Hubble observa o cometa ativo mais distante viajando em direção ao Sol

NASA

O Telescópio Espacial Hubble da NASA fotografou o cometa ativo, viajando em direção ao Sol, mais distante alguma vez já visto, a uma enorme distância de 2,41 bilhões de quilômetros da estrela (para lá da órbita de Saturno).

Ligeiramente aquecido pelo longínquo Sol, já começou a desenvolver uma nuvem de poeira difusa com quase 129 mil quilômetros de comprimento, a que chamamos coma ou cabeleira, envolvendo um núcleo sólido e minúsculo de gás e poeira congelados.

Estas observações representam os sinais mais precoces de atividade, alguma vez vistos, de um cometa que entra na zona planetária do Sistema Solar pela primeira vez.

O cometa, chamado C/2017 K2 (PANSTARRS) ou “K2”, tem viajado por milhões de anos desde a sua “casa” nos confins distantes e frios do Sistema Solar, onde a temperatura ronda os -262º C.

A órbita do cometa indica que é oriundo da Nuvem de Oort, uma região esférica com quase um ano-luz em diâmetro e que se acredita conter centenas de milhares de milhões de cometas. Os cometas são remanescentes gelados da formação do Sistema Solar há 4,6 bilhões de anos e, portanto, têm uma composição gelada pristina.

“K2 está tão longe do Sol e é tão frio que sabemos com certeza que a atividade – todas aquelas coisas difusas que o fazem parecer com um cometa – não é produzida, como nos outros cometas, pela evaporação de água gelada”, comenta David Jewitt, pesquisador da Universidade da Califórnia em Los Angeles, EUA.

“Em vez disso, pensamos que a atividade se deve à sublimação – passagem do estado sólido diretamente para o estado gasoso – de supervoláteis à medida que o K2 faz sua primeira entrada na zona planetária do Sistema Solar. É por isso que é especial. Este cometa está tão distante e é tão incrivelmente frio que a água gelada é como se fosse rocha”, explicou o cientista.

Com base nas observações do Hubble da cabeleira de K2, Jewitt sugere que a luz solar está aquecendo os gases voláteis congelados – como oxigênio, azoto, dióxido de carbono e monóxido de carbono – que cobrem a superfície gelada do cometa.

Estes gelos voláteis saem do cometa e liberam poeira, formando a cabeleira. Estudos anteriores da composição de cometas, perto do Sol, revelaram a mesma mistura de gelos voláteis. “Eu penso que estes voláteis estão espalhados pelo cometa K2 e, no início, há milhares de milhões de anos, provavelmente em cada cometa da Nuvem de Oort,” acrescenta Jewitt.

“Mas estes voláteis na superfície são os que absorvem calor do Sol, então, em certo sentido, o cometa está a expelir a sua pele externa. A maioria dos cometas são descobertos muito mais perto do Sol, perto da órbita de Júpiter, de modo que quando os encontramos, estes voláteis superficiais já foram sublimados. Por isso, acho que o K2 é o cometa mais primitivo que já vimos”, afirma o astrônomo.

O K2 foi descoberto em maio de 2017 pelo Pan-STARRS (Panoramic Survey Telescope and Rapid Response System) no Havaí, um projeto de pesquisa do Programa de Observações Próximas da Terra da NASA. Jewitt usou o instrumento WFC3 (Wide Field Camera 3) do Hubble no final de junho para obter um olhar mais detalhado sobre o visitante gelado.

O “olho” afiado do Hubble revelou a extensão da cabeleira e também ajudou Jewitt a estimar o tamanho do núcleo – menos de 19 quilômetros de comprimento – embora a tênue cabeleira tenha um tamanho equivalente a 10 diâmetros terrestres.

Esta vasta cabeleira deve ter se formado quando o cometa ainda estava mais longe do Sol. Através de imagens de arquivo, a equipe de Jewitt encontrou imagens do K2 e da sua cabeleira tênue obtidas em 2013 pelo CFHT (Canada-France-Hawaii Telescope) no Havaí. Mas o objeto era tão fraco que ninguém notou.

“Nós pensamos que o cometa está ativo, continuamente, há pelo menos quatro anos,” afirma Jewitt.

“Nos dados do CFHT, K2 tinha uma cabeleira já a 3,2 bilhões de quilômetros do Sol, quando se encontrava entre as órbitas de Úrano e Netuno. Já estava ativo e eu penso que assim tem permanecido continuamente. À medida que se aproxima do Sol, fica cada vez mais quente e a atividade cresce“, completa.

Mas, curiosamente, as imagens do Hubble não mostram a existência de uma cauda no K2, também característica dos cometas. A sua ausência indica que as partículas liberadas do cometa são muito grandes para a pressão de radiação do Sol as “varrer” e formar uma cauda.

NASA, ESA e D. Jewitt (UCLA)

Imagem do Telescópio Espacial Hubble mostra uma nuvem difusa de poeira, a que chamamos coma ou cabeleira, em redor do cometa C/2017 K2 PANSTARRS (K2)

Os astrônomos terão muito tempo para realizar estudos detalhados do cometa K2. Durante os próximos cinco anos, ele continuará sua viagem até o Sistema Solar interior antes de atingir a sua maior aproximação ao Sol em 2022, logo além da órbita de Marte.

“Vamos monitorar, pela primeira vez, o desenvolvimento de atividade de um cometa que viaja desde a Nuvem de Oort ao longo de uma extraordinária gama de distâncias. Com a aproximação do Sol, deverá se tornar cada vez mais ativo e, presumivelmente, formará uma cauda”, comenta Jewitt.

Jewitt disse que o Telescópio Espacial James Webb da NASA, um observatório infravermelho com lançamento previsto para 2019, pode medir o calor do núcleo, o que daria aos astrônomos uma estimativa mais precisa do seu tamanho.

Os resultados da equipe foram publicados nas Astrophysical Journal Letters.

Ciberia // ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

O Yellow Submarine da vida real está disponível para aluguel no Airbnb

O Submarino Amarelo nasceu em uma simpática canção de Paul McCartney de 1966, virou um longa de animação estrelado pelos Beatles em 1968, e agora, passadas mais de cinco décadas, se transformou em uma apartamento …

"O Iraque estará sempre comigo", diz papa ao fim de visita histórica ao Oriente Médio

O Papa Francisco concluiu sua histórica visita ao Iraque neste domingo (7) com uma missa diante de milhares de fiéis no norte do país devastado pelos jihadistas, conclamando os cristãos que ainda estão no …

Por que iceberg do tamanho do Rio de Janeiro que se desprendeu da Antártida anima cientistas?

Um iceberg gigante de cerca de 1.270 km² (a cidade do Rio de Janeiro tem 1.255 km²) quebrou e se desprendeu da Antártida, gerando euforia na comunidade científica. Na sexta-feira (26/2), instrumentos na superfície da plataforma …

Coronavírus: Por que vacinação sem lockdown pode tornar Brasil 'fábrica' de variantes superpotentes

O cenário atual no Brasil, que combina início da vacinação com transmissão descontrolada da covid-19, pode tornar o país uma "fábrica" de variantes potencialmente capazes de escapar por completo da eficácia das vacinas. Esta é …

Esquema de venda de vacinas falsas da COVID-19 é descoberto pela Interpol

Na última quarta-feira (3), autoridades da África do Sul apreenderam centenas de vacinas falsas da COVID-19, esquema que já havia sido alertado pela Interpol devido às disputas pelo imunizante no mundo inteiro. No país africano, foram …

Egito descobre cemitério de 2 mil anos com 600 cães e gatos

Pesquisadores poloneses encontraram cerca de 600 restos mortais de animais em um cemitério de dois mil anos, no Egito. De acordo com os cientistas, os corpos encontrados na necrópole são de gatos (cerca de 90% deles), …

Nova superterra encontrada pode dar pistas sobre vida fora do Sistema Solar

Um novo exoplaneta detectado orbitando uma estrela relativamente perto do nosso Sistema Solar, pode potencialmente ajudar a resolver enigmas sobre vida alienígena. Um exoplaneta com uma massa 2,8 maior do que a da Terra designado Gliese …

China anuncia meta de crescimento econômico mais modesta na abertura do Congresso Nacional do Povo

A reunião anual do Congresso Nacional do Povo da China foi aberta nesta sexta-feira (5), em Pequim, com o tradicional discurso do primeiro-ministro do país, Li Keqiang. O líder anunciou um objetivo de crescimento …

Análogo de Buraco negro de laboratório se comporta como Stephen Hawking previu

Pesquisadores do Instituto de Tecnologia Technion-Israel tentaram confirmar duas das previsões mais importantes de Hawking, que a radiação hawking surge do nada e que não muda de intensidade ao longo do tempo, o que significa …

SP concentra 40% dos feminicídios com 200 mortes, diz estudo do Observatório de Segurança

A Rede de Observatórios da Segurança publicou seu relatório de dados sobre a violência contra a mulher do ano de 2020. O boletim, que traz números de cinco estados (SP, RJ, PE, CE e BA), mostrou …