Hubble observa o cometa ativo mais distante viajando em direção ao Sol

NASA

O Telescópio Espacial Hubble da NASA fotografou o cometa ativo, viajando em direção ao Sol, mais distante alguma vez já visto, a uma enorme distância de 2,41 bilhões de quilômetros da estrela (para lá da órbita de Saturno).

Ligeiramente aquecido pelo longínquo Sol, já começou a desenvolver uma nuvem de poeira difusa com quase 129 mil quilômetros de comprimento, a que chamamos coma ou cabeleira, envolvendo um núcleo sólido e minúsculo de gás e poeira congelados.

Estas observações representam os sinais mais precoces de atividade, alguma vez vistos, de um cometa que entra na zona planetária do Sistema Solar pela primeira vez.

O cometa, chamado C/2017 K2 (PANSTARRS) ou “K2”, tem viajado por milhões de anos desde a sua “casa” nos confins distantes e frios do Sistema Solar, onde a temperatura ronda os -262º C.

A órbita do cometa indica que é oriundo da Nuvem de Oort, uma região esférica com quase um ano-luz em diâmetro e que se acredita conter centenas de milhares de milhões de cometas. Os cometas são remanescentes gelados da formação do Sistema Solar há 4,6 bilhões de anos e, portanto, têm uma composição gelada pristina.

“K2 está tão longe do Sol e é tão frio que sabemos com certeza que a atividade – todas aquelas coisas difusas que o fazem parecer com um cometa – não é produzida, como nos outros cometas, pela evaporação de água gelada”, comenta David Jewitt, pesquisador da Universidade da Califórnia em Los Angeles, EUA.

“Em vez disso, pensamos que a atividade se deve à sublimação – passagem do estado sólido diretamente para o estado gasoso – de supervoláteis à medida que o K2 faz sua primeira entrada na zona planetária do Sistema Solar. É por isso que é especial. Este cometa está tão distante e é tão incrivelmente frio que a água gelada é como se fosse rocha”, explicou o cientista.

Com base nas observações do Hubble da cabeleira de K2, Jewitt sugere que a luz solar está aquecendo os gases voláteis congelados – como oxigênio, azoto, dióxido de carbono e monóxido de carbono – que cobrem a superfície gelada do cometa.

Estes gelos voláteis saem do cometa e liberam poeira, formando a cabeleira. Estudos anteriores da composição de cometas, perto do Sol, revelaram a mesma mistura de gelos voláteis. “Eu penso que estes voláteis estão espalhados pelo cometa K2 e, no início, há milhares de milhões de anos, provavelmente em cada cometa da Nuvem de Oort,” acrescenta Jewitt.

“Mas estes voláteis na superfície são os que absorvem calor do Sol, então, em certo sentido, o cometa está a expelir a sua pele externa. A maioria dos cometas são descobertos muito mais perto do Sol, perto da órbita de Júpiter, de modo que quando os encontramos, estes voláteis superficiais já foram sublimados. Por isso, acho que o K2 é o cometa mais primitivo que já vimos”, afirma o astrônomo.

O K2 foi descoberto em maio de 2017 pelo Pan-STARRS (Panoramic Survey Telescope and Rapid Response System) no Havaí, um projeto de pesquisa do Programa de Observações Próximas da Terra da NASA. Jewitt usou o instrumento WFC3 (Wide Field Camera 3) do Hubble no final de junho para obter um olhar mais detalhado sobre o visitante gelado.

O “olho” afiado do Hubble revelou a extensão da cabeleira e também ajudou Jewitt a estimar o tamanho do núcleo – menos de 19 quilômetros de comprimento – embora a tênue cabeleira tenha um tamanho equivalente a 10 diâmetros terrestres.

Esta vasta cabeleira deve ter se formado quando o cometa ainda estava mais longe do Sol. Através de imagens de arquivo, a equipe de Jewitt encontrou imagens do K2 e da sua cabeleira tênue obtidas em 2013 pelo CFHT (Canada-France-Hawaii Telescope) no Havaí. Mas o objeto era tão fraco que ninguém notou.

“Nós pensamos que o cometa está ativo, continuamente, há pelo menos quatro anos,” afirma Jewitt.

“Nos dados do CFHT, K2 tinha uma cabeleira já a 3,2 bilhões de quilômetros do Sol, quando se encontrava entre as órbitas de Úrano e Netuno. Já estava ativo e eu penso que assim tem permanecido continuamente. À medida que se aproxima do Sol, fica cada vez mais quente e a atividade cresce“, completa.

Mas, curiosamente, as imagens do Hubble não mostram a existência de uma cauda no K2, também característica dos cometas. A sua ausência indica que as partículas liberadas do cometa são muito grandes para a pressão de radiação do Sol as “varrer” e formar uma cauda.

NASA, ESA e D. Jewitt (UCLA)

Imagem do Telescópio Espacial Hubble mostra uma nuvem difusa de poeira, a que chamamos coma ou cabeleira, em redor do cometa C/2017 K2 PANSTARRS (K2)

Os astrônomos terão muito tempo para realizar estudos detalhados do cometa K2. Durante os próximos cinco anos, ele continuará sua viagem até o Sistema Solar interior antes de atingir a sua maior aproximação ao Sol em 2022, logo além da órbita de Marte.

“Vamos monitorar, pela primeira vez, o desenvolvimento de atividade de um cometa que viaja desde a Nuvem de Oort ao longo de uma extraordinária gama de distâncias. Com a aproximação do Sol, deverá se tornar cada vez mais ativo e, presumivelmente, formará uma cauda”, comenta Jewitt.

Jewitt disse que o Telescópio Espacial James Webb da NASA, um observatório infravermelho com lançamento previsto para 2019, pode medir o calor do núcleo, o que daria aos astrônomos uma estimativa mais precisa do seu tamanho.

Os resultados da equipe foram publicados nas Astrophysical Journal Letters.

Ciberia // ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

EUA: Estudo traz primeiros resultados 'promissores' de vacina de RNA mensageiro contra Aids

Uma vacina usando a tecnologia de RNA mensageiro, a mesma que algumas vacinas contra a Covid-19, pode ser usada desta vez contra a Aids. É o que mostram os primeiros resultados promissores de testes …

Viagem de Lula à Argentina visa fortalecer governo de Fernández e teoria de lawfare contra Kirchner

O ex-presidente Lula será o primeiro estrangeiro a discursar diante de uma multidão na Praça de Maio, em Buenos Aires, em um ato destinado a renovar o vínculo do governo argentino com o seu …

Após EUA, vários países se mobilizam em boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia seguiram os passos dos Estados Unidos e anunciaram que também vão participar do “boicote diplomático” aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, previstos para fevereiro. Os países acusam …

Musk anuncia que Neuralink testará microchips neuronais em humanos em 2022

O bilionário e empreendedor norte-americano referiu que já testou com sucesso um implante cerebral em um macaco, e quer agora que essa tecnologia seja aplicada em humanos. Os humanos poderão ter implantes cerebrais da empresa Neuralink …

Cientistas americanos encontram substância contra coronavírus em algas para sushi

Biólogos americanos esperam que sua descoberta ajude na criação de tratamentos antivírus com base em plantas. Os cientistas determinaram que o sulfato de rhamnan – polissacarídeo componente das algas verdes Monostroma nitidum, utilizadas para embrulhar o …

Mulheres comandam metade dos ministérios no governo Scholz

Futuro chanceler confirma nomes finais do seu governo, que deverá começar os trabalhos ainda esta semana. Percentual de mulheres no comando de ministérios federais é o maior da história da Alemanha. O próximo chanceler federal da …

Biden e Putin fazem videoconferência para tentar resolver impasse na Ucrânia

Joe Biden e Vladimir Putin se preparam para uma vídeoconferência nesta terça-feira (7) em um momento em que as tensões entre Washington e Moscou se intensificam com rumores de uma iminente invasão da Ucrânia …

Aung San Suu Kyi é condenada a 4 anos de prisão

Líder deposta por golpe militar em Mianmar enfrenta série de acusações que a Anistia Internacional chama de falsas. Novo veredicto deve sair nos próximos dias. A líder deposta de Mianmar, Aung San Suu Kyi, foi condenada …

Em último vídeo do mandato, Merkel pede que população se vacine

A chanceler alemã Angela Merkel, que deixará o poder na próxima quarta-feira (8), voltou a defender neste sábado (4) a vacinação contra a Covid-19, no último de uma série de mais de 600 vídeos …

Descobrem na China ferramenta de marfim de 99 mil anos, possivelmente a mais antiga do país

Pesquisadores desenterraram uma pá de marfim datada de há cerca de 99.000 anos em um sítio arqueológico do Paleolítico na província chinesa de Shandong. Acredita-se que o objeto seja uma das primeiras ferramentas de osso utilizadas …