Dormir encolhe o cérebro para abrir espaço a novas aprendizagens

Nova pesquisa realizada com ratos aponta uma descoberta interessante: durante o sono, as conexões entre células cerebrais – que detêm as informações aprendidas ao longo do dia – sofrem um encolhimento massivo. Isso significa que, todos os dias, uma pessoa acorda com o cérebro ligeiramente menos conectado do que na noite anterior.

Esse processo abre espaço para que possamos aprender novas memórias, enquanto as mais fracas se perdem. Como diria o autor Marie Kkondo, esse é o método cerebral de “ordenar magicamente as mudanças da vida”.

“Quando estamos despertos, aprendendo e nos adaptando aos ambientes, sinapses – ou as conexões entre os neurônios – ganham força e crescem. Mas não é possível manter esse crescimento desenfreado. Em algum momento, elas se saturam”, diz a neurocientista Chiara Cirelli, da Universidade de Wiscosin-Madison.

Reset cerebral

Após mais de uma década de estudo, Cirelli e seus colegas finalmente encontraram evidências diretas de que as sinapses se recompõem e reiniciam durante a noite. As pesquisas foram relatadas na Science.

Através de microscopia eletrônica, utilizada para examinar milhares de fatias cerebrais ultrafinas retiradas de camundongos acordados e adormecidos, foi descoberto que, após o sono, o tamanho da maioria dessas sinapses – especificamente, a superfície na qual dois neurônios se tocam – é reduzido em cerca de 18%.

Ainda que as descobertas tenham se originado a partir da pesquisa com ratos, Cirelli suspeita que essa restauração sináptica também ocorra nos seres humanos. Segundo a cientista, a evidência indireta, por exemplo, das gravações eletrofisiológicas do cérebro antes e depois do sono, reforça essa ideia.

Esse encolhimento parece poupar memórias importantes. Cerca de 20% das sinapses, que eram as maiores e poderiam conter memórias já bem estabelecidas, não sofreram redução.

Ao mesmo tempo, lembranças menos importantes podem não ser completamente excluídas, mas apenas reduzidas – embora cada uma das sinapses encolha individualmente, o padrão geral das conexões que constituem a memória permanece.

O cérebro precisa estar offline, ou desligado, para que esse encolhimento ocorra, o que poderia ser uma das razões pelas quais dormimos. “É o preço que pagamos para que seja possível aprender coisas novas”, afirma a cientista.

Ainda assim, o propósito principal de adormecer continua em discussão. Há quem sugira que a função central do sono é reparar a maquinaria celular desgastada, e uma série de estudos evidenciam o papel crítico do sono na consolidação das memórias.

Juntamente à pesquisa anterior, realizada em moscas, “essas descobertas apoiam fortemente a ideia de que o reinício sináptico é uma função antiga e evolutiva do sono”, diz Niels C. Rattenborg, do Instituto Max Plank de Ornitologia em Munique, que não estava envolvido no novo estudo.

Em outras palavras, esquecer informações não essenciais pode ser tão vital quanto aprender novos conteúdos.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Metade da matéria do universo havia sumido, mas foi encontrada

Uma equipe internacional de pesquisadores parece ter finalmente resolvido o “problema dos bárions desaparecidos”. Bárion é uma classificação genérica para um tipo partículas que engloba prótons e nêutrons. Estas partículas, por sua vez, são os blocos …

Máscara elétrica autolimpante que carrega celular deverá custar apenas 1 dólar

Devido à pandemia do coronavírus, diversos especialistas alertam para a, cada vez mais real, possibilidade de usarmos máscaras para sair de casa até, no mínimo, o final do ano. Por isto, diversas empresas estão estendendo …

Bolsonaro bate recorde de rejeição, mostra Datafolha

Na primeira pesquisa feita após divulgação de vídeo da reunião ministerial, 43% dos entrevistados consideram governo ruim ou péssimo. Entre os quatro últimos presidentes eleitos, Bolsonaro é o pior avaliado. O índice de rejeição ao presidente …

Renault detalha plano econômico e anuncia 4.600 cortes na França

A empresa automobilística revelou nesta sexta-feira seu plano de cortes no país que integra um plano de economias de cerca de € 2 bilhões (cerca de R$ 12 bilhões) em três anos. A Renault …

Asteroide que dizimou os dinossauros teria atingido a Terra em "ângulo letal"

A teoria mais aceita é a de que os dinossauros foram extintos após um asteroide atingir a Terra de maneira catastrófica há 66 milhões de anos, causando danos sem precedentes em todo o planeta. Agora, segundo …

Repórter da CNN é preso ao vivo em protesto por morte de homem negro. Trump pede tiros em manifestantes

Minneapolis vive uma escalada de violência provocada por um policial branco que matou, de forma brutal, um homem negro. George Floyd foi asfixiado pelo joelho do oficial enquanto era filmado em plena luz do dia. Nem …

Diário de oficial nazista revela suposta localização de toneladas de ouro em castelo

Pesquisadores que buscam bilhões de dólares em tesouros nazistas roubados da Europa acreditam ter encontrado a localização de toneladas de ouro debaixo de antigo castelo alemão. Os pesquisadores acreditam ter encontrado 28 toneladas de ouro roubadas …

Coreia do Sul registra aumento de casos de coronavírus e teme nova onda da epidemia

A Coreia do Sul anunciou nesta quinta-feira (28) o maior aumento de novas contaminações por coronavírus em quase dois meses, devido a um surto de casos em um armazém de uma empresa de comércio …

Desigualdade eleva letalidade da covid na favela, diz estudo

Quase todos os dias, com ou sem pandemia, a diarista Joceliane Gomes Santos de Freitas, 29 anos, sai de casa às 7h em Barra do Ceará, comunidade de Fortaleza onde mora com o marido e …

Descoberta galáxia raríssima em forma de "anel de fogo" a 10 bilhões de anos-luz

Astrônomos capturaram uma imagem de uma galáxia localizada a cerca de 10,8 bilhões de anos-luz de distância. Mas o que realmente impressionou os pesquisadores é que se trata de um tipo muito raro: uma galáxia …