de 10 centímetros e os com mais de 10 centímetros. Os resíduos espaciais menores de um centímetro não representam perigo algum. Já os maiores são mais perigosos.

Atualmente, não há nenhuma lei internacional que obrigue as entidades estatais ou empresas privadas a evitar ou limitar a produção desses detritos, porém ao longo dos anos surgiram iniciativas para reduzir o volume dessa matéria inútil e perigosa.

Um exemplo disso é a proposta lançada na primavera passada por um grupo de cientistas russos de capturar e remover detritos espaciais da órbita da Terra utilizando um “circuito espacial”, um módulo que seria conectado por meio de um cabo aos níveis superiores dos foguetes portadores.

Outra ideia original, desenvolvida por pesquisadores do Instituto de Física Aplicada da Academia Russa de Ciências, é a de integrar um laser na Estação Espacial Internacional para combater detritos espaciais. A ideia foi apresentada em abril deste ano e defendida pelos seus autores como “a forma mais eficaz de lidar com os detritos espaciais mais perigosos”.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Este projeto social está buscando 7 pessoas para viajar o mundo com tudo pago

A empresa portuguesa YourBestLife está recrutando sete pessoas para viajar o mundo realizando trabalhos de impacto social com tudo pago. As inscrições vão até o dia 31 de outubro e podem se candidatar pessoas que …

Pela primeira vez na história cientistas conseguem reverter envelhecimento

Nenhuma pessoa está livre do tempo: seja um jovem, uma criança, um recém-nascido ou um adulto em idade madura, todo mundo irá envelhecer e sentir os efeitos desse processo. Essa é uma verdade incontestável em qualquer …

Greta Thunberg protesta em frente à Casa Branca ao lado de estudantes pelo clima

A militante do meio ambiente, Greta Thunberg, participou nesta sexta-feira (13) de uma pequena manifestação sobre o clima em frente à Casa Branca. “Nunca desistam”, disse a ativista aos jovens que foram até o local …

Snowden alerta para propagação de mentiras na internet

Há seis anos, ex-analista da NSA causou terremoto político ao revelar atividades ilícitas do serviço secreto dos EUA. Em entrevistas a jornais alemães, Snowden conta que ainda almeja asilo político na Alemanha. Seis anos após divulgar …

Visita de objeto interestelar intriga comunidade científica

  O objeto interestelar foi detectado por um astrônomo amador, e desde então o visitante passou a intrigar a comunidade científica. Gennady Borisov, astrônomo amador, utilizou um telescópio que ele mesmo construiu para avistar o objeto. Sua …

Homem morto há 22 anos é encontrado com ajuda do Google Earth

Os restos mortais de um homem desaparecido há duas décadas, nos EUA, foram encontrados dentro de um carro submerso em um lago graças ao Google Earth. William Moldt foi dado como desaparecido em Lantana, na Flórida, …

O plano japonês de jogar ao mar água radioativa de Fukushima

Nesta semana, o ministro do Meio Ambiente do Japão, Yoshiaki Harada, declarou que despejar no Oceano Pacífico mais de 1 milhão de toneladas de água contaminada pelo desastre nuclear de Fukushima seria a "única opção" …

Incêndio no Hospital Badim deixou 11 mortos no Rio de Janeiro

Um incêndio atingiu o Hospital Badim, no Maracanã, zona norte do Rio de Janeiro, na noite de quinta-feira, deixando pelo menos onze mortos, conforme noticiado pela imprensa brasileira. Os pacientes foram retirados às pressas da unidade …

Origem dos cometas é revelada em novo estudo

Pesquisadores da Universidade de Leiden (Holanda) aplicaram modelos químicos em 14 cometas e encontraram um padrão em sua composição. Os cometas são bolas de gelo, poeira e pequenas partículas parecidas com pedras. Seus núcleos podem alcançar …

Princesa saudita é condenada por agressão em Paris

Filha do rei da Arábia Saudita foi acusada de ordenar que segurança amarrasse e agredisse um encanador. Trabalhador havia sido chamado para consertar uma pia no apartamento da princesa na capital francesa. Um tribunal francês condenou …