Asteroide que matou os dinossauros causou extinção maciça dos megatubarões

(dr) Julius Csotonyi

Lythronax e T-Rex alimentam-se dos restos de um Squalicorax. Ilustração do paleoartista Julius Csotonyi

Os megatubarões foram extintos e se tornaram peixes comuns por causa de uma escassez extrema de alimentação, que era constituída por espécies menores das profundezas marinhas, conclui um estudo do cientista Nicolas Campione, da Universidade da Nova Inglaterra.

Há 66 milhões de anos, a Terra foi atingida, no Golfo do México, por um enorme asteroide, que eliminou dezenas de espécies de animais em todo o planeta, mudou o clima e todo o processo de evolução em geral.

Entretanto, os dinossauros, os insetos e as aves não foram os únicos a sofrer com a queda deste corpo celeste. Recentemente, os cientistas concluíram que o “asteroide-assassino” de dinossauros também foi causa da morte maciça de várias espécies de tubarões.

Durante toda a era de Cretáceo eram precisamente os tubarões que dominavam os oceanos. Já na terra, os “reis” eram os grandes dinossauros carnívoros e herbívoros.

Alguns destes tubarões se alimentavam com moluscos e grandes répteis. Infelizmente para os tubarões, o asteroide provocou a extinção maciça destes grandes répteis, como o gigantesco Mosasaurus, que podia atingir 17 metros de comprimento, deixando os “terrores dos mares” sem comida.

O cientista Nicolas Campione, da Universidade da Nova Inglaterra na Austrália, descobriu que os tubarões gigantescos foram extintos exatamente por causa da escassez de alimentação. A pesquisa foi publicada esta quinta-feira na revista Current Biology.

O esqueleto de tubarão consiste, principalmente, de cartilagens, o que dificulta os estudos dos tubarões pré-históricos. Mas isso se resolve através da observação dos dentes.

Fóssil de dente de Squalicorax, um gigantesco tubarão do Cretácico que podia chegar aos 5m

O cientista comparou os maxilares de tubarões pré-asteroide e dos tubarões pós-asteroide, mostrando que o número e forma dos dentes verdadeiramente mudou – uma evidência de que as espécies pré-asteroide foram extintas massivamente, sendo substituídas por novas espécies.

Segundo Nicolas Campione, apesar de serem maiores que os megatubarões como o Squalicorax, e provavelmente seus predadores, os Mosasaurus faziam parte da dieta dos primeiros. Os Squalicorax se alimentavam não só dos corpos dos gigantescos répteis mortos, como também de suas crias, explica o cientista.

Após a queda do asteroide, uma parte dos répteis marinhos foi substituída por grandes mamíferos, enquanto outra parte tinha demasiados ossos para servir de alimentação aos tubarões. Deste modo, na época morreram 34% das espécies de carnívoros marinhos.

Parte destas espécies não sobreviveu até aos nossos dias porque durante a evolução se tornaram em peixes comuns. Mas uma boa parte delas, como é o caso dos megatubarões, simplesmente desapareceu porque, concluiu Nicolas Campione, a evolução não é compatível com uma alteração de dieta tão rápida e… radical.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

"Peças extraordinárias" achadas na Indonésia podem ser da lendária "ilha do Ouro"

Tesouros no valor de milhões de dólares encontrados nos últimos cinco anos ao longo do rio Musi podem ser do antigo império malaio Serivijaia, na ilha de Sumatra, que por 300 anos dominou as rotas …

Pandemia de Covid-19 vai acabar "quando o mundo decidir acabar com ela", diz diretor da OMS

A pandemia de Covid-19 vai acabar "quando o mundo decidir acabar com ela", disse neste domingo (24) o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Ghebreyesus. O representante da ONU discursou na abertura …

Google está “criando Deus”, alerta ex executivo da Google

Segundo um ex-executivo do Google, a singularidade está chegando. E, segundo ele isso representa uma grande ameaça para a humanidade. Mo Gawdat, ex-diretor de negócios da organização moonshot do Google, que na época se chamava Google …

Pandemia causa a maior redução na expectativa de vida desde a Segunda Guerra

Desde a descoberta do coronavírus SARS-CoV-2, mais de 4,9 milhões de pessoas morreram oficialmente em consequência da infecção, segundo levantamento da Universidade Johns Hopkins. Nesse cenário, a pandemia da covid-19 reduziu a expectativa de vida …

Forças Armadas da Noruega assinam contrato bilionário de mísseis para caças F-35

Noruega tem sido um parceiro ativo no programa de caças dos EUA F-35, tendo em conta que 18 empresas deste país nórdico são parceiros diretos. Subsequentemente, a Noruega decidiu adquirir 52 caças F-35 para substituir …

Brasil fez lobby para mudar relatório climático, diz Greenpeace

Vários países, entre eles o Brasil, tentaram fazer mudanças em um crucial relatório da ONU sobre como combater o aquecimento global, afirmou o Greenpeace nesta quinta-feira (21/10), citando um grande vazamento de documentos. Os documentos aos …

Site da Coreia do Sul é usado para hospedar vírus e distribuí-lo via torrents

Uma campanha de distribuição de malwares na Coreia do Sul está disfarçando cavalos de troia de acesso remoto como um jogo para o público adulto, compartilhado via serviço de hospedagem de arquivos, como o WebHard, …

América Latina pode levar ‘muitos anos’ para superar impacto da pandemia, alerta FMI

Os efeitos negativos da pandemia de Covid-19 em termos de produtividade, emprego e capital humano na América Latina e Caribe podem "demorar muitos anos para serem revertidos". O alerta foi feito nesta quinta-feira (21) pelo …

Dinossauro “garça do inferno com cara de crocodilo” é descoberto

Dois dinossauros carnívoros de dentes pontiagudos com crânios de crocodilo apareceram uma vez nas margens do rio na Ilha de Wight, na Inglaterra, revelam novos fósseis. Os cientistas deram às criaturas nomes científicos que se traduzem …

As 9 acusações contra Bolsonaro no relatório da CPI - e a manobra governista para tentar blindá-lo

Após o relatório da CPI da Covid no Senado acusar o presidente Jair Bolsonaro de nove crimes durante a pandemia, um senador da bancada governista tentou uma manobra para "blindar" o chefe do Executivo e …