Gigantes da moda são boicotados na China após terem criticado repressão da minoria uigur por Pequim

Após a H&M na quarta-feira (24), nessa quinta-feira (25) foi a vez de Nike, Adidas e Uniqlo serem alvo de retaliação de Pequim. Em sinal de protesto contra a repressão dos uigures, as marcas pararam de comprar produtos vindo do Xinjiang, região onde vive essa minoria muçulmana, que a comunidade internacional afirma ser alvo de trabalhos forçados impostos pelo governo chinês. As autoridades do país não apreciaram a atitude das grifes de moda e uma campanha de boicote nacional foi lançada.

Desde o ano passado a gigante sueca do fast fashion H&M havia anunciou que iria parar de usar o algodão de Xinjiang.

A decisão surgiu na sequência de um relatório da ONG Australian Strategic Policy Institute, no qual a marca de moda é acusada de ter se abastecido “potencialmente direta ou indiretamente”, entre 2017 e 2019, através de estruturas que recorrem à mão de obra uigur dos “campos da reeducação”. Outras grifes seguiram os passos da H&M, deixando de comprar matéria-prima ou produtos confeccionados em Xinjiang.

Mas essa semana a China decidiu revidar, boicotando os produtos H&M. A campanha de retaliação começou com a Liga da Juventude Comunista, filiada ao Partido Comunista, que lançou o debate no Weibo, o Twitter chinês.

“Espalhar boatos e boicotar o algodão de Xinjiang e ao mesmo tempo esperar continuar ganhando dinheiro na China? Estão sonhando !”, disse a organização, publicando cópias do comunicado da H&M que gerou a polêmica.

Os produtos da H&M saíram das principais páginas de venda de roupas na China, dois atores famosos cortaram relações com a empresa, e a imprensa estatal criticou a marca. Em um comunicado, a H&M China declarou que não adotou “qualquer posição política”, garantindo que segue comprometida com seus negócios de longo prazo no país. A China é o 4° mercado mais importante para do grupo sueco no mundo.

Nessa quinta, foi a vez das gigantes de artigos esportivos Nike e Adidas e da marca de fast fashion japonesa Uniqlo serem alvo de retaliação nas redes sociais. Também circulava no Weibo ameaças de boicote de consumidores visando a espanhola Zara e a americana Gap.

Trabalhos forçados

Questionado se o governo estaria por trás da polêmica, o Ministério chinês das Relações Exteriores negou qualquer envolvimento.

“O mercado chinês é o que é. Não precisamos intimidar as empresas”, disse a porta-voz Hua Chunying a repórteres. “Mas uma coisa é certa: os chineses não permitirão que estrangeiros se aproveitem da China para depois criticá-la”, acrescentou.

Segundo estudos de institutos dos Estados Unidos e da Austrália, pelo menos um milhão de uigures estão nos “campos”, e alguns deles são submetidos a “trabalhos forçados”, principalmente em plantações de algodão.

A China nega categoricamente estas afirmações e diz que se trata de relatórios tendenciosos. Segundo o governo, os “campos” são, na verdade, “centros de formação profissional” destinados a dar emprego à população para mantê-la afastada do extremismo.

A campanha de boicote às marcas de moda coincide com as sanções impostas pela União Europeia e outros países sobre a China, justamente por causa do tratamento dado aos uigures.

// RFI

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

EUA: Estudo traz primeiros resultados 'promissores' de vacina de RNA mensageiro contra Aids

Uma vacina usando a tecnologia de RNA mensageiro, a mesma que algumas vacinas contra a Covid-19, pode ser usada desta vez contra a Aids. É o que mostram os primeiros resultados promissores de testes …

Viagem de Lula à Argentina visa fortalecer governo de Fernández e teoria de lawfare contra Kirchner

O ex-presidente Lula será o primeiro estrangeiro a discursar diante de uma multidão na Praça de Maio, em Buenos Aires, em um ato destinado a renovar o vínculo do governo argentino com o seu …

Após EUA, vários países se mobilizam em boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia seguiram os passos dos Estados Unidos e anunciaram que também vão participar do “boicote diplomático” aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, previstos para fevereiro. Os países acusam …

Musk anuncia que Neuralink testará microchips neuronais em humanos em 2022

O bilionário e empreendedor norte-americano referiu que já testou com sucesso um implante cerebral em um macaco, e quer agora que essa tecnologia seja aplicada em humanos. Os humanos poderão ter implantes cerebrais da empresa Neuralink …

Cientistas americanos encontram substância contra coronavírus em algas para sushi

Biólogos americanos esperam que sua descoberta ajude na criação de tratamentos antivírus com base em plantas. Os cientistas determinaram que o sulfato de rhamnan – polissacarídeo componente das algas verdes Monostroma nitidum, utilizadas para embrulhar o …

Mulheres comandam metade dos ministérios no governo Scholz

Futuro chanceler confirma nomes finais do seu governo, que deverá começar os trabalhos ainda esta semana. Percentual de mulheres no comando de ministérios federais é o maior da história da Alemanha. O próximo chanceler federal da …

Biden e Putin fazem videoconferência para tentar resolver impasse na Ucrânia

Joe Biden e Vladimir Putin se preparam para uma vídeoconferência nesta terça-feira (7) em um momento em que as tensões entre Washington e Moscou se intensificam com rumores de uma iminente invasão da Ucrânia …

Aung San Suu Kyi é condenada a 4 anos de prisão

Líder deposta por golpe militar em Mianmar enfrenta série de acusações que a Anistia Internacional chama de falsas. Novo veredicto deve sair nos próximos dias. A líder deposta de Mianmar, Aung San Suu Kyi, foi condenada …

Em último vídeo do mandato, Merkel pede que população se vacine

A chanceler alemã Angela Merkel, que deixará o poder na próxima quarta-feira (8), voltou a defender neste sábado (4) a vacinação contra a Covid-19, no último de uma série de mais de 600 vídeos …

Descobrem na China ferramenta de marfim de 99 mil anos, possivelmente a mais antiga do país

Pesquisadores desenterraram uma pá de marfim datada de há cerca de 99.000 anos em um sítio arqueológico do Paleolítico na província chinesa de Shandong. Acredita-se que o objeto seja uma das primeiras ferramentas de osso utilizadas …