Detritos espaciais ameaçam comunicações na Terra

Atualmente, não há qualquer regulação internacional sobre a geração desse tipo de resíduos, porém há cada vez mais iniciativas para combater sua proliferação.

Desde meados do século XX, quando começou a corrida espacial, ocorreram mais de cinco mil lançamentos espaciais, que provocaram um acúmulo de aproximadamente 23 mil objetos girando na órbita de nosso planeta. Destes, aproximadamente 1.200 são satélites em funcionamento, segundo a Agência Espacial Europeia (ESA).

Enquanto isso, os demais não possuem nenhuma utilidade e são classificados como detritos espaciais, porém “estão se convertendo em uma grande preocupação para a comunidade internacional”, conta Simonetta Di Pipo, diretora do Escritório das Nações Unidas para o Espaço Exterior (Unoosa), relata a agência EFE.

Tanto a Agência Espacial Europeia (ESA) quanto a Agência Espacial Federal da Rússia (Roscosmos) estimam que existam em torno de 700 mil objetos ou fragmentos de mais de um centímetro sem utilidade, orbitando a uma velocidade de 56.000 km/h em torno da Terra.

Um possível impacto de algum desses elementos contra um satélite em funcionamento ou contra a estrutura de alguma estação espacial poderia causar danos importantes. “Devido ao risco de colisão, os satélites de comunicações, e em geral todos os nossos objetos funcionais no espaço exterior, enfrentam um risco crescente de danos por detritos espaciais”, afirmou Di Pippo.

O risco é crescente, na medida em que quantos mais objetos houver em órbita, maior será a probabilidade de colisões, que, por sua vez, produzirão novos fragmentos à deriva. O detrito espacial é classificado em três categorias segundo o seu tamanho: os com menos de um centímetro, os em torno de 10 centímetros e os com mais de 10 centímetros. Os resíduos espaciais menores de um centímetro não representam perigo algum. Já os maiores são mais perigosos.

Atualmente, não há nenhuma lei internacional que obrigue as entidades estatais ou empresas privadas a evitar ou limitar a produção desses detritos, porém ao longo dos anos surgiram iniciativas para reduzir o volume dessa matéria inútil e perigosa.

Um exemplo disso é a proposta lançada na primavera passada por um grupo de cientistas russos de capturar e remover detritos espaciais da órbita da Terra utilizando um “circuito espacial”, um módulo que seria conectado por meio de um cabo aos níveis superiores dos foguetes portadores.

Outra ideia original, desenvolvida por pesquisadores do Instituto de Física Aplicada da Academia Russa de Ciências, é a de integrar um laser na Estação Espacial Internacional para combater detritos espaciais. A ideia foi apresentada em abril deste ano e defendida pelos seus autores como “a forma mais eficaz de lidar com os detritos espaciais mais perigosos”.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Coronavírus: Reino Unido proíbe entrada de viajantes vindos da América do Sul e de Portugal por variante encontrada no Brasil

Chegadas ao Reino Unido da América do Sul e Portugal serão proibidas a partir de sexta-feira (15/01) devido a preocupações com a variante brasileira do coronavírus. O secretário de transportes, Grant Shapps, disse que a mudança …

Vacinação nacional contra a COVID-19 começa no dia 20, às 10h

Ao que tudo indica o Brasil já tem uma data oficial para o início da vacinação, em massa, contra o novo coronavírus (SARS-CoV-2). Nesta quinta-feira (14), o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, informou que a …

"Futuro assustador de extinção em massa" nos espera, elite dos cientistas alerta

O planeta enfrenta um “futuro assustador de extinção em massa, declínio da saúde e distúrbios climáticos” que ameaçam a sobrevivência humana por causa da ignorância e da inação, de acordo com um grupo internacional de …

Oferta de perfuração do Ártico tem fracasso histórico por falta de interessados

O recente leilão que oferecia arrendamentos de perfuração de petróleo no Ártico foi um fracasso. Esperava-se que a chamada atraísse muitos interessados em explorar a área no Alasca, mas a realidade foi outra. A notícia é …

Palácio mais antigo da China de 5.300 anos é descoberto perto de antiga capital

Palácio descoberto no sítio arqueológico de Shuanghuaishu, nos arredores da cidade de Zhengzhou, uma das oito capitais antigas, foi construído por volta de 3300 a.C., ou seja, tem cerca de 5.300 anos, sendo possivelmente a …

Variante da Covid-19 no Brasil faz Reino Unido banir viajantes da América Latina e Portugal

O governo britânico proibiu, nesta quinta-feira, as chegadas de todos os países da América do Sul e do Panamá, além de Portugal, em resposta à nova variante da Covid-19, descoberta no Brasil. A decisão …

CEO do Twitter defende banimento de Trump da rede social

Jack Dorsey diz que medida resulta do “fracasso” da plataforma em mediar diálogo saudável e admite que pode abrir “precedente perigoso”. Proibição veio após presidente dos EUA insuflar apoiadores que invadiram Capitólio. O CEO da rede …

O zumbido de fundo do universo pode ter sido ouvido pela primeira vez

Baseado no que sabemos sobre ondas gravitacionais, o Universo deve estar cheio delas. Cada par de buracos negros ou estrelas de nêutrons e colisão, cada supernova com núcleo em colapso — até mesmo o próprio …

Monocultura da soja destruiu mais de 30% do cerrado brasileiro entre 2004 e 2017, alerta WWF

Os 24 principais focos de desmatamento no mundo provocaram a perda de uma superfície equivalente ao tamanho do Paraguai em menos de uma década, aponta um relatório do Fundo Mundial para a Natureza (WWF, na …

Coreia do Sul eleva capacidades de combate para conter ameaça norte-coreana

A Coreia do Sul planeja elevar suas capacidades militares para conter as ameaças de mísseis de curto alcance dos norte-coreanos, declarou o Ministério da Defesa sul-coreano. A declaração ocorreu após os norte-coreanos prometerem elevar o arsenal …