Gigantes da moda são boicotados na China após terem criticado repressão da minoria uigur por Pequim

Após a H&M na quarta-feira (24), nessa quinta-feira (25) foi a vez de Nike, Adidas e Uniqlo serem alvo de retaliação de Pequim. Em sinal de protesto contra a repressão dos uigures, as marcas pararam de comprar produtos vindo do Xinjiang, região onde vive essa minoria muçulmana, que a comunidade internacional afirma ser alvo de trabalhos forçados impostos pelo governo chinês. As autoridades do país não apreciaram a atitude das grifes de moda e uma campanha de boicote nacional foi lançada.

Desde o ano passado a gigante sueca do fast fashion H&M havia anunciou que iria parar de usar o algodão de Xinjiang.

A decisão surgiu na sequência de um relatório da ONG Australian Strategic Policy Institute, no qual a marca de moda é acusada de ter se abastecido “potencialmente direta ou indiretamente”, entre 2017 e 2019, através de estruturas que recorrem à mão de obra uigur dos “campos da reeducação”. Outras grifes seguiram os passos da H&M, deixando de comprar matéria-prima ou produtos confeccionados em Xinjiang.

Mas essa semana a China decidiu revidar, boicotando os produtos H&M. A campanha de retaliação começou com a Liga da Juventude Comunista, filiada ao Partido Comunista, que lançou o debate no Weibo, o Twitter chinês.

“Espalhar boatos e boicotar o algodão de Xinjiang e ao mesmo tempo esperar continuar ganhando dinheiro na China? Estão sonhando !”, disse a organização, publicando cópias do comunicado da H&M que gerou a polêmica.

Os produtos da H&M saíram das principais páginas de venda de roupas na China, dois atores famosos cortaram relações com a empresa, e a imprensa estatal criticou a marca. Em um comunicado, a H&M China declarou que não adotou “qualquer posição política”, garantindo que segue comprometida com seus negócios de longo prazo no país. A China é o 4° mercado mais importante para do grupo sueco no mundo.

Nessa quinta, foi a vez das gigantes de artigos esportivos Nike e Adidas e da marca de fast fashion japonesa Uniqlo serem alvo de retaliação nas redes sociais. Também circulava no Weibo ameaças de boicote de consumidores visando a espanhola Zara e a americana Gap.

Trabalhos forçados

Questionado se o governo estaria por trás da polêmica, o Ministério chinês das Relações Exteriores negou qualquer envolvimento.

“O mercado chinês é o que é. Não precisamos intimidar as empresas”, disse a porta-voz Hua Chunying a repórteres. “Mas uma coisa é certa: os chineses não permitirão que estrangeiros se aproveitem da China para depois criticá-la”, acrescentou.

Segundo estudos de institutos dos Estados Unidos e da Austrália, pelo menos um milhão de uigures estão nos “campos”, e alguns deles são submetidos a “trabalhos forçados”, principalmente em plantações de algodão.

A China nega categoricamente estas afirmações e diz que se trata de relatórios tendenciosos. Segundo o governo, os “campos” são, na verdade, “centros de formação profissional” destinados a dar emprego à população para mantê-la afastada do extremismo.

A campanha de boicote às marcas de moda coincide com as sanções impostas pela União Europeia e outros países sobre a China, justamente por causa do tratamento dado aos uigures.

// RFI

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Alemanha: social-democratas saem à frente nas eleições, mas disputa é acirrada

Os social-democratas alemães saíram na frente neste domingo (26) nas eleições parlamentares que marcam o fim da era Merkel, de acordo com as estimativas iniciais, mas os conservadores da chanceler alemã ainda pretendem disputar …

Revelada consequência grave da COVID-19 mais frequente do que se acreditava

Novo estudo revelou que os pacientes com COVID-19 que foram internados em unidades de terapia intensiva (UTI) têm mais possibilidade de desenvolver deficiências cognitivas contínuas. O estudo de quase 150 pacientes internados no início da pandemia …

Fundo de Bill Gates investe US$ 50 milhões em robôs agricultores que poupam água

A startup norte-americana Iron Ox recebeu um aporte de US$ 53 milhões (R$ 280,5 milhões) para melhorar sua tecnologia de robôs usados na agricultura e que consomem 90% menos água que plantações tradicionais. O dinheiro veio …

Bolsonaro pede à população que tome banho frio e evite elevador

O presidente Jair Bolsonaro pediu nesta quinta-feira (23/09) à população que tome banho frio e evite usar o elevador para economizar energia elétrica. "Aqui são três andares. Quando tem que descer, mesmo que o elevador esteja …

A incrível descoberta que indica presença humana nas Américas muito antes do que se pensava

Novas descobertas científicas apontam que humanos chegaram às Américas pelo menos 7 mil anos antes do que se estimava anteriormente. As pesquisas em torno do momento em que o continente americano passou a ser povoado a …

Mianmar: Justiça americana ordena quebra de sigilo do Facebook para investigar ameaças contra rohingyas

Um juiz americano ordenou ao Facebook que divulgue os arquivos de contas ligadas de membros do exército birmanês e de milícias budistas que perseguiram a minoria Rohingya em Mianmar. A decisão, que encontra resistência …

Eduardo Bolsonaro está com covid-19

O deputado federal Eduardo Bolsonaro, filho do presidente Jair Bolsonaro, está com covid-19. A informação foi divulgada nesta sexta-feira (24/09) por vários sites brasileiros de notícias. O próprio Eduardo teria confirmado seu diagnóstico ao portal …

Covid: o que alta em internação de idosos revela sobre efetividade da vacina e 3ª dose

As últimas estatísticas de casos, internações e mortes por covid-19 no Brasil trazem uma conclusão importante: as vacinas funcionam e protegem contra as formas graves da doença, mas algumas pessoas mais vulneráveis realmente precisam tomar …

Líder separatista catalão Carles Puigdemont é detido na Itália

Carles Puigdemont, que foi presidente do governo regional catalão durante a declaração de independência frustrada de 2017, foi detido na ilha italiana da Sardenha (oeste) nesta quinta-feira (23) após quatro anos foragido da justiça …

Por que as drogas psicodélicas estão mais perto do mercado convencional

O aumento da permissão de uso de psicodélicos como terapia promete transformar a forma como vemos o extraordinário. Foi em 1971 que Rick Doblin usou LSD pela primeira vez. Era uma tarde de sábado na Flórida, em …