EUA querem desenvolver “mini bombas” nucleares para resposta a ataques de menor potencial

À medida que a Coreia do Norte, Índia, China e outros expandem seus arsenais nucleares, o vice-presidente do Estado-Maior Conjunto dos EUA está tentando fazer com que os EUA construam dissuasores nucleares de pequeno rendimento.

Falando quinta-feira em Washington em um evento do Instituto Mitchell, o general da Força Aérea dos EUA, Paul J. Selva, disse que “se tudo o que você tem é armas de alto rendimento para responder a um ataque de baixo rendimento, ainda é um ataque nuclear”.

“Se os EUA fossem alvo de um ataque nuclear limitado ou direcionado, responder com uma arma convencional provavelmente não terá o tipo de valor dissuasivo., diz o general norte-americano.

Até junho, a China tinha testado mísseis Dongfeng de médio alcance capazes de atingir bases estratégicas norte-americanas e japonesas, informou a Sputnik.

A China continua a ter o programa de mísseis balísticos mais ativo e diversificado no mundo, segundo informou o Centro Nacional de Inteligência Atmosférica e Espacial, acrescentando que Moscou espera “manter a maior força de mísseis balísticos estratégicos fora dos Estados Unidos”.

O professor da Universidade de Stanford, Siegfried Hecker, estima que existem cerca de 25 ogivas nucleares no arsenal da Coreia do Norte e que as forças armadas de Pyongyang podem produzir entre seis e sete nukes por ano.

A Índia tem entre 120 e 130 armas nucleares, mas especialistas sugerem que a nação asiática tem plutônio suficiente para uma força nuclear de 150 a 200 armas.

Em dezembro do ano passado, o Conselho de Ciências da Defesa do Departamento de Defesa dos EUA (DSB) publicou um relatório sobre as prioridades para o governo. Entre os temas de interesse e foco para o conselho estavam as armas de baixo rendimento.

O DSB incluiu várias recomendações em seu relatório, algumas das quais suscitam preocupação com a segurança dos EUA, de acordo com críticos que discordam do desenvolvimento de uma ogiva nuclear de pequena ou variável produção.

O Conselho encorajou a próxima administração presidencial a “fornecer muitas outras opções” para reduzir a proliferação nuclear, incluindo uma “empresa nuclear mais flexível que poderia produzir, se necessário, uma opção adaptada rápida se as opções não-nucleares ou nucleares existentes se revelarem insuficientes”.

A única possibilidade estipulada no relatório é desenvolver armas de baixo rendimento.

A senadora da Califórnia, Dianne Feinstein, expressou sua oposição ao desenvolvimento de mais opções nucleares no arsenal dos EUA em entrevista ao Roll Call no início deste ano, observando que “a proposta de desenvolver armas nucleares de baixo rendimento é apenas o primeiro passo para construí-las” observando que ela continuaria a combater “esforços imprudentes com todas as ferramentas à disposição”.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Qual a idade em que somos mais infelizes, segundo a ciência

A chamada crise dos 40 deixou de ser um mito, pelo menos de acordo com uma ampla pesquisa realizada em 134 países pelo economista David Blanchflower, professor da universidade Dartmouth College, nos EUA, e ex-membro …

Trump fecha acordo e sinaliza fim da "guerra fiscal" com a China

Na última quarta-feira, os Estados Unidos e a China firmaram um acordo que pode ser o primeiro passo para o fim da chamada “guerra comercial” entre as potências. O pacto, que foi anunciado em dezembro do …

YouTube vincula anúncios em vídeos controversos sobre mudanças climáticas

Uma notícia deixou algumas empresas anunciantes do YouTube surpresas. Segundo estudo feito pela Avaaz, a plataforma de vídeos da Google tem vinculado anúncios de grandes companhias em vídeos que têm como propósito desinformar as pessoas …

Premiê renuncia após Putin propor reformas constitucionais

Líder russo propõe pacote de mudanças com as quais, segundo críticos, poderia permanecer no poder após fim do mandato. Premiê Medvedev renuncia com todo o gabinete para "abrir espaço" às reformas. O presidente da Rússia, Vladimir …

Musculação: detonando o grande mito da nutrição para ganhar massa muscular

Dietas com alto teor de carboidratos costumam ser recomendadas como parte de protocolos de exercícios para melhorar a recuperação e aumentar o desempenho. No entanto, pesquisas recentes tem mostrado que os carboidratos talvez não ajudem …

Austrália: aviões jogam alimentos para animais sobreviventes dos incêndios

Os incêndios que ardem por toda a Austrália desde setembro do ano passado vem atingindo e ameaçando a vida dos animais locais não só diretamente – mais de 500 milhões de animais já morreram por …

"Democracia em Vertigem", de Petra Costa, é indicado ao Oscar

A Academia de Artes e Ciências cinematográficas anunciou nesta segunda-feira (13) os indicados ao Oscar. “Democracia em Vertigem”, da brasileira Petra Costa, foi indicado ao prêmio de melhor documentário. "Dois Papas", o filme de Fernando Meirelles …

Arquivos sobre OVNIs poderiam 'danificar seriamente' segurança dos EUA, segundo Marinha americana

Marinha dos EUA considera que abertura de arquivos sobre OVNIs poderia causar sérios danos à Segurança Nacional, enquanto reconhece existência de OVNIs. Enquanto conspiracionistas acreditam que as Forças Armadas americanas utilizam tecnologia alienígena para o desenvolvimento …

Crise do 737 Max faz Boeing registrar perda de produção recorde

Pela primeira vez em décadas, a Boeing terminou o ano com pedidos negativos de produção de aviões comerciais. No final de 2019, a gigante aeroespacial registrou cancelamentos de 87 unidades, o que significa mais baixas …

Temperatura dos oceanos bate recorde em 2019, diz estudo

Calor absorvido pelos mares nos últimos 25 anos equivale ao gerado por 3,6 bilhões de bombas como a de Hiroshima. Aquecimento disparou nas últimas décadas, o que, segundo cientistas, é "prova do aquecimento global". Em 2019, …