Indústria do açúcar pagou para que a gordura fosse principal culpada por problemas cardíacos

A indústria do açúcar pagou a cientistas para minimizar a ligação entre açúcar e doenças cardíacas e promover as gorduras saturadas como as grandes culpadas destes problemas.

Um estudo publicado nesta segunda-feira (12) na revista científica JAMA Internal Medicine revela que, na década de 60, a indústria do açúcar pagou a cientistas para minimizar os efeitos nefastos do açúcar na saúde.

Pesquisadores da Universidade da Califórnia descobriram documentos históricos que comprovam que, há cerca de 50 anos, quando os estudos começaram a ligar dietas ricas em açúcar a um aumento de casos de doenças cardíacas na população norte-americana, a indústria pagou a investigadores da Universidade de Harvard para que publicassem estudos que colocassem as culpas nas gorduras.

“Eles conseguiram manipular a discussão sobre o açúcar durante décadas”, afirma Stanton Glantz, um dos investigadores responsáveis pelo novo estudo.

“O estudo ajudou a moldar não apenas a opinião pública sobre as causas de problemas cardíacos mas também a perspectiva da comunidade científica sobre fatores de risco para doenças do coração”, explica Cristin Kearns, a pesquisadora que descobriu os documentos num arquivo público.

Os documentos mostram que a Sugar Research Foundation – um grupo da indústria hoje chamado Sugar Association – pagou a cientistas da Universidade de Harvard o equivalente a US$ 50 mil (cerca de R$ 165 mil) para publicarem uma revisão de estudos sobre açúcar, gorduras e doenças do coração.

Os investigadores ignoraram estudos que comprometessem o açúcar e concluíram que havia apenas uma mudança na dieta – alterar o consumo de gorduras – que podia prevenir doenças cardíacas.

O artigo foi publicado em 1967 na New England Journal of Medicine. Tanto os cientistas como os executivos do açúcar responsáveis pela pesquisa já morreram.

“Foi uma estratégia muito inteligente da indústria, porque pesquisas como estas, especialmente as publicadas em revistas científicas importantes, tendem a moldar a discussão científica”, descreve Stanton Glentz ao New York Times.

Foi nessa altura que começou a obsessão com dietas pobres em gordura – e a indústria alimentar continuou a adicionar açúcar aos seus produtos para melhorar o sabor sem ser muito incomodada por isso.

Os problemas cardíacos são a principal causa de morte prematura nos Estados Unidos, e os novos resultados mostram que o açúcar é, possivelmente, tão culpado como as gorduras.

Em resposta ao artigo, a Sugar Association afirma que em 1967 as revistas médicas não exigiam que os investigadores revelassem possíveis conflitos de interesse, sublinhando que estudos patrocinados pela indústria são importantes para o debate científico.

No ano passado, o New York Times revelou que a Coca-Cola estava financiando estudos que demonstrassem que o sedentarismo era o principal culpado pela obesidade, em vez da má alimentação.

AF, ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Pessoas feias superestimam drasticamente suas aparências

Pessoas pouco atraentes parecem menos capazes de julgar com precisão sua própria atratividade, e tendem a superestimar sua aparência. Não faltam disparidades entre pessoas atraentes e pouco atraentes. Estudos mostram que os mais belos entre nós …

Noruega acusa Pequim de ciberataque contra serviços do governo

Pela primeira vez na história, o Serviço de Segurança Policial da Noruega (PST, na sigla em inglês) identificou a China como sendo responsável por um ataque hacker contra as autoridades do país nórdico. A agência de …

China supera marca de 1 bilhão de vacinas contra a covid-19 aplicadas

Quantia representa mais de um terço das doses aplicadas no mundo. Após início lento da imunização, autoridades chinesas querem vacinar completamente 40% da população até o final de junho. O número de doses de vacinas contra …

Brasileiros protestam no exterior contra Bolsonaro e gestão da epidemia

Dezenas de milhares de pessoas tomaram as ruas de várias capitais brasileiras neste sábado para protestar contra o presidente Jair Bolsonaro e sua gestão da pandemia, que já deixou mais de meio milhão de …

Relíquia do Jurássico: descoberto animal marinho cuja espécie vive há 180 milhões de anos

Um grupo de pesquisadores descreveu uma nova espécie de ofíuros – um animal marinho parecido com as estrelas-do-mar, que recebeu o nome de Ophiojura, informou nesta quinta-feira (17) Tim O’Hara, curador dos Museus Victoria (Austrália) …

Projeto de estrada cortando parque das cataratas de Iguaçu ameaça outras áreas de proteção pelo Brasil

Uma das paisagens naturais mais impressionantes do Brasil e reconhecida pela Unesco, o Parque Nacional do Iguaçu, que abriga as cataratas, no Paraná, pode ser cortado ao meio por uma rodovia asfaltada – em …

Por que a imunidade de rebanho está longe de ser realidade

Embora costume ser apresentada como simples cálculo matemático, alcançar a imunidade de rebanho não é tarefa fácil. Ela não só depende da infecciosidade das variantes, como da adoção de medidas sanitárias pela população. Apesar das campanhas …

Uso de maconha na adolescência pode atrapalhar o desenvolvimento do cérebro

O consumo de maconha pode ser prejudicial ao cérebro humano durante a adolescência, de acordo com estudo publicado na última quarta-feira (16). Segundo a pesquisa, realizada em regiões da Europa, o uso recreativo da planta pode …

EUA terão feriado para comemorar fim da escravidão

Data já celebrada na maioria dos estados vai se tornar feriado federal. O "Juneteenth" lembra dia em que os últimos escravos negros foram libertados no país, em 1865. Após aprovação pelo Congresso dos Estados Unidos na …

5 perguntas sobre os denisovanos, 'parentes' extintos dos humanos modernos que viveram na Terra há 50 mil anos

Desde que os primeiros vestígios dos denisovanos foram descobertos em 2008, os cientistas não descansaram tentando obter mais informações sobre eles. A tarefa, no entanto, não tem sido fácil, porque até agora só foram encontrados pequenos …