Moraes manda governo voltar a divulgar dados totais da covid-19

Marcelo Camargo / Agência Brasil

Alexandre de Moraes

Ministro avalia “grave risco de interrupção abrupta da coleta e divulgação” das informações e considera que quadro atual da doença exige transparência. Decisão atende a pedido de Psol, PCdoB e Rede Sustentabilidade.

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou que o governo de Jair Bolsonaro retome a divulgação dos dados acumulados sobre a epidemia de covid-19 no Brasil, no formato que vinha sendo adotado até o início de junho.

Moraes tomou a decisão nesta segunda-feira (08/06) com base em uma ação apresentada pelos partidos de oposição Psol, PCdoB e Rede Sustentabilidade, que pedia a divulgação completa das informações sobre a doença no país.

O ministro considerou haver “grave risco de interrupção abrupta da coleta e divulgação” desses dados e determinou ao Ministério da Saúde que “mantenha, em sua integralidade, a divulgação diária dos dados epidemiológicos relativos à pandemia, inclusive no sítio do Ministério da Saúde e com os números acumulados de ocorrências, exatamente conforme realizado até o último dia 4 de junho”.

Assim, a decisão vai de encontro ao anúncio feito pelo Ministério da Saúde mais cedo nesta segunda-feira de que mudará mais uma vez a forma como vinha apresentando os dados desde o início da pandemia.

A pasta informou que manterá disponíveis os números acumulados de mortes e casos, mas dará destaque às contagens diárias. Disse também que passará a divulgar os dados com base na data de óbito da vítima, e não na data de notificação, como vinha ocorrendo desde o surgimento da doença no país e como é feito por quase todos os países.

Em sua decisão, Moraes determinou que, “em virtude de urgência”, a Advocacia Geral da União (AGU) preste as informações para a retomada da divulgação dos dados dentro de dois dias. “Intime-se o advogado-geral da União, a União para o cumprimento da decisão e para prestar as informações que entender necessárias em 48 horas.”

Na última sexta-feira, o governo federal parou de publicar os dados consolidados da epidemia, como o total de mortes e casos de covid-19 no país. O Painel Coronavírus do Ministério da Saúde chegou a ser retirado do ar. Posteriormente, voltou mutilado, sem os números totais e desprovido de quase todas as suas ferramentas, como gráficos e tabelas.

Foi a culminação de semanas de redução de transparência, que se intensificou depois da saída de Luiz Henrique Mandetta do Ministério da Saúde e o aumento da influência militar na pasta.

O governo também passou a atrasar propositalmente a divulgação de dados e dar ênfase a aspectos “positivos” da pandemia. Além de diminuir a transparência, as atitudes do governo levantaram o temor de falsificação dos dados.

Moraes ordenou que sejam adotadas “medidas de efetividade internacionalmente reconhecidas, dentre elas, a colheita, análise, armazenamento e divulgação de relevantes dados epidemiológicos necessários, tanto ao planejamento do poder público para tomada de decisões e encaminhamento de políticas públicas, quanto do pleno acesso da população para efetivo conhecimento da situação vivenciada no país”.

“A Constituição da República Federativa do Brasil, de 5 de outubro de 1988, consagrou expressamente o princípio da publicidade como um dos vetores imprescindíveis à administração pública, conferindo-lhe absoluta prioridade na gestão administrativa e garantindo pleno acesso às informações a toda a sociedade”, prosseguiu.

Moraes avaliou ainda que o quadro atual da doença no país exige que as autoridades tomem todas as medidas possíveis de apoio e manutenção de atividades do Sistema Único de Saúde (SUS).

“A gravidade da emergência causada pela pandemia de covid-19 exige das autoridades brasileiras, em todos os níveis de governo, a efetivação concreta da proteção à saúde pública, com a adoção de todas as medidas possíveis para o apoio e manutenção das atividades do SUS”, escreveu o ministro.

Alternativas para acessar dados do coronavírus

A decisão do Ministério da Saúde de reduzir drasticamente a transparência dos dados sobre a covid-19 no país levou ao surgimento de novos meios de monitoramento para tentar suprir a lacuna deixada pelo governo.

Os jornais O Estado de S. Paulo, Folha de S. Paulo e O Globo e os portais G1 e UOL anunciaram uma colaboração para coletar dados sobre a epidemia nos 26 estados e no Distrito Federal. Equipes desses veículos vão dividir tarefas, compartilhar dados e elaborar um balanço diário que será fechado às 20h.

O Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass), que reúne os titulares das 27 secretarias de Saúde da federação, lançou no fim de semana o portal Painel Conass, que é atualizado todos os dias às 18h30 (horário de Brasília) – ou seja, bem antes do horário do governo federal, que empurrou na semana passada a divulgação de seu boletim diário para as 22h.

O site disponibiliza dados da doença por estado e o total do país, mais ou menos como o antigo portal do Ministério da Saúde fazia até a última sexta-feira. Os dados são coletados com as secretarias estaduais de Saúde.

Há ainda outras iniciativas que possibilitam acessar os números da doença no país, como os portais Dados Transparentes, Brasil.io e Lagom Data, além de uma extensão no Google Chrome chamada Transparência Covid-19, capaz de restabelecer parte dos dados que passaram a ser ocultados pelo governo.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Joe Biden empossado 46.º Presidente dos EUA

Joe Biden tomou posse, esta quarta-feira, como Presidente dos Estados Unidos, e Kamala Harris foi empossada a primeira vice-presidente norte-americana. No seu discurso, Biden disse que "este é o dia da América, da democracia …

Covid-19: Brasil deve enfrentar pior fase da pandemia nas próximas semanas

Nos últimos dias, a pandemia no Brasil foi marcada por imagens de dor e de esperança. De um lado, a falta de oxigênio em Manaus mostrou a tragédia causada pela falta de coordenação contra a …

Após meses, Jack Ma reaparece publicamente via vídeo em evento no interior da China

Sem aparecer publicamente desde o fim de outubro de 2020, Jack Ma faz sua primeira aparição em evento de bem-estar social para professores em área rural da China. O bilionário cofundador do grupo Alibaba, gigante do …

Donald Trump perdoa Steve Bannon e outros aliados

Nas suas últimas horas no cargo, o presidente dos EUA concede perdão a vários aliados e também políticos condenados por corrupção. Entre os perdoados está seu ex-estrategista-chefe. O presidente dos EUA, Donald Trump, usou suas últimas …

Máscara com nariz de fora rende eliminação de exame e prisão de candidato

Um homem de 49 anos foi preso no Japão após se recusar a utilizar corretamente uma máscara facial durante um exame de admissão para faculdade. Ele foi desqualificado da prova e acabou tomando as notícias …

Esconderijo moedas de ouro medievais são descobertas em uma fazenda na Hungria

No século XVI, um ataque do Império Otomano pode ter levado húngaros em pânico a enterrar um estoque de valiosas moedas de prata e ouro. Agora, arqueólogos descobriram este tesouro enterrado em uma fazenda moderna …

Vacina covid-19. As respostas para as 10 perguntas mais procuradas sobre vacinação nas últimas 24 horas

A aprovação da CoronaVac (Sinovac/Instituto Butantan) e da CoviShield (FioCruz/Universidade de Oxford/AstraZeneca) representou um enorme avanço para conter a pandemia de covid-19, que já vitimou quase 210 mil brasileiros. Essas duas vacinas são as primeiras …

Satélites Starlink agora são invisíveis a olho nu, mas não para telescópios

Quando a SpaceX lançou as primeiras 60 unidades da rede Starlink em maio de 2019, a comunidade científica expressou preocupações, prevendo que as observações astronômicas seriam afetadas pelo brilho das unidades que compõe a constelação …

Sites de Apostas Legalizados no Brasil: fique atento

Com o crescimento dos sites de apostas esportivas, é preciso ficar atento a quais deles atuam de maneira legal no mercado e quais estão trabalhando ilegalmente. Infelizmente, os novatos no mundo das apostas podem acabar tendo …

Europa e EUA exigem que Rússia liberte Alexei Navalny

Detenção do ativista russo gera onda de condenações no Ocidente, sendo classificada como tentativa inaceitável de silenciar o crítico de Putin que foi alvo de envenenamento. Juiz determina prisão preventiva por 30 dias. A União Europeia, …