Inclinação de Saturno pode ser explicada pela migração de suas luas; entenda

Gray Lensman QX! / Flickr

Em um novo estudo, cientistas do French National Centre for Scientific Research (CNRS) e da Sorbonne University perceberam que a inclinação de Saturno pode ser causada pela influência da migração de suas luas — principalmente por Titã. Além disso, eles estimam que o planeta deverá ficar ainda mais inclinado nos próximos bilhões de anos.

Observações recentes mostraram que Titã e as demais grandes luas estão se afastando gradualmente de Saturno, e isso está acontecendo mais rapidamente do que se esperava. Então, quando adicionaram aos cálculos essa taxa de migração maior do que havia sido estimado, os cientistas concluíram que este processo está afetando a inclinação do gigante gasoso, pois, conforme elas vão se afastando, o planeta vai ficando mais “deitado”.

Quando se formam, é esperado que os gigantes gasosos tenham obliquidade quase zero — a obliquidade é a inclinação entre o planeta e seu plano orbital. Nesse caso, o evento decisivo que deixou Saturno inclinado pode ter ocorrido em um momento relativamente recente — durante os três bilhões de anos após sua formação, o eixo rotacional do planeta ficou levemente inclinado. Entretanto, foi apenas um bilhão de anos atrás que o movimento gradual dos satélites causou um movimento de ressonância, que ainda ocorre hoje.

Isso significa que o eixo de Saturno interagiu com o caminho de Netuno e foi se inclinando gradualmente, até chegar aos 27º que vemos hoje. Essas descobertas chamam a atenção para cenários estabelecidos anteriormente, porque os astrônomos já concordaram sobre a existência da ressonância — mas eles acreditavam que ela ocorreu bem no início do processo de formação do planeta, há mais de 4 bilhões de anos, devido a uma mudança na órbita de Netuno, e que o eixo de Saturno estava estável até então.

Agora, o que eles perceberam é que o planeta continua apresentando mudanças em sua inclinação, e o que vemos hoje é uma etapa de transição dessas mudanças. Então, é possível que, nos próximos bilhões de anos, Saturno se torne um planeta ainda mais inclinado do que é hoje. Anteriormente, a equipe já chegara a conclusões semelhantes sobre Júpiter: o gigante deverá sofrer inclinações parecidas também por causa da migração de suas quatro luas principais, além da ressonância com a órbita de Urano.

Por isso, é possível que, nos próximos cinco bilhões de anos, Júpiter passe a ter 30º de inclinação em vez dos 3º que possui hoje.

O artigo com os resultados do estudo foi publicado na revista Nature Astronomy.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

EUA: Estudo traz primeiros resultados 'promissores' de vacina de RNA mensageiro contra Aids

Uma vacina usando a tecnologia de RNA mensageiro, a mesma que algumas vacinas contra a Covid-19, pode ser usada desta vez contra a Aids. É o que mostram os primeiros resultados promissores de testes …

Viagem de Lula à Argentina visa fortalecer governo de Fernández e teoria de lawfare contra Kirchner

O ex-presidente Lula será o primeiro estrangeiro a discursar diante de uma multidão na Praça de Maio, em Buenos Aires, em um ato destinado a renovar o vínculo do governo argentino com o seu …

Após EUA, vários países se mobilizam em boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia seguiram os passos dos Estados Unidos e anunciaram que também vão participar do “boicote diplomático” aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, previstos para fevereiro. Os países acusam …

Musk anuncia que Neuralink testará microchips neuronais em humanos em 2022

O bilionário e empreendedor norte-americano referiu que já testou com sucesso um implante cerebral em um macaco, e quer agora que essa tecnologia seja aplicada em humanos. Os humanos poderão ter implantes cerebrais da empresa Neuralink …

Cientistas americanos encontram substância contra coronavírus em algas para sushi

Biólogos americanos esperam que sua descoberta ajude na criação de tratamentos antivírus com base em plantas. Os cientistas determinaram que o sulfato de rhamnan – polissacarídeo componente das algas verdes Monostroma nitidum, utilizadas para embrulhar o …

Mulheres comandam metade dos ministérios no governo Scholz

Futuro chanceler confirma nomes finais do seu governo, que deverá começar os trabalhos ainda esta semana. Percentual de mulheres no comando de ministérios federais é o maior da história da Alemanha. O próximo chanceler federal da …

Biden e Putin fazem videoconferência para tentar resolver impasse na Ucrânia

Joe Biden e Vladimir Putin se preparam para uma vídeoconferência nesta terça-feira (7) em um momento em que as tensões entre Washington e Moscou se intensificam com rumores de uma iminente invasão da Ucrânia …

Aung San Suu Kyi é condenada a 4 anos de prisão

Líder deposta por golpe militar em Mianmar enfrenta série de acusações que a Anistia Internacional chama de falsas. Novo veredicto deve sair nos próximos dias. A líder deposta de Mianmar, Aung San Suu Kyi, foi condenada …

Em último vídeo do mandato, Merkel pede que população se vacine

A chanceler alemã Angela Merkel, que deixará o poder na próxima quarta-feira (8), voltou a defender neste sábado (4) a vacinação contra a Covid-19, no último de uma série de mais de 600 vídeos …

Descobrem na China ferramenta de marfim de 99 mil anos, possivelmente a mais antiga do país

Pesquisadores desenterraram uma pá de marfim datada de há cerca de 99.000 anos em um sítio arqueológico do Paleolítico na província chinesa de Shandong. Acredita-se que o objeto seja uma das primeiras ferramentas de osso utilizadas …