EUA apresentam plano para retirada de 12 mil soldados da Alemanha

Cerca de 6,4 mil militares americanos retornarão para os Estados Unidos e 5,4 mil serão transferidos para outros países europeus. Decisão é vista como repreensão de Trump à Alemanha, acusada de gastar pouco com defesa.

O Pentágono apresentou nesta quarta-feira (29/07) seus planos para a retirada de quase 12 mil soldados americanos estacionados na Alemanha. A intenção de reduzir o contingente militar no país europeu fora anunciada em junho pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que acusa Berlim de não gastar o suficiente em defesa.

De acordo com o Pentágono, cerca de 6,4 mil soldados retornarão para os EUA, e outros 5,4 mil serão transferidos a outros países europeus, como Bélgica, Itália e Polônia.

O secretário americano de Defesa, Mark Esper, disse que a retirada começará nos próximos meses, e que aproximadamente 24 mil militares permanecerão na Alemanha. Admitindo que a decisão foi “acelerada” por Trump, ele afirmou que os deslocamentos também seguem objetivos estratégicos maiores, visando enfrentar a tensão com a Rússia e tranquilizar aliados europeus.

Segundo Esper, alguns soldados serão deslocados para a região do Mar Negro e outros temporariamente para o Mar Báltico. A sede europeia das Forças Armadas americanas também deve ser transferida de Stuttgart para a Bélgica.

O Pentágono alega que a decisão de manter ainda cerca de 24 mil soldados na Alemanha é um sinal de que os EUA não quebrarão os compromissos com os aliados, nem desguarnecerão as frentes de combate no Oriente Médio. Além de servirem como uma barreira para a influência da Rússia, as Forças Armadas dos EUA utilizam as bases em solo alemão para coordenar ações militares na Europa, África e Oriente Médio.

Autoridade americanas enfatizaram que, no início, apenas um número relativamente pequeno de soldados será transferido, e que a mudança levará anos para ser totalmente implementada, também devido aos bilhões de dólares que exigirá o projeto.

A retirada das tropas da Alemanha representa uma repreensão notável a um dos mais próximos aliados militares e comerciais dos EUA. “Não queremos mais ser otários”, afirmou Trump após anúncio da proposta de retirada das tropas. “Estamos reduzindo a força porque eles não estão pagando as contas. É muito simples.”

Em diversas ocasiões, o Presidente americano acusou a Alemanha de se beneficiar da presença militar americana em seu território sem oferecer contrapartidas, como um aumento de seus gastos em defesa para acima de 2% do Produto Interno Bruto (PIB) nacional. A marca atual alemã é de cerca de 1,4% do PIB em defesa.

Nos últimos dois anos, porém, os dois países também tiveram desentendimentos em questões espinhosas, como o acordo nuclear com o Irã e os interesses de Berlim na construção do gasoduto russo Nord Stream 2.

Ao todo, os EUA mantêm aproximadamente 34.500 militares na Alemanha, que abriga mais soldados americanos do que qualquer outro país europeu. A presença militar dos EUA no território alemão é um legado da ocupação pelos Aliados após a Segunda Guerra Mundial.

Apesar da diminuição da presença militar americana na Europa desde o fim da Guerra Fria – em 1962, os EUA tinham 274.119 soldados estacionados no país –, a Alemanha permanece como um centro estratégico para as forças do Pentágono.

A base americana em Stuttgart é usada para as missões na Europa e na África, enquanto a de Ramstein tem papel fundamental no envio de soldados e equipamentos para o Iraque e o Afeganistão. O hospital militar americano em Landstuhl, próximo a Ramstein, é o maior desse tipo fora dos EUA.

Os planos americanos de retirada de parte significativa de suas tropas vêm sendo criticados ou encarados com preocupação pelo meio político alemão. Os quatro estados alemães que abrigam bases militares dos EUA pediram ao Congresso americano que bloqueie a proposta, alegando que ela é uma mera uma manobra política e não estratégica.

A retirada foi criticada até mesmo por integrantes do partido de Trump. O senador republicano Mitt Romney classificou o plano de “um erro grave” e “um tapa na cara de um amigo e aliado”.

O secretário-geral da Otan, Jens Soltenberg, porém, saudou os planos, afirmando que Washington consultou seus aliados para tomar a decisão. “O anúncio sublinha o empenho contínuo dos Estados Unidos na Otan e na segurança europeia”, alegou, acrescentando que “a paz e a segurança da Europa são importantes para a segurança e prosperidade da América do Norte”.

O Ministério da Defesa da Alemanha não comentou o anúncio americano.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Sinais de possível 1º exoplaneta fora da Via Láctea são detectados

Pela primeira vez na história, é possível que os cientistas tenham descoberto um planeta em outra galáxia. O possível exoplaneta recebeu o nome de M51-ULS-1 e se encontra a 28 milhões de anos-luz de distância na …

China vai vacinar crianças a partir de três anos contra a covid-19

Imunizantes aprovados são das farmacêuticas chinesas Sinopharm e Sinovac, fabricante da Coronavac. País será um dos primeiros a começar a vacinar essa faixa etária. No total, China já vacinou 76% da população. Ao menos cinco províncias …

"Bolsonaro ignora todas as necessidades culturais dos brasileiros", diz Gilberto Gil à revista Télérama

A imprensa francesa desta segunda-feira (25) destaca o show de Gilberto Gil nesta noite na Filarmônica de Paris. O músico brasileiro conversou com o jornal Le Monde e com a revista Télérama. "Gilberto Gil", embaixador …

"Peças extraordinárias" achadas na Indonésia podem ser da lendária "ilha do Ouro"

Tesouros no valor de milhões de dólares encontrados nos últimos cinco anos ao longo do rio Musi podem ser do antigo império malaio Serivijaia, na ilha de Sumatra, que por 300 anos dominou as rotas …

Pandemia de Covid-19 vai acabar "quando o mundo decidir acabar com ela", diz diretor da OMS

A pandemia de Covid-19 vai acabar "quando o mundo decidir acabar com ela", disse neste domingo (24) o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Ghebreyesus. O representante da ONU discursou na abertura …

Google está “criando Deus”, alerta ex executivo da Google

Segundo um ex-executivo do Google, a singularidade está chegando. E, segundo ele isso representa uma grande ameaça para a humanidade. Mo Gawdat, ex-diretor de negócios da organização moonshot do Google, que na época se chamava Google …

Pandemia causa a maior redução na expectativa de vida desde a Segunda Guerra

Desde a descoberta do coronavírus SARS-CoV-2, mais de 4,9 milhões de pessoas morreram oficialmente em consequência da infecção, segundo levantamento da Universidade Johns Hopkins. Nesse cenário, a pandemia da covid-19 reduziu a expectativa de vida …

Forças Armadas da Noruega assinam contrato bilionário de mísseis para caças F-35

Noruega tem sido um parceiro ativo no programa de caças dos EUA F-35, tendo em conta que 18 empresas deste país nórdico são parceiros diretos. Subsequentemente, a Noruega decidiu adquirir 52 caças F-35 para substituir …

Brasil fez lobby para mudar relatório climático, diz Greenpeace

Vários países, entre eles o Brasil, tentaram fazer mudanças em um crucial relatório da ONU sobre como combater o aquecimento global, afirmou o Greenpeace nesta quinta-feira (21/10), citando um grande vazamento de documentos. Os documentos aos …

Site da Coreia do Sul é usado para hospedar vírus e distribuí-lo via torrents

Uma campanha de distribuição de malwares na Coreia do Sul está disfarçando cavalos de troia de acesso remoto como um jogo para o público adulto, compartilhado via serviço de hospedagem de arquivos, como o WebHard, …