Documentos mostram que Rússia tentou esconder explosão de Chernobyl há 35 anos

A Ucrânia lembrou nesta segunda-feira (26) os 35 anos da catástrofe da usina de Chernobyl. O pior acidente nuclear da história contaminou uma parte da Europa e provocou o deslocamento de 346 mil pessoas.

“A explosão na central de Chernobyl e suas consequências transformaram o mundo”, declarou o presidente Volodimir Zelensky, em visita à zona de exclusão que abrange 30 quilômetros no entorno do reator acidentado.

Ele pediu a colaboração da comunidade internacional. “Nossa tarefa é transformar a área de exclusão em uma área de renascimento e fazer todo o possível para reforçar a segurança nuclear” com o objetivo de “evitar catástrofes semelhantes no futuro”, acrescentou o chefe de Estado.

Em 26 de abril de 1986, à 1h23min, o reator número 4 da central de Chernobyl, situado a 100 quilômetros de Kiev, explodiu durante um teste de segurança. O combustível nuclear queimou durante 10 dias, liberando na atmosfera elementos radioativos que contaminaram, de acordo com algumas estimativas, até 75% da Europa, especialmente as então repúblicas soviéticas da Ucrânia, Belarus e Rússia.

Rússia tentou esconder a tragédia

As autoridades soviéticas tentaram esconder o acidente. O líder da URSS à época, Mikhail Gorbachev, não falou publicamente sobre o caso até o dia 14 de maio.

Documentos de arquivo publicados nesta segunda-feira pelo Serviço de Segurança da Ucrânia (SBU) afirmam que em 1982 e 1984 houve ao menos três falhas na usina de Chernobyl. Porém, as autoridades soviéticas mantiveram segredo sobre o que aconteceu.

A central de Chernobyl e as de Leningrado e Kursk (Rússia), todas com o mesmo tipo de reator, “são as mais perigosas em relação ao seu funcionamento, o que pode gerar consequências ameaçadoras”, dizia um documento da KGB, datado de 1983.

Um total de 116 mil pessoas foram retiradas, em 1986, dos arredores da central, que permanecem praticamente inabitados. Nos anos seguintes, outros 230 mil moradores deixaram a zona.

Número de vítimas ainda gera debate

Até hoje, o balanço de vítimas do acidente de Chernobyl causa polêmica, mas ele chegaria a até 100 mil mortos, de acordo com o Greenpeace. O comitê científico da ONU (Unscear) reconhece oficialmente apenas 30 mortes entre os operários e bombeiros que foram vítimas da radiação após a explosão.

A central de Chernobyl manteve a produção de energia elétrica até dezembro de 2000, quando a pressão dos países ocidentais resultou na paralisação do último reator em operação.

Após anos de adiamento, no fim de 2016, foi instalada uma gigantesca cúpula de aço sobre o reator danificado. O escudo em forma de arco pesa 25.000 toneladas, tem 108 metros de altura e 1,62 metro de comprimento. Com um custo de € 2,1 bilhões financiados pela comunidade internacional, a estrutura cobriu o concreto rachado e instável, o que deve garantir a segurança do local pelos próximos 100 anos.

Embora as autoridades afirmem que a região não poderá ser habitada de forma segura por pelo menos 24.000 anos, o local atrai cada vez mais turistas, e Kiev deseja incluí-lo na lista de Patrimônio Mundial da Unesco.

A quase total ausência de atividades humanas na área permitiu a proliferação da flora e da fauna. Hoje, linces, águias de cauda branca e até ursos, além de centenas de alces e dezenas de lobos, podem ser vistos no local.

// RFI

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

EUA: Estudo traz primeiros resultados 'promissores' de vacina de RNA mensageiro contra Aids

Uma vacina usando a tecnologia de RNA mensageiro, a mesma que algumas vacinas contra a Covid-19, pode ser usada desta vez contra a Aids. É o que mostram os primeiros resultados promissores de testes …

Viagem de Lula à Argentina visa fortalecer governo de Fernández e teoria de lawfare contra Kirchner

O ex-presidente Lula será o primeiro estrangeiro a discursar diante de uma multidão na Praça de Maio, em Buenos Aires, em um ato destinado a renovar o vínculo do governo argentino com o seu …

Após EUA, vários países se mobilizam em boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia seguiram os passos dos Estados Unidos e anunciaram que também vão participar do “boicote diplomático” aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, previstos para fevereiro. Os países acusam …

Musk anuncia que Neuralink testará microchips neuronais em humanos em 2022

O bilionário e empreendedor norte-americano referiu que já testou com sucesso um implante cerebral em um macaco, e quer agora que essa tecnologia seja aplicada em humanos. Os humanos poderão ter implantes cerebrais da empresa Neuralink …

Cientistas americanos encontram substância contra coronavírus em algas para sushi

Biólogos americanos esperam que sua descoberta ajude na criação de tratamentos antivírus com base em plantas. Os cientistas determinaram que o sulfato de rhamnan – polissacarídeo componente das algas verdes Monostroma nitidum, utilizadas para embrulhar o …

Mulheres comandam metade dos ministérios no governo Scholz

Futuro chanceler confirma nomes finais do seu governo, que deverá começar os trabalhos ainda esta semana. Percentual de mulheres no comando de ministérios federais é o maior da história da Alemanha. O próximo chanceler federal da …

Biden e Putin fazem videoconferência para tentar resolver impasse na Ucrânia

Joe Biden e Vladimir Putin se preparam para uma vídeoconferência nesta terça-feira (7) em um momento em que as tensões entre Washington e Moscou se intensificam com rumores de uma iminente invasão da Ucrânia …

Aung San Suu Kyi é condenada a 4 anos de prisão

Líder deposta por golpe militar em Mianmar enfrenta série de acusações que a Anistia Internacional chama de falsas. Novo veredicto deve sair nos próximos dias. A líder deposta de Mianmar, Aung San Suu Kyi, foi condenada …

Em último vídeo do mandato, Merkel pede que população se vacine

A chanceler alemã Angela Merkel, que deixará o poder na próxima quarta-feira (8), voltou a defender neste sábado (4) a vacinação contra a Covid-19, no último de uma série de mais de 600 vídeos …

Descobrem na China ferramenta de marfim de 99 mil anos, possivelmente a mais antiga do país

Pesquisadores desenterraram uma pá de marfim datada de há cerca de 99.000 anos em um sítio arqueológico do Paleolítico na província chinesa de Shandong. Acredita-se que o objeto seja uma das primeiras ferramentas de osso utilizadas …