Pesquisadores encontram fósseis de elefante pré-histórico na Macedônia

(dv) Petrit Saracini / EPA

Resto fossilizado de elefante pré-histórico encontrado em Dolni Disan, Macedonia

Nos últimos dias, o Museu de História Natural da Macedônia, em Skopje, levou ao passado um grupo de paleontólogos que trabalha sem parar nas partes do que acredita-se ter sido um elefante pré-histórico de 8 milhões de anos atrás.

Avisados pelo dono de um vinhedo, paleontólogos macedônios e búlgaros conseguiram escavar partes fossilizadas de uma espécie extinta de elefante, um tipo de mastodonte do Miocênico anterior ao mamute-lanoso. Estes ossos foram descobertos por um homem que trabalhava em Dolni Disan, na região central da Macedônia.

“Estava trabalhando na colheita de uvas na vinha no último outono e encontrei algo que parecia um osso grande e que estava enterrado profundamente. Me dei conta que era um osso muito antigo e informei ao museu. Vieram, fizeram uma pesquisa rápida cavando na terra e decidiram cobrir a área até abril”, explicou o fazendeiro Vaso Tashev.

Poucos dias depois de retornar e começar as escavações, eles encontraram o esqueleto de um elefante pré-histórico com presas grandes. Além disso, encontraram partes das patas. Um detalhe que engrandece ainda mais a descoberta, pois, segundo os cientistas, é muito raro ver diferentes tipos de ossos na mesma localidade.

Os paleontólogos calculam que o animal devia pesar cerca de dez toneladas e ter 50 anos quando morreu. O “Choerolophodon”, como era conhecido, viveu tanto na atual Europa quanto na Ásia durante o Miocênico, que começou há 23 milhões de anos e terminou há 5 milhões de anos.

Nesse período, em toda a Macedônia e no sudeste da Europa, existiam planícies com grama alta e o clima era úmido, parecido ao da savana africana.

(dv) Petrit Saracini / EPA

Os paleontólogos calculam que o animal devia pesar cerca de dez toneladas e ter 50 anos

Biljana Garevska, uma das paleontólogas que participou dos trabalhos, explicou à Agência EFE que, naquela época, na área onde agora fica a Macedônia havia uma vasta fauna pré-histórica. Primatas, antílopes, girafas, rinocerontes, mastodontes e muitas outras espécies moravam por ali.

Era um animal muito grande e imponente. Provavelmente esta espécie foi extinta da nossa região depois que o planalto balcânico se elevou para o que agora vemos como o Mar Egeu, secando as terras úmidas. A falta de água significa que também não há comida, e esse é o fim dos mastodontes na nossa região”, relatou Garevska.

Outra equipe já tinha encontrado um fóssil de mastodonte na Macedônia. “Já tínhamos encontrado outros fósseis deste tipo de animal, mas eram menores, só duas pequenas mandíbulas sem presas. A descoberta de agora é muito significativa para a ciência”, ressaltou.

O terreno da ensolarada Macedônia de milhões de anos atrás era majoritariamente argiloso. Esta é a principal razão pela qual as partes fossilizadas em Dolni Disan tiveram a sorte de resistir durante tanto tempo.

“Normalmente, só encontramos fósseis em terreno argiloso. Às vezes a erosão ou os trabalhos agrícolas fazem emergir estes fósseis, fazendo com que se tornem acessíveis para a análise dos pesquisadores e nos mostrando pedaços de uma Terra que nunca conheceremos completamente”, esclareceu Makedon Petlicharov, restaurador aposentado do Museu de Ciências Naturais.

Já o paleontólogo búlgaro Nikolay Spasov, membro da Academia de Ciências da Bulgária , que integrou a equipe que realizou a escavação, afirmou que a região esconde bastantes jazidas pré-históricas de grande valor, não só de animais.  “Espero que aqui possamos encontrar também partes de humanos pré-históricos”, disse, de maneira otimista.

Por sua vez, o ministro da Cultura da Macedônia, Robert Alagjozovski, disse quando visitou o local das escavações que esta é uma das descobertas mais espetaculares do Museu de História Natural. “Essa descoberta nos coloca no mapa paleontológico da Europa e do mundo”, comemorou.

No final do ano, as partes do elefante pré-histórico serão expostas no Museu de Ciências Naturais, junto a outros achados do mesmo período.

// EFE

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

‘Grande ameaça à saúde pública’: cientistas descobrem mutação resistente a remédio contra a malária

Pesquisadores em Ruanda identificaram uma cepa do parasita causador da malária que é resistente a medicamentos. O estudo, publicado na revista Nature, revelou que os parasitas eram capazes de resistir ao tratamento com a artemisinina, um …

Brasil, um ano no foco da crítica ambiental mundial

Em agosto de 2019, país virou pária ambiental devido a incêndios e aumento do desmatamento. Bolsonaro reagiu com agressividade e insultos. Agora, aumenta a pressão de investidores estrangeiros por uma mudança de rumo. Foi uma catástrofe …

Com medo da Covid-19, Venezuela discrimina venezuelanos que voltam ao país

Várias medidas vêm sendo aplicadas na Venezuela para conter a Covid-19. Um estádio foi transformado em hospital de campanha, blocos de concreto foram colocados nas vias, festas estão proibidas e há um canal de …

Centro Gamalei, desenvolvedor de vacina russa, explica como funciona e se há riscos para o paciente

O diretor do Centro Nacional de Pesquisa de Epidemiologia e Microbiologia Gamalei falou sobre os testes da vacina, que será registrada oficialmente na quarta-feira (12). As partículas do coronavírus na vacina da COVID-19 não podem prejudicar …

Mistura inusitada de amônia e água cria raios superficiais e granizos em Júpiter

Júpiter, o maior gigante gasoso do Sistema Solar, é um lugar coberto por tempestades estranhas. O que os cientistas ainda não sabiam é que no meio dessas tormentas, existem raios de natureza bem diferente dos …

Emocionante avanço da teoria para a realidade: bizarro efeito quântico é observado

No núcleo toda estrela anã branca — o denso resto de uma estrela que queimou todo seu combustível — existe um fenômeno quântico enigmático: enquanto ganha massa ela reduz de tamanho chegando a um ponto …

Estudo prevê 300 mil mortes por covid até fim do ano nos EUA

Pesquisadores da Universidade de Washington pintam cenário sombrio caso restrições não sejam respeitadas. Enquanto primeiros epicentros registram queda, outros estados americanos divulgam taxas de infecções recordes. A epidemia de covid-19 deve matar aproximadamente 300 mil americanos …

Coronavírus: Exportações devem cair mais de 20% na América Latina, diz ONU

As exportações da América Latina e do Caribe podem cair mais de 20% em 2020 devido às consequências da pandemia do coronavírus, que também terá um impacto negativo nas importações, disse uma agência da …

O que é nitrato de amônio, que pode provocar explosões como a de Beirute?

A recente tragédia no país árabe trouxe de novo à tona preocupações sobre o armazenamento do perigoso material, tornando necessário saber como esses incidentes ocorrem para os prevenir. A explosão de nitrato de amônio em Beirute, …

Astrônomos descobrem nuvens gigantes "escondidas" em Vênus há 35 anos

Uma equipe de astrônomos encontrou nuvens venenosas, com gotas de ácido sulfúrico em sua formação, em meio à densa atmosfera de Vênus. Curiosamente, essas nuvens já estavam presente na atmosfera venusiana há pelo menos 35 anos, …