OMS diz que não há provas de que ibuprofeno piora a covid-19

Dois dias depois de desaconselhar uso de anti-inflamatórios como ibuprofeno no tratamento da doença causada pelo novo coronavírus, órgão diz que não há evidências de efeitos negativos.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) voltou atrás nesta quinta-feira (19/03) em sua recomendação de não usar medicamentos à base de ibuprofeno para o tratamento de pacientes com covid-19, a doença causada pelo coronavírus Sars-Cov-2.

Em nota divulgada em redes sociais como Twitter e Facebook, a agência de saúde das Nações Unidas escreveu que, “com base em informações disponíveis atualmente, a OMS não recomenda contra o uso de ibuprofeno. A OMS tem consciência das preocupações relativas ao uso do ibuprofeno para o tratamento de febre em pessoas com covid-19. Estamos consultando os médicos que tratam os pacientes e não temos ciência de relatos de quaisquer efeitos negativos, além dos comuns que limitam o uso (do medicamento) em certos grupos”, diz o comunicado.

Na última terça-feira, a OMS havia recomendado não usar ibuprofeno para tratar a covid-19. Em caso de uma infecção pelo coronavírus, os pacientes não deveriam tomar o remédio sem aconselhamento médico. A OMS recomendou que se usasse paracetamol.

A confusão sobre o ibuprofeno surgiu após um tuite do ministério da Saúde da França alertando para os riscos do princípio ativo. O alerta foi baseado numa pesquisa publicada na revista científica The Lancet na semana passada. Os autores do estudo, que investiga se pacientes hipertensos e com diabetes correm maior risco de contrair infecções pelo coronavírus, suspeitam que o ibuprofeno – um anti-inflamatório da classe dos não esteroides – pode aumentar a presença de uma molécula conhecida como ECA2 (similar à chamada enzima conversora de angiotensina, ou ECA) nas células.

É como se ECA e ECA2 fossem “parceiras” ou peças que se encaixam, como num quebra-cabeça. A enzima ECA se conecta à molécula ECA2, que é um receptor presente na superfície de células no pulmão, no intestino, nos rins e em vasos sanguíneos.

O problema é que a ECA contribui para elevar a pressão no sangue. E muitas pessoas hipertensas, diabéticas ou com doenças cardiovasculares – consideradas parte do grupo de risco de contrair o coronavírus – usam os chamados inibidores de ECA para controlar a pressão sanguínea.

Os inibidores bloqueiam a ECA, cujos “encaixes” são as enzimas ECA2. Assim, as moléculas ECA2, ou “portas” das células, ficam abertas, sem ECA para se encaixar.

Os vírus do tipo Sars, como o novo coronavírus, acabam se aproveitando dessas “portas abertas” para invadir as células, suspeitam os autores. Em outras palavras, os vírus usam a enzima ECA2 para penetrar nas células e iniciar sua replicação.

Outra suspeita é de que, quando as enzimas ECA são fechadas por medicamentos inibidores de pressão alta, as células até aumentem o número de “encaixes” ECA2 – o que daria aos vírus até mais oportunidades de invasão, ou seja, mais “portas” para entrar nas células. “A hipertensão também é tratada com inibidores de ECA, o que resulta num maior número de ECA2” no organismo, diz o estudo.

Ou seja: no caso de uma infecção viral, tenta-se reduzir a inflamação por uma diminuição desses receptores ECA2, usando remédios anti-inflamatórios. Com isso, os autores especulam que as células perdem sua função natural de proteção – os anti-inflamatórios não esteroides favoreceriam, portanto, um agravamento da doença pulmonar covid-19.

Os pesquisadores desconfiam que medicamentos contra a diabetes, como tiazolidinediona, além de cortisona, tenham efeito parecido no agravamento da infecção por coronavírus.

Os autores fizeram questão de formular o texto como uma hipótese. “(…) levantamos a hipótese de que o tratamento de diabetes e hipertensão por medicamentos que estimulam a ECA2 aumenta o risco de desenvolver covid-19 grave e fatal”, escreveram.

Especialistas favoráveis à hipótese acreditam que esse seja o motivo pelo qual a taxa de mortalidade pelo coronavírus seja tão alta na Itália, já que muitas pessoas no país usam inibidores de ECA. Mas não há dados confiáveis para corroborar a afirmação.

Também nesta quinta, a Agência Médica Europeia (EMA, na sigla em inglês), órgão de saúde da União Europeia, disse que não havia evidências atuais de que anti-inflamatórios como o ibuprofeno estejam relacionados à piora da doença covid-19. A agência disse estar monitorando a situação e pediu que pacientes considerem várias opções de tratamento, incluindo paracetamol e remédios anti-inflamatórios.

// DW

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Epidemia do coronavírus ainda não chegou ao pico e se agrava na França, diz ministro

O pico da epidemia do novo coronavírus ainda não foi atingido na França, disse nesta terça-feira (7) o ministro da Saúde, Olivier Véran. Devido ao número significativo de pacientes que ainda são hospitalizados diariamente …

Superlua Rosa: satélite atinge proximidade máxima com a Terra

Na próxima terça-feira (7), os entusiastas da astronomia vão poder testemunhar um conhecido e belo fenômeno dos céus que acontece anualmente. A Superlua Rosa é o momento em que o satélite atinge proximidade máxima com a …

Empresas brasileiras lançam manifesto contra demissões

Dezenas de empresas assinam texto pedindo que companhias se comprometam a não demitir nos próximos dois meses, mesmo diante dos impactos econômicos provocados pelas medidas de isolamento para conter o coronavírus. Um grupo de 41 empresas …

Bill Gates vai financiar sete pesquisas de vacina contra COVID-19

Bill Gates, o fundador, ex-CEO e atual filantropo, anunciou durante entrevista no talk show norte-americano Daily Show With Trevor Noah que, por meio de sua própria fundação, estará financiando sete pesquisas clínicas que buscam descobrir …

Bolsonaro é denunciado no TPI por “crime contra a humanidade”

A Associação Brasileira de Juristas pela Democracia (ABJD) denunciou o presidente Jair Bolsonaro por crime contra a humanidade no Tribunal Penal Internacional.  A denúncia foi protocolada nesta quinta-feira (2) na corte de Haia. Segundo …

O primeiro ‘autor’ do mundo era uma mulher

Enheduanna viveu no século 23 antes da nossa era na Mesopotâmia. Princesa, sacerdotisa e poeta, ela pode se orgulhar de ter sido a primeira autora do mundo a ter seu nome conhecido em uma época …

Maduro envia carta ao povo dos EUA pedindo "cessação das sanções"

Nicolás Maduro enviou uma carta ao povo dos Estados Unidos expressando uma mensagem de solidariedade e paz, e pedindo fim das ameaças militares e das sanções contra Venezuela. No documento, o chefe de Estado venezuelano exprime …

Governo dos EUA alerta população para novo "11 de Setembro" devido à covid-19

Chefe da Saúde Pública do país prevê que próxima semana será "a mais difícil e mais triste da vida da maioria dos americanos". Ele compara repercussão a dois dos maiores traumas da história dos Estados …

Quarentena em todo o mundo deixou a crosta terrestre mais "silenciosa"

As medidas de isolamento social adotadas para conter o novo coronavírus (SARS-CoV-2) estão deixando a Terra mais silenciosa - ao menos para os “ouvidos” sensíveis dos sismógrafos. É que as atividades humanas, tais como a circulação …

IA sincronizada com música cria rostos falsos, o resultado pode se aterrorizante

As pessoas ainda aprendem a melhor forma de empregar as redes neurais artificiais, aprendizado de máquina e avanços em inteligência artificial. Entre as pesquisas práticas há a busca por empregar essas técnicas de forma a …