Mítica criatura marinha encontrada viva quando já se pensava que não existia

MBARI

Larváceo gigante Bathochordaeus charon rodeado pela sua "casa de muco" com que apanha a comida

Larváceo gigante Bathochordaeus charon rodeado pela sua “casa de muco” com que apanha a comida

Mais de um século depois de ter sido identificado pela primeira vez, uma equipe de cientistas conseguiu finalmente apanhar um larváceo gigante da mítica espécie Bathochordaeus charon.

Esta criatura marinha invertebrada e translúcida foi detectada pela primeira vez, em 1899, pelo professor Carl Chun, pesquisador da Universidade de Leipzig, na Alemanha, durante uma expedição pelo Oceano Atlântico, conta o Live Science.

Em 1936, o biólogo britânico Walter Garstang recolheu uma série de larváceos gigantes que foram classificados como uma nova espécie – Bathochordaeus stygius.

Mas, como nunca mais houve quem tivesse avistado um espécimen com as características descritas por Chun, já se começava a duvidar que o B. charon existisse mesmo.

Porém, graças a um veículo operado remotamente pela equipe do cientista Rob Sherlock, do MBARI – Instituto de Pesquisa do Aquário da Baía de Monterey, foi agora possível finalmente obter um exemplar vivo desta espécie de larváceos gigantes.

A descoberta aconteceu na costa de Monterey, na Califórnia.

“Como o veículo foi recuperado algumas dezenas de minutos depois, o animal estava vivo, em estado fantástico, e o preservamos logo”, explica Rob Sherlock.

“Não fazíamos ideia, até termos olhado com mais atenção para o espécimen, que tínhamos encontrado de fato o B. charon, a espécie inicialmente descrita há mais de 100 anos”, diz ainda o cientista.

Girinos “gigantes” psicadélicos

MBARI

Bathochordaeus charon sem a sua "casa de muco"

Bathochordaeus charon sem a sua “casa de muco”

Este é um animal que parece um girino, com uma cabeça redonda num extremo e uma cauda longa no outro, e que utiliza uma “casa de muco”, semelhante a um pára-quedas, que pode atingir um metro de comprimento, para caçar sua comida.

A maioria dos larváceos conhecidos são criaturas minúsculas, com menos de um centímetro de comprimento, enquanto que estas versões “gigantescas” podem atingir quase 10 centímetros e são muito menos comuns.

Os larváceos constroem estas “casas de muco” para servirem de filtro para a comida, sacudindo a cauda e criando uma corrente que mantém a pegajosa rede aberta, atraindo até ela as iguarias do oceano.

Só as partículas mais pequenas passam através da rede para um tubo de alimentação que segue para a boca dos larváceos.

“Se uma lula ou um peixe a passar atravessam pela casa, ou grandes partículas ficam presas no tubo de alimentação, os larváceos simplesmente continuam e constroem outra casa”, explica Rob Sherlock ao Live Science.

A descoberta deste exemplar único do Bathochordaeus charon foi descrita num artigo publicado na Marine Biodiversity Records, no qual os autores realçam a sua raridade – especialmente face aos seus parentes próximos, o Bathochordaeus stygius, que são mais comuns.

SV, ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Reino Unido aprova vacina da Pfizer para uso já na semana que vem

O governo do Reino Unido anunciou nesta quarta-feira (02/11) a aprovação da vacina para covid-19 produzida em parceria pela Pfizer e pela Biontech e adiantou que ela estará disponível já na próxima semana. O governo comunicou …

Com 14 prêmios no Oscar do turismo, Portugal tenta se reinventar na pandemia de COVID-19

Portugal conquistou 14 prêmios no World Travel Awards 2020, considerado o Oscar do turismo mundial, na noite de sexta-feira (27). Lisboa, Madeira e Algarve foram os destaques como melhores destinos do mundo na premiação, feita …

Um traumatizado veterano SEAL da Marinha dos EUA disse que uma viagem "mágica" de cogumelo pôs fim à sua depressão

Antes de sua primeira viagem guiada de cogumelos “mágicos”, Chad Kuske era prisioneiro de sua própria raiva no trânsito. Se um carro parasse na frente dele, ele ficava consumido pela raiva, ultrapassando todos os veículos em …

Esta espécie rara de uva é maior que um ovo de galinha

Não, as fotos de uvas gigantes (do tamanho de ovos de galinha) não são falsas. Se você passa um tempo considerável na internet, deve ter visto imagens dessas frutas atípicas por aqui. Para a surpresa …

Reino Unido anuncia novas restrições após fim do lockdown para tentar conter segunda onda de covid-19

O Reino Unido sai na próxima semana de um novo lockdown, mas, diante do aumento de casos de covid-19 no país, não entra em um período de flexibilização das medidas de distanciamento social. Nesta quinta-feira (26/11), …

Neandertais podem ter usado as mãos de maneira diferente à dos humanos modernos

Os neandertais podem ter feito um uso diferente das mãos em comparação à forma como os humanos modernos as usam, para eles seria difícil repetir muitos gestos normais para nós hoje em dia. Os dedos do …

Catarro? Som da tosse? Conheça métodos alternativos para detectar a covid-19

Desde o início da pandemia, a realização de testes para detectar a covid-19 fez-se extremamente necessária. No entanto, com o passar dos meses, instituições e empresas privadas ao redor do mundo deram início ao desenvolvimento …

Ativistas preparam protesto global contra a Amazon

Um grupo internacional de ativistas climáticos, aliados a trabalhadores de armazéns da Amazon, lançou uma campanha online global, cujo objetivo é pressionar a gigante do e-commerce a oferecer melhores condições de trabalho para seus funcionários …

Pesquisadores descobrem em cometa elemento essencial para vida na Terra

A descoberta indica que os elementos imprescindíveis para o surgimento da vida podem ter chegado à Terra por meio de cometas. Pesquisadores identificaram fósforo e flúor em partículas de poeira sólida coletadas no interior do cometa …

Consumo de plásticos explode na pandemia e Brasil recicla menos de 2% do material

Com o avanço do delivery de alimentos e do comércio eletrônico, além do maior uso de material hospitalar descartável como máscaras e luvas, o consumo de plásticos explodiu durante a pandemia do coronavírus. O aumento do …