Na Era Vitoriana já existia Netflix, e se chamava “lanternas mágicas”

Bill Douglas, Cinema Museum / University of Exeter

Apesar de na Era Vitoriana não ter existido televisão, as pessoas que viviam nos anos 1800 e no início dos anos 1900 tinham algo que a substituía: a lanterna mágica.

As lanternas mágicas foram a maneira inicial do projetor de slides, conseguindo mostrar imagens em 3D e até mesmo em movimento para entreter o público da Era Vitoriana. No entanto, devido ao preço altíssimo das lanternas, os historiadores suspeitavam de que poucos conseguiam usufruir do objeto.

Mas, segundo novas pesquisas, esses projetores eram muito mais comuns e acessíveis do que se pensava. Famílias da classe média alugavam regularmente as lanternas mágicas, especialmente para festas de aniversário, feriados ou outros eventos sociais.

Apesar de ainda não ter sido publicada, a pesquisa foi apresentada no dia 29 de agosto na Conferência Anual da Associação Britânica de Estudos Vitorianos, na Universidade de Exeter.

John Plunkett, professor de inglês na universidade britânica, conseguiu chegar à conclusão através da análise de jornais da época. O pesquisador encontrou um conjunto de várias propagandas de lanternas mágicas, o que sugeriu que os vitorianos alugavam apresentações de slides que podiam, posteriormente, ser exibidas em lanternas mágicas.

“Assim como a Netflix ou as muitas lojas que alugam filmes ou jogos, na Era Vitoriana existia também uma forma semelhante que permitia o acesso a mídia visual, muitas vezes inacessível”, disse Plunkett à Live Science.

As pessoas começaram a usar lanternas mágicas nos anos 1500, mas foi só no início da segunda metade do século XIX que a tecnologia se tornou mais difundida, quando oculistas, fotógrafos e papelarias começaram a alugar os aparelhos.

“Sabemos que as famílias vitorianas ficaram encantadas com as lanternas mágicas e com os estereoscópios. Agora, sabemos também que isso impulsionou uma próspera prática comercial de contratar ou alugar lanternas e slides“, disse Plunkett.

Mas, ao contrário da Netflix, montar uma lanterna mágica não era tarefa fácil. Inicialmente, o dispositivo usava uma vela para iluminar os slides, mas, mais tarde, começou a ser usada uma luz mais forte que resultava da queima de cal mineral com uma mistura de hidrogênio e oxigênio.

Como é óbvio, a estratégia se mostrou muitas vezes desastrosa e perigosa. “Há vários relatos de acidentes e explosões”, conta o pesquisador. Foi então que as pessoas começaram a apostar nesta forma de lazer e pagar às “operadoras” para instalar a lanternas mágicas nas suas casas, como uma televisão à cabo, ou mais atual ainda, como uma Netflix daquele tempo.

Ciberia // ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Centro Gamalei, desenvolvedor de vacina russa, explica como funciona e se há riscos para o paciente

O diretor do Centro Nacional de Pesquisa de Epidemiologia e Microbiologia Gamalei falou sobre os testes da vacina, que será registrada oficialmente na quarta-feira (12). As partículas do coronavírus na vacina da COVID-19 não podem prejudicar …

Mistura inusitada de amônia e água cria raios superficiais e granizos em Júpiter

Júpiter, o maior gigante gasoso do Sistema Solar, é um lugar coberto por tempestades estranhas. O que os cientistas ainda não sabiam é que no meio dessas tormentas, existem raios de natureza bem diferente dos …

Emocionante avanço da teoria para a realidade: bizarro efeito quântico é observado

No núcleo toda estrela anã branca — o denso resto de uma estrela que queimou todo seu combustível — existe um fenômeno quântico enigmático: enquanto ganha massa ela reduz de tamanho chegando a um ponto …

Estudo prevê 300 mil mortes por covid até fim do ano nos EUA

Pesquisadores da Universidade de Washington pintam cenário sombrio caso restrições não sejam respeitadas. Enquanto primeiros epicentros registram queda, outros estados americanos divulgam taxas de infecções recordes. A epidemia de covid-19 deve matar aproximadamente 300 mil americanos …

Coronavírus: Exportações devem cair mais de 20% na América Latina, diz ONU

As exportações da América Latina e do Caribe podem cair mais de 20% em 2020 devido às consequências da pandemia do coronavírus, que também terá um impacto negativo nas importações, disse uma agência da …

O que é nitrato de amônio, que pode provocar explosões como a de Beirute?

A recente tragédia no país árabe trouxe de novo à tona preocupações sobre o armazenamento do perigoso material, tornando necessário saber como esses incidentes ocorrem para os prevenir. A explosão de nitrato de amônio em Beirute, …

Astrônomos descobrem nuvens gigantes "escondidas" em Vênus há 35 anos

Uma equipe de astrônomos encontrou nuvens venenosas, com gotas de ácido sulfúrico em sua formação, em meio à densa atmosfera de Vênus. Curiosamente, essas nuvens já estavam presente na atmosfera venusiana há pelo menos 35 anos, …

Japão lembra 75 anos de bomba de Hiroshima e pede união contra armas nucleares

Esta quinta-feira (6) marca o 75º aniversário do primeiro ataque com bomba atômica do mundo. Cerca de 140 mil pessoas morreram no bombardeio à cidade japonesa, realizado pelo Estados Unidos no fim da Segunda Guerra …

Donald Trump determina bloqueio do TikTok e WeChat nos EUA em 45 dias

O presidente dos Estados Unidos Donald Trump assinou na noite de ontem (6) uma ordem executiva determinando o fim de relações com as empresas responsáveis pelos apps TikTok e WeChat no país norte-americano. Em comunicado emitido …

Brasil caminha para ter 200 mil mortes pelo coronavírus até outubro, diz especialista

Na semana em que o Brasil deverá registrar 100 mil mortes pelo novo coronavírus, um especialista brasileiro indica que o país caminha para dobrar esse número em dois meses, atingindo 200 mil óbitos pela pandemia …