Esse modelo matemático está decifrando os segredos da visão humana

Pesquisadores da Universidade de Nova York (EUA) estão criando um modelo matemático que une anos de experimentos biológicos e explica como o cérebro produz nossa visão elaborada do mundo com base em pouquíssimas informações visuais.

A visão humana é uma coisa engraçada (pelo menos para a ciência). O cérebro recebe informações escassas do mundo real, e mesmo assim monta uma imagem vívida dele. Como?!

“Muitas das coisas que você pensa que vê, está realmente inventando”, disse Lai-Sang Young, matemático da Universidade de Nova York, ao Quanta Magazine. “Você realmente não os vê”.

O cérebro preenche as informações mesmo sem ter os dados visuais, mas é muito bom nisso, uma vez que (a maioria das) pessoas não saem por aí trombando em portas.

A resposta para tanta eficiência pode estar… na matemática.

O modelo

Young e seus colegas construíram seu modelo matemático incorporando um elemento básico da visão de cada vez.

Por exemplo, primeiro eles explicaram como os neurônios do córtex visual interagem para detectar as bordas dos objetos e as mudanças em contraste, e agora estão trabalhando para explicar como o cérebro percebe a direção em que os objetos estão se movendo.

Modelos anteriores da visão fizeram muitas suposições, e o novo estudo está operando de maneira diferente – tentando explicar como a visão é possível utilizando a anatomia do cérebro como a conhecem.

“Eu acho que o modelo deles é uma melhoria, pois é realmente baseado na anatomia do cérebro real. Eles querem um modelo biologicamente correto ou plausível”, comentou Alessandra Angelucci, neurocientista da Universidade de Utah (EUA), ao Quanta.
Parece fácil, mas é extremamente difícil

“Você pode pensar no cérebro como tirando uma foto do que você vê no seu campo visual”, explica Young. “Mas o cérebro não tira uma foto, a retina tira, e as informações transmitidas da retina para o córtex visual são escassas”.

Acho que você sabe que o olho humano atua como uma lente. Ele recebe luz do mundo exterior e projeta uma réplica do nosso campo visual na retina, que fica na parte de trás do olho. A retina, por sua vez, é conectada ao córtex visual.

O problema é que há muito pouca conectividade entre a retina e o córtex visual. Existem apenas cerca de 10 células nervosas conectando a retina ao córtex visual. Essas células compõem o núcleo geniculado lateral (NGL), única via pela qual a informação visual viaja do mundo exterior para o cérebro.

O NGL apenas envia alguns pulsos ao córtex quando detecta uma mudança do escuro para o claro, ou vice-versa, em sua pequena seção do campo visual. Ver o mundo com tão pouca informação é como tentar reconstruir um clássico de 500 páginas a partir de algumas anotações em um guardanapo.

Os pesquisadores descobriram, no entanto, que enquanto o córtex e a retina estão conectados por relativamente poucos neurônios, o próprio córtex é denso em células nervosas. Para cada 10 neurônios do NGL que viajam da retina, existem 4.000 neurônios apenas na “camada de entrada” do córtex visual, além de muitas outras nas camadas seguintes. Isso indica que o cérebro processa como um maluco os poucos dados visuais que recebe. E como decifrar toda essa ação frenética? Bom…

Um problema de cada vez

É por isso que a equipe de Young está lidando com um problema de cada vez. Em um artigo de 2016, os cientistas demonstraram como o loop de feedback do córtex visual era capaz de reproduzir a orientação das bordas dos objetos – da vertical à horizontal e tudo mais – com base em apenas pequenos pulsos de informações do NGL.

A visão é muito mais do que a detecção de bordas, no entanto, e esse foi somente o começo do modelo. O próximo desafio foi incorporar elementos adicionais da visão à mesma amostra sem perder o primeiro elemento descoberto.

“Se um modelo está fazendo algo certo, o mesmo modelo deve ser capaz de fazer coisas diferentes junto”, disse Young. “Seu cérebro ainda é o mesmo cérebro, mas você pode fazer coisas diferentes se eu lhe mostrar circunstâncias diferentes”.

Um segundo artigo de 2018 explicou como o mesmo modelo podia reproduzir padrões de atividade no córtex conhecidos como “ritmo gama”. E um terceiro artigo, aguardando publicação, explica o mecanismo pelo qual o córtex percebe mudanças de contraste.

No momento, os cientistas estão tentando explicar como o córtex reconstrói a direção dos objetos no nosso campo visual, e depois vão tentar entender como ele reconhece padrões temporais de estímulo visual (como um semáforo piscando).

Um passo de… muitos

Os cientistas parecem estar em um bom caminho, mas… falta coisa para caramba ainda! Ao terminar o modelo com as informações mencionadas acima, os pesquisadores terão explicado apenas UMA das SEIS camadas de informação do córtex visual.

Nas outras cinco, vários processos mais sofisticados ocorrem, isso sem contar a forma como o cérebro reconhece cores, um processo separado em si.

Embora o modelo ainda esteja longe de completo, é de ser aplaudido em pé: é certamente o primeiro a tentar decifrar a visão de uma maneira biologicamente plausível.

“As pessoas desistiram nesse ponto por um longo tempo”, disse Jonathan Victor, neurocientista da Universidade de Cornell (EUA). “Mostrar que você pode fazer isso em um modelo que se encaixa na biologia é um verdadeiro triunfo”.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Após ser engolido, besouro consegue escapar do intestino dos sapos

Uma pesquisa mostrou que o besouro aquático Regimbartia attenuata tem a capacidade de sobreviver ser engolido por um sapo. Todos já ingerimos coisas que parecem querer sair correndo de dentro de nós, mas deve ser muito …

Disney+ chegará à América Latina em novembro

Ao divulgar que ultrapassou a marca de 60 milhões de assinantes, a Disney também reforçou uma informação que traz esperança a muita gente: o Disney+ deve mesmo chegar à América Latina em novembro. A informação foi …

China exorta Trump a não abrir 'caixa de Pandora' com aquisição do TikTok

China apela aos EUA que não abram a caixa de Pandora, exigindo vender a companhia TikTok, eles serão os próprios culpados pelas consequências, declarou o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores chinês, Wang Wenbin. O presidente …

Twitter bloqueia conta oficial de campanha de Trump

O Twitter anunciou nesta quarta-feira (5) ter bloqueado temporariamente a conta oficial da campanha de reeleição do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, por conta de um tuíte que continha informação equivocada sobre a …

Líbano inicia luto nacional e recebe ajuda internacional

Diversos países enviam suprimentos médicos a Beirute. Presidente da França chega ao Líbano para avaliar situação. Megaexplosão deixou ao menos 137 mortos, incluindo diplomata alemão, e mais de 5 mil feridos. Beirute amanheceu nesta quinta-feira (06/08) …

StarShip finalmente levanta voo: a nave que um dia levará cem humanos para Marte e Lua

A SpaceX fez um lançamento de teste com sucesso do seu gigantesco protótipo do StarShip SN5 em Boca Chica, Texas (EUA), a uma altura planejada de 150 metros. A massiva torre de aço inoxidável flutuou no …

EUA conduzem lançamento de teste do míssil balístico Minuteman III

O projétil não tinha ogiva de combate, mas era equipado com três veículos recuperáveis que foram submetidos a testes. Militares dos EUA lançaram na manhã desta terça-feira (4) um míssil balístico Minuteman III a partir da …

Beirute soma mais de 100 mortos e 4000 feridos após explosões

O Líbano vive nesta quarta-feira (5) um dia de luto nacional, após as explosões na região portuária de Beirute, na tarde de ontem. A tragédia soma pelo menos 100 mortos, 4.000 feridos e 300.000 …

Mensagem na areia salva marinheiros desaparecidos no Oceano Pacífico

Trio de marinheiros que havia se desviado de rota e ficado sem combustível foi localizado numa pequena ilha da Micronésia após três dias. Aeronaves avistaram sinal gigante de SOS escrito na areia da praia. Três homens …

Problemas cardíacos duradouros se apresentam em 78% dos pacientes de coronavírus

O entusiastas do retorno da economia para a normalidade defendem suas opiniões geralmente com base no fato da maioria dos pacientes exibirem sintomas leves ou sequer ter qualquer sintoma de coronavírus, comparando negligentemente o Covid-19 …