Ela chegou! Sonda japonesa Hayabusa2 traz amostras do asteroide Ryugu

Akademy / Flickr

Asteróide Ryugu em imagem capturada pela nave espacial japonesa Hayabusa2

A sonda Hayabusa2, após seis anos de jornada, voltou com sucesso à Terra neste fim de semana, soltando uma cápsula cheia de amostras do asteroide Ryugu na remota área de Woomera, na Austrália.

A agência espacial JAXA usou o Twitter para confirmar que encontrou a cápsula por lá, e agora inicia os preparativos para resgatá-la, levando as amostras não apenas para seus laboratórios no Japão, como também para outras instalações ao redor do mundo, para que mais cientistas possam analisá-las.

A Hayabusa2 acaba de se tornar a segunda a obter sucesso na missão trazer amostras de um asteroide à Terra em toda a história da exploração espacial — a primeira foi a Hayabusa, lançada em 2003 e que chegou ao asteroide Itokawa em 2005, trazendo amostras do objeto para nosso planeta alguns anos depois.

Vale lembrar que também já recebemos amostras de um outro tipo de objeto espacial com a missão europeia Rosetta, que fez o mesmo com o cometa 67P em 2016.

E a NASA em breve entrará nessa seleta lista de agências espaciais que já coletaram amostras de pequenos objetos pelo Sistema Solar, quando a sonda OSIRIS-REx voltar ao lar após ter coletado, com sucesso, amostras do asteroide Bennu em outubro deste ano, com previsão de chegada para 2023.

O alvo da Hayabusa2 foi o asteroide Ryugu, que tem 900 metros de largura. Ela tocou a superfície e liberou projéteis para abrir uma cratera, de onde coletou amostras, o que ocorreu entre meados de 2018 e o final de 2019.

Enquanto a primeira Hayabusa trouxe para nós apenas 1 miligrama de material, espera-se que a Hayabusa2 tenha trazido cerca de 100 mg. A JAXA ainda vai levar um tempo para finalizar o processo de resgate e abertura da cápsula, para depois disso confirmar a quantidade de amostras que a missão trouxe.

Com isso, a ciência espera ter em mãos um material valioso para uma melhor compreensão sobre a formação do Sistema Solar, uma vez que este asteroide é uma rocha remanescente do processo de “nascimento” do nosso quintal espacial.

“Os materiais que formaram a Terra, seus oceanos e a vida estavam presentes na nuvem primordial a partir da qual nosso Sistema Solar se formou. No início do Sistema Solar, esses materiais estavam em contato e eram capazes de interagir quimicamente dentro dos mesmos objetos originais. Essas interações são mantidas até hoje em corpos primitivos (asteroides do tipo C); portanto, retornar amostras desses corpos para análise elucidará as origens e evolução do Sistema Solar e os blocos de construção da vida”, explica a JAXA.

A JAXA lançou a Hayabusa2 em 2014, e a sonda chegou à órbita de Ryugu em 2018. Lá, ela implantou várias mini-sondas na superfície do asteroide — minúsculos rovers capazes de dar alguns saltos, além de um módulo de aterrissagem. Em paralelo, a nave principal, que estava em órbita, desceu à superfície algumas vezes para pegar amostras.

Na primeira, em fevereiro de 2019, ela apenas coletou material que já estava disponível na superfície. Na segunda, em abril do mesmo ano, ela disparou um projétil de 2,5 kg no solo do objeto, abrindo uma cratera de 10 metros de largura ali. Então, em julho a sonda conseguiu coletar outro tipo de amostra, desta vez aquele presente um pouco abaixo da superfície — ou seja, ainda melhor preservado. A Hayabusa2 saiu dos arredores de Ryugu em novembro de 2019, quando iniciou sua viagem de volta para casa.

A sonda armazenou os dois tipos de amostras em compartimentos diferentes, para que não fossem misturados na viagem de volta, podendo ser analisados separadamente aqui na Terra. Os cientistas, então, poderão comparar os materiais para verificar a influência da radiação espacial nesses objetos cósmicos tão antigos.

Na noite de sexta-feira (4), a sonda, já na órbita da Terra, liberou a cápsula contendo as amostras a uma distância de 220 mil quilômetros da superfície do planeta. Depois disso, a espaçonave acionou mais uma vez seus motores para se afastar de nós mais uma vez — a partir de agora, ela parte rumo ao asteroide (98943) 2001 CC21, devendo chegar a esse destino em 2026.

Mas sua missão ainda vai mais longe: em 2031, ela chegará ao asteroide 1998 KY26. A ideia é aproveitar a longa vida útil da sonda para estudar o maior número possível de objetos com um único lançamento.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Por que iceberg do tamanho do Rio de Janeiro que se desprendeu da Antártida anima cientistas?

Um iceberg gigante de cerca de 1.270 km² (a cidade do Rio de Janeiro tem 1.255 km²) quebrou e se desprendeu da Antártida, gerando euforia na comunidade científica. Na sexta-feira (26/2), instrumentos na superfície da plataforma …

Coronavírus: Por que vacinação sem lockdown pode tornar Brasil 'fábrica' de variantes superpotentes

O cenário atual no Brasil, que combina início da vacinação com transmissão descontrolada da covid-19, pode tornar o país uma "fábrica" de variantes potencialmente capazes de escapar por completo da eficácia das vacinas. Esta é …

Esquema de venda de vacinas falsas da COVID-19 é descoberto pela Interpol

Na última quarta-feira (3), autoridades da África do Sul apreenderam centenas de vacinas falsas da COVID-19, esquema que já havia sido alertado pela Interpol devido às disputas pelo imunizante no mundo inteiro. No país africano, foram …

Egito descobre cemitério de 2 mil anos com 600 cães e gatos

Pesquisadores poloneses encontraram cerca de 600 restos mortais de animais em um cemitério de dois mil anos, no Egito. De acordo com os cientistas, os corpos encontrados na necrópole são de gatos (cerca de 90% deles), …

Nova superterra encontrada pode dar pistas sobre vida fora do Sistema Solar

Um novo exoplaneta detectado orbitando uma estrela relativamente perto do nosso Sistema Solar, pode potencialmente ajudar a resolver enigmas sobre vida alienígena. Um exoplaneta com uma massa 2,8 maior do que a da Terra designado Gliese …

China anuncia meta de crescimento econômico mais modesta na abertura do Congresso Nacional do Povo

A reunião anual do Congresso Nacional do Povo da China foi aberta nesta sexta-feira (5), em Pequim, com o tradicional discurso do primeiro-ministro do país, Li Keqiang. O líder anunciou um objetivo de crescimento …

Análogo de Buraco negro de laboratório se comporta como Stephen Hawking previu

Pesquisadores do Instituto de Tecnologia Technion-Israel tentaram confirmar duas das previsões mais importantes de Hawking, que a radiação hawking surge do nada e que não muda de intensidade ao longo do tempo, o que significa …

SP concentra 40% dos feminicídios com 200 mortes, diz estudo do Observatório de Segurança

A Rede de Observatórios da Segurança publicou seu relatório de dados sobre a violência contra a mulher do ano de 2020. O boletim, que traz números de cinco estados (SP, RJ, PE, CE e BA), mostrou …

Em pior momento da pandemia, Bolsonaro critica 'mimimi' e diz que brasileiro tem que enfrentar vírus

Um dia após o registro de novo recorde diário de mortes pela covid-19 no país, o presidente Jair Bolsonaro deu uma série de declarações dando a entender que o choro pelas vítimas é "frescura" e …

89% dos norte-americanos veem a China como inimiga ou concorrente

A maioria dos norte-americanos não vê a China como parceira e expressa preocupações crescentes sobre o histórico de direitos humanos e as práticas econômicas de Pequim, revelou uma nova pesquisa do Pew Research Center nesta …