Meteoro pode não ter sido o único causador da extinção dos dinossauros

Duas novas pesquisas, publicadas na mais recente edição da revista Science, colocam em dúvida se o enorme meteoro que atingiu a Terra há 66 milhões de anos foi o único responsável pela extinção dos dinossauros.

Ambas as pesquisas examinaram a possibilidade de que, além do meteoro, a erupção de enormes vulcões na região onde hoje fica a Índia contribuíram para a criação do cataclisma que extinguiu cerca de três quartos de todos os organismos vivos do planeta, inclusive a maioria dos dinossauros (mas não todos, porque as aves de hoje nada mais são do que a evolução de pequenos dinossauros voadores).

Apesar disso, a conclusão dos estudos são diferentes, não chegando à conclusão final de se foi o meteoro que causou as erupções vulcânicas ou se elas já tinham criado um primeiro cataclisma ambiental antes do impacto.

A morte vem do espaço

Como já é amplamente conhecido, há 66 milhões de anos (fim do período Cretáceo) um meteoro com comprimento entre 10 km e 80 km colidiu com a Terra na região onde hoje fica a península de Yucatán, no México.

Além de matar todos os seres vivos no local da queda, o impacto causou ainda enormes tsunamis, incêndios em escala global e uma nuvem de poeira que cobriu todo o planeta, fazendo com que a Terra ficasse durante anos sem a presença de luz solar na superfície — o que acabou por matar todas as plantas e, assim, também todos os dinossauros herbívoros e boa parte dos carnívoros pela escassez de comida.

Esse evento, que ficou conhecido como extinção K-Pg (pois marcou a divisão entre as fases geológicas do Cretáceo para o Paleógeno) teve a data identificada por precisão quando cientistas encontraram a cratera de Chicxulub, o que permitiu fazer um estudo geológico da região para determinar quando o impacto aconteceu.

O estudo também confirmou que aquele foi o local da queda do meteoro pela grande quantidade de Irídio presente no solo, um metal extremamente raro de ser encontrado no planeta, mas que é bastante comum em corpos celestiais.

A morte vem de dentro da Terra

Apesar de o impacto do meteoro ser a hipótese mais aceita como a causa da extinção dos dinossauros pela comunidade científica, os novos estudos publicados na revista Science mostram um cenário um pouco mais complicado do que apenas a queda de um meteoro.

O que já se sabia é que, em época bem próxima à queda do meteoro (considerando-se o ponto de vista geológico), uma série de erupções vulcânicas ocorreram na região centro-oeste do que é hoje a Índia.

Conhecida como os Derrames de Deccan, essas erupções cobriram de lava cerca de 1,5 milhão de km² e formaram rochas de até 2 km de espessura, espalhando uma nuvem de dióxido de carbono e enxofre por todo planeta, o que provocou chuvas ácidas, o escurecimento da atmosfera e o aumento da temperatura do planeta.

E, como esse evento ocorreu bem próximo à queda do meteoro, dois estudos diferentes — um chefiado por Courtney Sprain, da Universidade de Liverpool, e outro por Blair Schoene, da Universidade de Princeton — tentaram descobrir se os Derrames tiveram alguma influência ou não na hecatombe que matou os dinossauros.

Apesar de utilizar metodologias distintas, ambos os estudos usavam a mesma técnica: o estudo de certos tipos de átomos radioativos presentes nas rochas vulcânicas. Isso porque esses átomos, com o passar do tempo, vão perdendo suas partículas componentes e se transmutando em outros tipos de átomos em uma taxa (velocidade de transmutação) conhecida pelos cientistas.

E, como essa transmutação termina quando a lava se solidifica, é possível então datar com bastante precisão (margem de erro de apenas algumas dezenas de milhares de anos, o que é bem pouco quando tratamos de períodos geológicos) quanto tempo se passou desde que a rocha se formou.

O problema é que, apesar da precisão da técnica, nenhum dos átomos estudados pelas pesquisadoras permitia a obtenção de um resultado certeiro. Isso porque o átomo escolhido por Sprain não permitia uma “resolução” muito alta, enquanto o utilizado no experimento de Schoene faz parte de cristais que podem ter se formado anos antes ou mesmo anos depois da erupção de lava, o que também torna o resultado incerto.

Assim, ambos estudos que buscavam a mesma coisa chegaram a resultados completamente diferentes: enquanto o estudo de Sprain chegou à conclusão que, sim, os Derrames de Deccan tiveram influência e ajudaram o meteoro de Yucatán a matar praticamente todas as formas de vida da Terra, o estudo de Schoene chegou à conclusão de que os Derrames aconteceram muitos anos depois da colisão do meteoro, em um momento em que esses seres já estavam todos extintos.

Assim, ainda não se sabe exatamente quais foram todos os fatores que levaram extinção de quase todos os seres vivos da Terra há 66 milhões de anos, e ainda há muito que os cientistas precisam investigar.

Mas uma compreensão mais acertada do que exatamente ocorreu naquele período pode nos ajudar a entender não apenas os fatores que ocasionaram a ascensão dos mamíferos, como também entender melhor os efeitos que uma mudança climática repentina pode causar no planeta.

Ciberia // CanalTech / Science

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

CIA teria considerado assassinar Assange durante presidência de Trump, aponta relatório

Jornalistas, analistas políticos e organizações de imprensa ficaram chocados neste domingo (26) após lançamento de uma reportagem que acusa membros da administração do ex-presidente dos EUA, Donald Trump, de haver planejado assassinato do fundador do …

Cresce a desconfiança nas instituições no Brasil, segundo Datafolha

A confiança dos brasileiro nas instituições públicas sofreu uma queda generalizada desde julho de 2019, com a maior piora ocorrendo na avaliação da Presidência da República, segundo pesquisa Datafolha divulgada neste sábado (25/09). Também houve aumento …

Alemanha: social-democratas saem à frente nas eleições, mas disputa é acirrada

Os social-democratas alemães saíram na frente neste domingo (26) nas eleições parlamentares que marcam o fim da era Merkel, de acordo com as estimativas iniciais, mas os conservadores da chanceler alemã ainda pretendem disputar …

Revelada consequência grave da COVID-19 mais frequente do que se acreditava

Novo estudo revelou que os pacientes com COVID-19 que foram internados em unidades de terapia intensiva (UTI) têm mais possibilidade de desenvolver deficiências cognitivas contínuas. O estudo de quase 150 pacientes internados no início da pandemia …

Fundo de Bill Gates investe US$ 50 milhões em robôs agricultores que poupam água

A startup norte-americana Iron Ox recebeu um aporte de US$ 53 milhões (R$ 280,5 milhões) para melhorar sua tecnologia de robôs usados na agricultura e que consomem 90% menos água que plantações tradicionais. O dinheiro veio …

Bolsonaro pede à população que tome banho frio e evite elevador

O presidente Jair Bolsonaro pediu nesta quinta-feira (23/09) à população que tome banho frio e evite usar o elevador para economizar energia elétrica. "Aqui são três andares. Quando tem que descer, mesmo que o elevador esteja …

A incrível descoberta que indica presença humana nas Américas muito antes do que se pensava

Novas descobertas científicas apontam que humanos chegaram às Américas pelo menos 7 mil anos antes do que se estimava anteriormente. As pesquisas em torno do momento em que o continente americano passou a ser povoado a …

Mianmar: Justiça americana ordena quebra de sigilo do Facebook para investigar ameaças contra rohingyas

Um juiz americano ordenou ao Facebook que divulgue os arquivos de contas ligadas de membros do exército birmanês e de milícias budistas que perseguiram a minoria Rohingya em Mianmar. A decisão, que encontra resistência …

Eduardo Bolsonaro está com covid-19

O deputado federal Eduardo Bolsonaro, filho do presidente Jair Bolsonaro, está com covid-19. A informação foi divulgada nesta sexta-feira (24/09) por vários sites brasileiros de notícias. O próprio Eduardo teria confirmado seu diagnóstico ao portal …

Covid: o que alta em internação de idosos revela sobre efetividade da vacina e 3ª dose

As últimas estatísticas de casos, internações e mortes por covid-19 no Brasil trazem uma conclusão importante: as vacinas funcionam e protegem contra as formas graves da doença, mas algumas pessoas mais vulneráveis realmente precisam tomar …