EUA querem desenvolver “mini bombas” nucleares para resposta a ataques de menor potencial

À medida que a Coreia do Norte, Índia, China e outros expandem seus arsenais nucleares, o vice-presidente do Estado-Maior Conjunto dos EUA está tentando fazer com que os EUA construam dissuasores nucleares de pequeno rendimento.

Falando quinta-feira em Washington em um evento do Instituto Mitchell, o general da Força Aérea dos EUA, Paul J. Selva, disse que “se tudo o que você tem é armas de alto rendimento para responder a um ataque de baixo rendimento, ainda é um ataque nuclear”.

“Se os EUA fossem alvo de um ataque nuclear limitado ou direcionado, responder com uma arma convencional provavelmente não terá o tipo de valor dissuasivo., diz o general norte-americano.

Até junho, a China tinha testado mísseis Dongfeng de médio alcance capazes de atingir bases estratégicas norte-americanas e japonesas, informou a Sputnik.

A China continua a ter o programa de mísseis balísticos mais ativo e diversificado no mundo, segundo informou o Centro Nacional de Inteligência Atmosférica e Espacial, acrescentando que Moscou espera “manter a maior força de mísseis balísticos estratégicos fora dos Estados Unidos”.

O professor da Universidade de Stanford, Siegfried Hecker, estima que existem cerca de 25 ogivas nucleares no arsenal da Coreia do Norte e que as forças armadas de Pyongyang podem produzir entre seis e sete nukes por ano.

A Índia tem entre 120 e 130 armas nucleares, mas especialistas sugerem que a nação asiática tem plutônio suficiente para uma força nuclear de 150 a 200 armas.

Em dezembro do ano passado, o Conselho de Ciências da Defesa do Departamento de Defesa dos EUA (DSB) publicou um relatório sobre as prioridades para o governo. Entre os temas de interesse e foco para o conselho estavam as armas de baixo rendimento.

O DSB incluiu várias recomendações em seu relatório, algumas das quais suscitam preocupação com a segurança dos EUA, de acordo com críticos que discordam do desenvolvimento de uma ogiva nuclear de pequena ou variável produção.

O Conselho encorajou a próxima administração presidencial a “fornecer muitas outras opções” para reduzir a proliferação nuclear, incluindo uma “empresa nuclear mais flexível que poderia produzir, se necessário, uma opção adaptada rápida se as opções não-nucleares ou nucleares existentes se revelarem insuficientes”.

A única possibilidade estipulada no relatório é desenvolver armas de baixo rendimento.

A senadora da Califórnia, Dianne Feinstein, expressou sua oposição ao desenvolvimento de mais opções nucleares no arsenal dos EUA em entrevista ao Roll Call no início deste ano, observando que “a proposta de desenvolver armas nucleares de baixo rendimento é apenas o primeiro passo para construí-las” observando que ela continuaria a combater “esforços imprudentes com todas as ferramentas à disposição”.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Ministra da Saúde de Macron vai disputar prefeitura de Paris em batalha de mulheres

O partido presidencial francês e seus aliados centristas encontraram neste domingo (16) na ministra da Saúde, Agnès Buzyn, 58, a sucessora ideal para Benjamin Griveaux. O candidato de Emmanuel Macron ao cargo de prefeito de …

Organização vende suposto DNA de Donald Trump e outros líderes globais

Nesta sexta-feira, uma organização chamada Earnest Project passou a oferecer a chance de possuir amostras de DNA de alguns líderes mundiais e outras celebridades. O grupo alega que coletou clandestinamente itens descartados pelos participantes do Fórum …

Tribunal alemão suspende derrubada de floresta para fábrica da Tesla

Justiça ordena que gigante americana interrompa corte de árvores nos arredores de Berlim enquanto analisa pedido de associação ambiental. Empresa de Elon Musk planeja construir ali sua primeira "gigafábrica" da Europa. Um tribunal na Alemanha determinou …

Satélites podem facilmente ser manipulados por hackers, alerta pesquisador

Talvez você já esteja por dentro da confusão toda em relação aos problemas que os satélites Starlink, da SpaceX, estão causando na comunidade astronômica. Os relativamente poucos satélites lançados (cerca de 240, como parte de um …

Na Índia, campanha faz semáforo voltar ao vermelho se os motoristas buzinarem demais

Se a Índia é um país famoso por sua religiosidade, sua culinária, suas belezas naturais e, sendo o segundo país mais populoso, por ser a maior democracia por eleitorado do mundo, ela também carrega a …

Secularismo e tolerância a minorias predizem a prosperidade de um país

Pesquisadores da Universidade de Bristol e Universidade do Tennesse analisaram dados de quase 500 mil pessoas de 109 países e concluíram que mudanças na cultura geralmente vêm antes da melhora na riqueza, educação e democracia. Os …

Estudo: declínio de abelhas se aproxima da extinção em massa

De acordo com um novo estudo liderado por cientistas da Universidade de Ottawa (Canadá), a probabilidade de uma população de abelhas sobreviver em qualquer lugar diminuiu 30% no curso de uma geração humana. Os pesquisadores sugerem …

Pesquisador diz ter descoberto droga capaz de apagar memória ruim de separação amorosa

Um pesquisador de Montreal, no Canadá, diz ter encontrado uma maneira de acabar com o sofrimento causado por uma separação traumática — ele "edita" as memórias dolorosas usando um betabloqueador e sessões de terapia. Alain Brunet …

Documento revela que Facebook poderia ter virado uma "Wikipédia da vida privada"

Steven Levy, conhecido editor da Wired, conseguiu colocar as mãos em algo que ele talvez nunca imaginou encontrar: um diário de Mark Zuckerberg, CEO e fundador do Facebook, datado de 2006 e que mostra algumas …

Missão suicida: satélite queimará na atmosfera da Terra, mas por uma boa causa

Na próxima semana, a Agência Espacial Europeia (ESA) vai destruir um satélite, lançando-o em direção à atmosfera da Terra, só para vê-lo queimar durante a reentrada. Sim, tudo de propósito. Trata-se de um experimento muito …