EUA e Rússia estão armazenando armas nucleares para um tipo diferente de guerra

Konstantin Alysh / Wikimedia

Lançamento de um míssil de cruzeiro russo Iskander-M na região de Leningrado

Especialistas acreditam que os EUA e a Rússia estão interessados em novas armas com o potencial de serem usadas em um tipo de guerra nuclear que não era pensada há anos.

Em vez de uma conflagração global, seria um conflito nuclear tático, onde armas seriam implantadas no campo de batalha.

“Acho que pode haver um entusiasmo renovado tanto nos Estados Unidos quanto na Rússia por novas armas nucleares em papéis de combate”, explica Jeffrey Lewis, membro do Instituto Middlebury de Estudos Internacionais (Califórnia, EUA).

Em uma base russa no Mar Báltico, no território conhecido como Kaliningrado, uma nova geração de mísseis com capacidade nuclear está em construção.

Imagens de satélite mostram que estruturas semelhantes a barracas surgiram recentemente para abrigar o sistema de mísseis móveis conhecido como Iskander, capaz de disparar armas com ogivas nucleares e convencionais.

Também mostram que os antigos edifícios na base estão sendo demolidos – parece que uma reforma está em andamento.

Enquanto isso, a mais de 12.800 quilômetros de distância, no Texas, os EUA começaram a produção de um novo tipo de arma nuclear. Conhecida como W76-2, é uma variante menor de uma arma nuclear existente. O governo de Donald Trump afirma que esta nova ogiva ajudará a combater as capacidades da Rússia.

Pequenas armas nucleares em combate

A ideia de usar pequenas armas nucleares em conflito se estabeleceu no auge da Guerra Fria. Em julho de 1962, centenas de soldados organizaram um ataque simulado no deserto de Nevada, nos EUA.

Antes de entrar, um porta-aviões blindado disparou uma arma nuclear em miniatura conhecida como “Davy Crockett” em uma posição inimiga simulada. A arma detonou com uma pequena fração da força de uma ogiva termonuclear destrutiva. Em uma hora, tropas e tanques dos EUA atravessaram o deserto em chamas para declarar uma vitória simulada.

Naquela época, era assim que uma guerra nuclear seria imaginada: pequenas armas nucleares usadas junto com armas convencionais para vencer ou conter um oponente.

Com o prolongamento da Guerra Fria, os EUA construíram milhares de minas, mísseis e artilharia nuclear destinados ao uso no campo de batalha. “Ao longo da década de 1980, essas armas tornaram-se cada vez mais um risco”, conta Lewis.

Em 1991, a União Soviética entrou em colapso. “No fim da Guerra Fria, os EUA disseram: Isso foi meio idiota, por que temos tudo isso?”, diz Matthew Kroenig, especialista em política nuclear no Atlantic Council e professor na Universidade de Georgetown (EUA).

Assim, os EUA desmantelaram quase todas as suas armas nucleares de campo de batalha. Mas a Rússia seguiu um caminho diferente – manteve milhares de armas nucleares pequenas.

“Então, hoje, a Rússia tem minas terrestres nucleares, torpedos nucleares, cargas de profundidade nuclear, artilharia nuclear, mísseis nucleares de curto alcance”, acrescenta Kroenig.

Alexey Ivanov / Wikimedia

Míssil russo Iskander montado em plataforma móvel junto ao Mar Cáspio

Acredita-se que as armas nucleares russas sejam mantidas longe de qualquer conflito em potencial. Mas os mísseis que poderiam carregá-las, não. Em bases como Kaliningrado, a Rússia está implantando mísseis e fazendo upgrades.

Promessa ou ameaça?

Olga Oliker, do International Crisis Group, pensa que as armas, juntamente com algumas declarações veladas de autoridades russas, destinam-se parcialmente a enviar uma mensagem: “Não esqueça que temos armas nucleares. Não esqueça que podemos usá-las”.

Para ela, todo esse papo sobre armas nucleares é principalmente postura. Mas o governo Trump diz que há sinais de que a Rússia pode ser tentada a usar de fato suas armas nucleares táticas. Por exemplo, pode decidir lançar uma bomba nuclear no campo de batalha no início de uma crise.

Se isso acontecesse, Kroenig crê que os EUA e seus aliados não seriam capazes de responder da mesma maneira, porque as únicas armas nucleares remanescentes são armas grandes projetadas para combater uma espécie de guerra nuclear apocalíptica.

“Poderíamos recuar para evitar a guerra nuclear, ou poderíamos retaliar com nossas grandes armas nucleares estratégicas, potencialmente arriscando um grande ataque nuclear”, diz Kroenig.

Esse é o valor do novo W76-2 sendo construído. “Se você usa uma arma nuclear de baixo rendimento, podemos responder com uma, duas ou três das nossas próprias”, argumenta Kroenig.

Caminho perigoso

Alguns se preocupam com o fato de que essas novas armas podem iniciar os EUA e a Rússia em um caminho de volta aos dias sombrios da Guerra Fria.

Hans Kristensen, diretor do Projeto de Informações Nucleares da Federação de Cientistas Americanos, alerta que essas armas menos poderosas podem fazer com que as armas nucleares pareçam mais utilizáveis pelos planejadores de guerra dos EUA. “Eu acho que é um desperdício de dinheiro, e é um tipo perigoso de missão”, aponta.

Kristensen diz que o W76-2, em particular, é um tipo “muito pouco ortodoxo” de arma de baixo rendimento. Embora o governo não forneça detalhes oficiais sobre a ogiva, Kristensen e outros assumem que ela é a reformulação de uma arma termonuclear muito mais poderosa, conhecida como W76-1.

O W76-1 tem um componente “primário” nuclear que detona a parte “secundária” termonuclear, muito maior, da arma. Ao remover ou desabilitar a parte secundária, deixando intacta a pequena parte primária, converte-se rapidamente uma grande arma estratégica em um dispositivo de campo de batalha menos potente.

Mas Lewis observa que isso cria outro problema: ambas as versões do W76 são lançadas no mesmo míssil balístico. “Tudo o que os russos vão ver é que um míssil que transporta ogivas nucleares está se dirigindo para a Rússia”, sugere Lewis, temendo que eles retaliem com poderosas armas de longo alcance.

Matthew Kroenig contesta isso. Se os EUA lançassem uma arma, seria provavelmente um único míssil em resposta a uma arma nuclear russa no campo de batalha. Os russos provavelmente reconheceriam isso.

Kroenig, como Oliker, acredita que os países estão apenas enviando mensagens. Assim, o objetivo dessas novas armas dos EUA não é combater uma nova batalha que use armas nucleares no campo de batalha, mas sim sinalizar à Rússia que a América tem opções.

O verdadeiro combate sobre essas novas armas pode acabar no Congresso americano, no entanto. Enquanto os republicanos parecem prontos para apoiar o pedido da administração Trump por mais armas nucleares no campo de batalha, a recém-eleita maioria democrata na Câmara parece ter a intenção de bloqueá-las.

Não vemos as armas nucleares como uma ferramenta na guerra”, disse Adam Smith, agora presidente democrata do Comitê de Serviços Armados da Câmara, em um discurso em novembro passado. “Não faz sentido para nós construirmos armas nucleares de baixo rendimento”.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Patenteado material que permite ocultar objetos e é chamado capa de invisibilidade

A empresa canadense fabricante de uniformes de camuflagem para militares, HyperStealth Biotechnology, anunciou quatro pedidos de patente, todos relacionado ao Quantum Stealth. O material também é chamado de “capa de invisibilidade”. O inventor dos quatro pedidos …

Netanyahu desiste de formar governo em Israel

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, renunciou, nesta segunda-feira (21), à tarefa de formar um novo governo. O presidente Reuven Rivlin informou que entregará a missão ao opositor Benny Gantz. O primeiro-ministro anunciou a decisão nas redes …

'Nunca houve tanta interferência de uma família dentro de um poder', diz Joice sobre governo

A deputada federal Joice Hasselmann (PSL-SP) declarou nesta segunda-feira (22) que "nunca houve tanta interferência de uma família dentro de um poder" como existe no governo do presidente Jair Bolsonaro. Após ser retirada da função de …

"Táxis de cocaína" são problema crescente em Berlim

Aumento do número de veículos que entregam drogas diretamente na casa dos usuários preocupa a polícia berlinense. A cocaína perde apenas para a heroína como causa de mortes relacionadas a drogas na capital alemã. A polícia …

A casa da Barbie existe na vida real – e você pode se hospedar lá

Possivelmente a mais célebre e vendida boneca do mundo, a Barbie costumava sugerir uma vida de luxo e deleite ao imaginário da criançada que cresceu – e ainda cresce – inventando uma vida enquanto brinca …

Eleição na Bolívia: Resultados parciais indicam 2º turno inédito entre Evo Morales e Carlos Mesa

Com quase 90% dos votos contabilizados, resultados parciais da eleição realizada neste domingo na Bolívia indicam que o atual presidente Evo Morales não teve votos suficientes para garantir já sua vitória, caminhando para disputar com …

Voo mais longo e sem escalas da história pousou em Sydney

O voo mais longo e sem escalas da história pousou nesse domingo (20) em Sydney, 19 horas e 16 minutos após a decolagem, em Nova York. Foi um teste da companhia australiana Qantas, que pretende …

Governo brasileiro publica lei que agiliza venda de bens do tráfico de drogas

O presidente Jair Bolsonaro sancionou a Lei 13886/19, que pretende acelerar a destinação de bens apreendidos ou sequestrados que tenham vinculação com o tráfico ilícito de drogas. Essa lei, que converte a Medida Provisória nº 885, …

Criaram uma bebida com probióticos geneticamente modificados para prevenir ressacas

Beber moderadamente pode ser garantia de uma noite especialmente divertida, mas quem se aventura pelos bares da vida sabe que basta um pequeno erro de cálculo ou deslize nos preparativos – como, por exemplo, esquecer …

Manifestantes desafiam proibição em Hong Kong

Milhares voltam às ruas, apesar de governo ter proibido protestos na região semiautônoma, e são recebidos com jatos d'água e gás lacrimogêneo. Há quatro meses, colônia britânica atravessa a sua maior crise política. Milhares de manifestantes …