A Lua pode ter sido capaz de sustentar a vida

Marshall Space Flight Center / NASA

Há bilhões de anos, a Lua da Terra pode ter tido as condições necessárias para abrigar a vida, segundo um estudo publicado na segunda-feira (23).

Quando falamos em condições favoráveis à existência de vida na Terra falamos em água líquida, uma atmosfera capaz de manter a água estável na superfície, um campo magnético capaz de fornecer proteção à radiação solar e cósmica e compostos orgânicos. Segundo os autores do estudo, algumas condições-chave poderiam ter existido na Lua.

“Se a água líquida e uma atmosfera significativa estiveram presentes na Lua durante longos períodos de tempo, achamos possível que a superfície lunar tenha sido habitável, pelo menos temporariamente”, explica Dirk Schulze-Makuch, astrobiólogo da Washington State University e coautor do estudo, publicado na Astrobiology.

No entanto, astronautas e robôs nunca encontraram nenhuma prova de vida na Lua e, mesmo que o material orgânico tivesse existido no satélite do nosso planeta, não sabemos se iriam restar vestígios.

A ideia de que a Lua já poderia ter sido habitável é baseada em uma série de descobertas, feitas principalmente na última década, que mostram que a Lua não é tão seca quanto pensávamos. Há bilhões de anos, poderia ter havido grandes quantidades de água líquida na superfície lunar.

Há cerca de 4,5 bilhões de anos, uma Proto-Terra e outro corpo planetário colidiram e foram vaporizados, segundo um artigo publicado este ano.

Segundo essa teoria, a Lua se formou dentro da Terra, quando o nosso planeta ainda não tinha se formado completamente e não passava de uma nuvem fervente e giratória de rocha vaporizada, chamada sinestia.

Assim, os cientistas defendem que esses gases poderiam ter sido suficientes para criar uma atmosfera. Esse período de tempo foi o primeiro momento no qual se verificaram na Lua as condições necessárias para sustentar a vida.

A segunda vez aconteceu durante um período de intensa atividade vulcânica, cerca de 500 milhões de anos depois. Os cientistas sugerem que essa atividade poderia ter criado uma atmosfera ainda mais densa, com mais água na superfície lunar.

Dessa forma, e de acordo com os cálculos citados no artigo científico, poderia ter havido água líquida durante 70 milhões de anos, especialmente se houvesse um campo magnético protegendo a Lua dos ventos solares.

Durante esses dois períodos, a vida já poderia existir na Terra, isto porque os cientistas ainda não sabem como o material orgânico apareceu pela primeira vez no nosso planeta. Além disso, os cientistas também não sabem o quão comum são as condições que sustentam a existência de vida em todo o Universo.

As cianobactérias são as evidências mais antigas de vida na Terra. De alguma forma, certas moléculas precursoras se fundiram para formar materiais orgânicos, que evoluíram eventualmente para essas cianobactérias. Não sabemos quanto tempo esse processo levou, mas alguns cientistas estimam que teria demorado 10 milhões de anos.

Por essa lógica, defendem os cientistas, houve tempo suficiente para algo semelhante acontecer na Lua. Se o material orgânico estivesse previamente lá, a vida poderia ter emergido durante esses dois períodos de tempo.

No entanto, mesmo que não tenha existido material orgânico na Lua, esses dois períodos foram certamente intensos a nível de atividade meteórica. Esses meteoritos poderiam ter trazido micro-organismos que sobreviveram.

No entanto, há muitas dúvidas que pairam no ar. Assim, os cientistas mantêm a esperança de que as futuras missões à Lua forneçam evidências sobre esses períodos de atividade vulcânica através de amostras das camadas da Lua.

Ciberia // ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

UE exportou mais de um bilhão de doses contra Covid-19, diz Comissão Europeia

A União Europeia exportou mais de um bilhão de doses de vacinas contra a Covid-19 para mais de 150 países. Essa quantidade representa a metade das doses produzidas na Europa, de acordo com dados …

Colin Powell, ex-secretário de Estado dos EUA, morre aos 84 anos

Primeiro negro a ocupar topo da diplomacia e da máquina militar americana, ex-general teve papel de destaque na Guerra do Golfo e arranhou sua credibilidade ao apoiar a invasão do Iraque uma década depois. Colin Powell, …

Criminosos usam escaneamento por código do próprio usuário para 'sequestrar' contas do WhatsApp

Em 2019, um relatório divulgado pelo laboratório de pesquisa da empresa de segurança virtual Eset alertou que uma das formas crescentes de sequestro de contas do WhatsApp era feita por meio de um ataque conhecido …

EUA: Manobras de Trump bloqueiam investigação sobre invasão do Capitólio

Vários parceiros e associados do ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, se recusaram a comparecer à comissão da Câmara que investiga a invasão de 6 de janeiro de 2021 contra o Capitólio, sede do …

Dor nos olhos após COVID-19: cientistas explicam causa de complicação inesperada do vírus

Uma pesquisa de cientistas alemães mostrou que o coronavírus pode penetrar nos olhos e infectar os fotorreceptores e células ganglionares na retina. Isso pode ser uma causa de problemas com os olhos após a COVID-19. Os …

Estudo mostra como mudanças climáticas afetarão a energia hidrelétrica no Brasil

Um novo relatório publicado pela Global Environmental Change revela que, nas próximas décadas, as reduções de precipitação e vazão dos rios na região amazônica — a maior bacia hidrográfica do mundo e uma forte candidata …

Merkel é premiada por compromisso com a União Europeia

"Somente uma Europa unida é uma Europa forte", diz a líder alemã ao receber o prêmio Carlos 5º. Rei espanhol destaca pragmatismo e confiabilidade da chanceler federal, descrevendo-a como uma "mulher extraordinária". Prestes a deixar o …

França: crianças pobres são ainda mais vulneráveis à poluição do ar, aponta relatório

O Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância) e a rede mundial Climate Action Network International, que reúne associações que lutam contra o aquecimento global, divulgaram, nesta quinta-feira (14), o relatório "Injustiça social …

'Love is in the Bin': a obra semidestruída de Banksy vendida a R$ 121 milhões em leilão

Uma obra de arte de Banksy que se autodestruiu parcialmente em um leilão anterior foi arrematada agora a um preço recorde de 16 milhões de libras (cerca de R$ 121 milhões). Love is in the Bin …

EUA tentam virar a página da era Trump e voltam ao Conselho de Direitos Humanos da ONU

Os Estados Unidos voltaram, nesta quinta-feira, ao Conselho de Direitos Humanos da ONU, órgão que o país havia deixado durante o mandato de Donald Trump. O retorno mostra a vontade de Washington de fazer …