Estudo que desencoraja uso de hidroxicloroquina é alvo de investigações

Narendra Shrestha / EPA

Nesta quarta-feira (3), a Organização Mundial da Saúde anunciou que vai retomar os testes com o medicamento hidroxicloroquina, um dos mais cotados atualmente como possível auxiliar na luta contra a COVID-19.

A notícia pegou muita gente de surpresa: desde membros da sociedade médica até civis interessados nos desdobramentos da medicina em busca de um remédio para neutralizar o novo coronavírus (SARS-CoV-2).

Em seu perfil oficial no Twitter, Tedros Adhanom Ghebreysus, diretor da OMS, informou que o Conselho Executivo de Testes de Solidariedade da COVID-19 analisou os dados disponíveis e chegou à conclusão de que não há motivo para descontinuar os ensaios.

“O grupo executivo recebeu essa recomendação e endossou a continuidade de todos os testes, incluindo os da hidroxicloroquina”, tuitou.

No entanto, a decisão, praticamente súbita aos olhos da web, fez com que muitos se perguntassem: o que teria levado o Conselho a rever esses dados? Por que a OMS teria suspendido os testes? E, ainda, por que retomá-los cerca de um mês depois?

Da publicação na Lancet aos misteriosos autores

No mês passado, um estudo gigantesco envolvendo cerca de 96 mil pacientes de vários países do globo foi publicado na renomada revista médica The Lancet, da Inglaterra.

Pelo fato de a revista ser referência internacional em assuntos de saúde, o artigo imediatamente chamou a atenção de todo o mundo.

O estudo afirmava que a hidroxicloroquina, usada normalmente contra malária e prescrita, em situação de testes, contra o coronavírus, estaria relacionada a um aumento do risco de morte em pacientes com COVID-19.

Os resultados foram tão impactantes que, muito provavelmente, influenciaram na decisão da OMS a suspender os testes com a droga — e, consequentemente, desencorajaram médicos dos quatro cantos do mundo a suspender testes locais.

O que veio à tona, no entanto, foi uma carta aberta assinada por dezenas de médicos e pesquisadores, publicada no final de abril.

Com participação de profissionais do mundo todo, o texto aponta que existem vários problemas envolvendo o estudo e seus dados. Inclusive, como relata a revista Science, questionando a veracidade do estudo publicado na revista inglesa.

Dentre os pontos levantados pelos que questionaram o estudo estão:

  • A falta de controle de pacientes que ingeriram hidroxicloroquina: os que estavam recebendo o medicamento, provavelmente, estariam muito mais doentes do que os que compuseram o grupo controle (que não receberam dosagem alguma);
  • A quantidade exorbitante de pacientes envolvidos no estudo — quase cem mil;
  • Irregularidades como a dos três pacientes africanos, listados no início de março, que compuseram a amostragem: à época, apenas dois casos de COVID-19 existiam em toda a África;
  • O número de mortos na Austrália teria sido superenfatizado no estudo, de acordo com o The Guardian.

Em linhas gerais, a carta questiona a veracidade do conteúdo publicado e coloca em xeque seus resultados.

Quem estaria, então, por trás da pesquisa?

De acordo com uma investigação do jornal inglês The Guardian, uma empresa misteriosa, sediada nos EUA, seria a responsável por repassar os dados para a pesquisa científica.

O co-autor do estudo é o CEO da chamada Surgisphere, uma companhia focada em análise de dados de saúde. Pequena e praticamente invisível no ambiente online, essa empresa possui uma lista de funcionários bem restrita, contando com um escritor de ficção científica e um modelo de conteúdo adulto.

Na sua página oficial, o link para contato redireciona para um site de criptomoedas.

Após toda essa movimentação, a própria Lancet publicou nesta quarta-feira (3), em seu site oficial, uma nota de esclarecimento, afirmando o seguinte:

“Questões científicas importantes foram levantadas sobre os dados relatados no artigo assinado por Mandeep Mehra et al. — Hydroxychloroquine or chloroquine with or without a macrolide for treatment of COVID-19: a multinational registry analysis [Hidroxicloroquina ou cloroquina com ou sem macrolídeo no tratamento da COVID-19: uma análise multinacional de registros, em tradução livre] — publicados na Lancet em 22 de maio de 2020. Embora uma auditoria independente da procedência e da validade dos dados tenha sido encomendada pelos autores não afiliados à Surgisphere esteja em andamento, com resultados que devem sair muito em breve, estamos publicando uma Nota de Esclarecimento para alertar nossos leitores para o fato de que questões científicas seríssimas nos foram trazidas. Vamos atualizar esse aviso assim que tivermos mais informações.”

Investigações

Por que a Lancet publicou essa nota hoje? Porque a OMS também resolveu retomar os testes no mesmo dia? Toda essa polêmica tomou corpo quando o Guardian investigou o caso, no final do mês passado, suspeitando dos números relacionados a pacientes australianos ao cruzar os dados com o mapa da COVID-19 no mundo, fornecido pela Universidade Johns Hopkins.

Em contato com os departamentos de saúde do país, o jornal coletou os números de casos confirmados e mortes reportadas em Victoria e New South Wales, ambos estados do país da Oceania: foram 14 e 26 mortos em cada um, respectivamente, até o dia 21 de abril.

O estudo informava 73 mortes até a data na Austrália. As secretarias de saúde dos estados negaram ter enviado dados referentes ao coronavírus aos autores do estudo, segundo o jornal, que prosseguiu sua investigação questionando a Lancet.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Estudo de esqueletos de 200 gerações revela como humanos evoluíram para lutar contra germes

Estudiosos analisaram cerca de 70 mil esqueletos de 200 gerações a fim de entender como a humidade passou por pandemias anteriores. Os estudos foram feitos acerca de doenças infecciosas como tuberculose, treponematose e hanseníase. Os pesquisadores …

Médica adverte sobre síndrome inflamatória multissistema em pacientes que superaram covid

A médica-chefe de um hospital de Moscou, Mariana Lysenko, declarou em uma entrevista ao canal RT que alguns dos pacientes que superaram a COVID-19 podem desenvolver uma síndrome inflamatória multissistema. De acordo com a médica, a …

Militares abrem fogo contra manifestantes em Mianmar

Forças de segurança reforçam repressão aos protestos contra golpe de Estado e deposição do governo democraticamente eleito. Relatos de mortes surgem de várias cidades. ONU condena violência e o uso de força excessiva. As forças de …

LEGO lança quiz online para educar a criançada sobre cyberbullying

O sentido educacional que os brinquedos da LEGO oferecem ganha nova e ainda maior dimensão com o lançamento do Safer Internet Day (ou Dia da Internet mais Segura, em tradução livre), um quiz virtual desenvolvido …

Covid-19: Peru prorroga suspensão de voos do Brasil até 14 de março

O governo do Peru anunciou neste domingo (29) a prorrogação até 14 de março da suspensão de voos procedentes do Brasil. A medida preventiva visa evitar a entrada de passageiros que podem estar infectados …

Ex-funcionários do McDonald's revelam "estratégia de espionagem" da rede de fast-food

A revista Vice analisou testemunhos de supostos trabalhadores anônimos do McDonald's que tinham conhecimento direto da vigilância, e vazou documentos que explicam as táticas de espionagem. Uma equipe de analistas de inteligência da cadeia de fast-food …

Bolsonaro usa pesquisa alemã distorcida para criticar uso de máscaras

O presidente Jair Bolsonaro usou sua live de quinta-feira (26/02) para mais uma vez desestimular o uso de máscaras contra a covid-19. No mesmo dia em que o Brasil registrou a segunda pior marca de mortes …

Cientistas congelam sêmen de corais para tentar salvar espécie da extinção no Brasil

Estima-se que até 50% dos recifes de corais já desapareceram dos oceanos. A previsão para o futuro também não é animadora: uma projeção da Unesco apontou que, caso as mudanças climáticas não sejam revertidas, eles …

Esqueletos descobertos podem revelar a história do mais rico pirata da historia, morto há 300 anos

No início do século XVIII, quem mandava nos mares sem lei do Caribe, da América Central e da América do Norte era o grande pirata inglês Samuel Bellamy, imortalizado pelo apelido de “Black Sam”. Um dos …

Biden isola príncipe saudita, provável alvo de relatório da CIA sobre morte de jornalista

O presidente americano, Joe Biden, falou pela primeira vez por telefone nesta quinta-feira (25) com o rei Salman, da Arábia Saudita, na iminência da publicação de um aguardado relatório de inteligência sobre o assassinato …