EUA e Rússia estão armazenando armas nucleares para um tipo diferente de guerra

Konstantin Alysh / Wikimedia

Lançamento de um míssil de cruzeiro russo Iskander-M na região de Leningrado

Especialistas acreditam que os EUA e a Rússia estão interessados em novas armas com o potencial de serem usadas em um tipo de guerra nuclear que não era pensada há anos.

Em vez de uma conflagração global, seria um conflito nuclear tático, onde armas seriam implantadas no campo de batalha.

“Acho que pode haver um entusiasmo renovado tanto nos Estados Unidos quanto na Rússia por novas armas nucleares em papéis de combate”, explica Jeffrey Lewis, membro do Instituto Middlebury de Estudos Internacionais (Califórnia, EUA).

Em uma base russa no Mar Báltico, no território conhecido como Kaliningrado, uma nova geração de mísseis com capacidade nuclear está em construção.

Imagens de satélite mostram que estruturas semelhantes a barracas surgiram recentemente para abrigar o sistema de mísseis móveis conhecido como Iskander, capaz de disparar armas com ogivas nucleares e convencionais.

Também mostram que os antigos edifícios na base estão sendo demolidos – parece que uma reforma está em andamento.

Enquanto isso, a mais de 12.800 quilômetros de distância, no Texas, os EUA começaram a produção de um novo tipo de arma nuclear. Conhecida como W76-2, é uma variante menor de uma arma nuclear existente. O governo de Donald Trump afirma que esta nova ogiva ajudará a combater as capacidades da Rússia.

Pequenas armas nucleares em combate

A ideia de usar pequenas armas nucleares em conflito se estabeleceu no auge da Guerra Fria. Em julho de 1962, centenas de soldados organizaram um ataque simulado no deserto de Nevada, nos EUA.

Antes de entrar, um porta-aviões blindado disparou uma arma nuclear em miniatura conhecida como “Davy Crockett” em uma posição inimiga simulada. A arma detonou com uma pequena fração da força de uma ogiva termonuclear destrutiva. Em uma hora, tropas e tanques dos EUA atravessaram o deserto em chamas para declarar uma vitória simulada.

Naquela época, era assim que uma guerra nuclear seria imaginada: pequenas armas nucleares usadas junto com armas convencionais para vencer ou conter um oponente.

Com o prolongamento da Guerra Fria, os EUA construíram milhares de minas, mísseis e artilharia nuclear destinados ao uso no campo de batalha. “Ao longo da década de 1980, essas armas tornaram-se cada vez mais um risco”, conta Lewis.

Em 1991, a União Soviética entrou em colapso. “No fim da Guerra Fria, os EUA disseram: Isso foi meio idiota, por que temos tudo isso?”, diz Matthew Kroenig, especialista em política nuclear no Atlantic Council e professor na Universidade de Georgetown (EUA).

Assim, os EUA desmantelaram quase todas as suas armas nucleares de campo de batalha. Mas a Rússia seguiu um caminho diferente – manteve milhares de armas nucleares pequenas.

“Então, hoje, a Rússia tem minas terrestres nucleares, torpedos nucleares, cargas de profundidade nuclear, artilharia nuclear, mísseis nucleares de curto alcance”, acrescenta Kroenig.

Alexey Ivanov / Wikimedia

Míssil russo Iskander montado em plataforma móvel junto ao Mar Cáspio

Acredita-se que as armas nucleares russas sejam mantidas longe de qualquer conflito em potencial. Mas os mísseis que poderiam carregá-las, não. Em bases como Kaliningrado, a Rússia está implantando mísseis e fazendo upgrades.

Promessa ou ameaça?

Olga Oliker, do International Crisis Group, pensa que as armas, juntamente com algumas declarações veladas de autoridades russas, destinam-se parcialmente a enviar uma mensagem: “Não esqueça que temos armas nucleares. Não esqueça que podemos usá-las”.

Para ela, todo esse papo sobre armas nucleares é principalmente postura. Mas o governo Trump diz que há sinais de que a Rússia pode ser tentada a usar de fato suas armas nucleares táticas. Por exemplo, pode decidir lançar uma bomba nuclear no campo de batalha no início de uma crise.

Se isso acontecesse, Kroenig crê que os EUA e seus aliados não seriam capazes de responder da mesma maneira, porque as únicas armas nucleares remanescentes são armas grandes projetadas para combater uma espécie de guerra nuclear apocalíptica.

“Poderíamos recuar para evitar a guerra nuclear, ou poderíamos retaliar com nossas grandes armas nucleares estratégicas, potencialmente arriscando um grande ataque nuclear”, diz Kroenig.

Esse é o valor do novo W76-2 sendo construído. “Se você usa uma arma nuclear de baixo rendimento, podemos responder com uma, duas ou três das nossas próprias”, argumenta Kroenig.

Caminho perigoso

Alguns se preocupam com o fato de que essas novas armas podem iniciar os EUA e a Rússia em um caminho de volta aos dias sombrios da Guerra Fria.

Hans Kristensen, diretor do Projeto de Informações Nucleares da Federação de Cientistas Americanos, alerta que essas armas menos poderosas podem fazer com que as armas nucleares pareçam mais utilizáveis pelos planejadores de guerra dos EUA. “Eu acho que é um desperdício de dinheiro, e é um tipo perigoso de missão”, aponta.

Kristensen diz que o W76-2, em particular, é um tipo “muito pouco ortodoxo” de arma de baixo rendimento. Embora o governo não forneça detalhes oficiais sobre a ogiva, Kristensen e outros assumem que ela é a reformulação de uma arma termonuclear muito mais poderosa, conhecida como W76-1.

O W76-1 tem um componente “primário” nuclear que detona a parte “secundária” termonuclear, muito maior, da arma. Ao remover ou desabilitar a parte secundária, deixando intacta a pequena parte primária, converte-se rapidamente uma grande arma estratégica em um dispositivo de campo de batalha menos potente.

Mas Lewis observa que isso cria outro problema: ambas as versões do W76 são lançadas no mesmo míssil balístico. “Tudo o que os russos vão ver é que um míssil que transporta ogivas nucleares está se dirigindo para a Rússia”, sugere Lewis, temendo que eles retaliem com poderosas armas de longo alcance.

Matthew Kroenig contesta isso. Se os EUA lançassem uma arma, seria provavelmente um único míssil em resposta a uma arma nuclear russa no campo de batalha. Os russos provavelmente reconheceriam isso.

Kroenig, como Oliker, acredita que os países estão apenas enviando mensagens. Assim, o objetivo dessas novas armas dos EUA não é combater uma nova batalha que use armas nucleares no campo de batalha, mas sim sinalizar à Rússia que a América tem opções.

O verdadeiro combate sobre essas novas armas pode acabar no Congresso americano, no entanto. Enquanto os republicanos parecem prontos para apoiar o pedido da administração Trump por mais armas nucleares no campo de batalha, a recém-eleita maioria democrata na Câmara parece ter a intenção de bloqueá-las.

Não vemos as armas nucleares como uma ferramenta na guerra”, disse Adam Smith, agora presidente democrata do Comitê de Serviços Armados da Câmara, em um discurso em novembro passado. “Não faz sentido para nós construirmos armas nucleares de baixo rendimento”.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

George W. Bush: o suposto plano para matar ex-presidente dos EUA desbaratado pelo FBI

Um simpatizante do Estado Islâmico planejava assassinar o ex-presidente dos EUA George W. Bush, mas o plano foi descoberto pelo FBI (polícia federal americana), segundo autoridades dos Estados Unidos. O suspeito, um residente de Ohio, supostamente …

O que se sabe sobre misterioso surto de varíola dos macacos

Casos recentes da doença na América do Norte e Europa acenderam o alerta entre especialistas. Endêmico na África, vírus é transmitido por animais contaminados e por contato próximo prolongado entre pessoas. Autoridades de saúde na América …

EUA: Estudo traz primeiros resultados 'promissores' de vacina de RNA mensageiro contra Aids

Uma vacina usando a tecnologia de RNA mensageiro, a mesma que algumas vacinas contra a Covid-19, pode ser usada desta vez contra a Aids. É o que mostram os primeiros resultados promissores de testes …

Viagem de Lula à Argentina visa fortalecer governo de Fernández e teoria de lawfare contra Kirchner

O ex-presidente Lula será o primeiro estrangeiro a discursar diante de uma multidão na Praça de Maio, em Buenos Aires, em um ato destinado a renovar o vínculo do governo argentino com o seu …

Após EUA, vários países se mobilizam em boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia seguiram os passos dos Estados Unidos e anunciaram que também vão participar do “boicote diplomático” aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, previstos para fevereiro. Os países acusam …

Musk anuncia que Neuralink testará microchips neuronais em humanos em 2022

O bilionário e empreendedor norte-americano referiu que já testou com sucesso um implante cerebral em um macaco, e quer agora que essa tecnologia seja aplicada em humanos. Os humanos poderão ter implantes cerebrais da empresa Neuralink …

Cientistas americanos encontram substância contra coronavírus em algas para sushi

Biólogos americanos esperam que sua descoberta ajude na criação de tratamentos antivírus com base em plantas. Os cientistas determinaram que o sulfato de rhamnan – polissacarídeo componente das algas verdes Monostroma nitidum, utilizadas para embrulhar o …

Mulheres comandam metade dos ministérios no governo Scholz

Futuro chanceler confirma nomes finais do seu governo, que deverá começar os trabalhos ainda esta semana. Percentual de mulheres no comando de ministérios federais é o maior da história da Alemanha. O próximo chanceler federal da …

Biden e Putin fazem videoconferência para tentar resolver impasse na Ucrânia

Joe Biden e Vladimir Putin se preparam para uma vídeoconferência nesta terça-feira (7) em um momento em que as tensões entre Washington e Moscou se intensificam com rumores de uma iminente invasão da Ucrânia …

Aung San Suu Kyi é condenada a 4 anos de prisão

Líder deposta por golpe militar em Mianmar enfrenta série de acusações que a Anistia Internacional chama de falsas. Novo veredicto deve sair nos próximos dias. A líder deposta de Mianmar, Aung San Suu Kyi, foi condenada …