Princesas árabes são processadas por escravidão moderna na Bélgica

Oito princesas árabes dos Emirados Árabes Unidos foram acusadas de ter trazido pelo menos 20 empregados para a Bélgica sem visto de trabalho e por manterem os últimos em condições desumanas – com pouca comida e sem camas. O caso pode levar a consequências significativas na luta contra a escravidão moderna.

A xeique al-Nahyan e suas sete filhas, dos Emirados Árabes Unidos, eram visitantes frequentes da Bélgica, escolhendo sempre acomodações de luxo no centro de Bruxelas, enquanto suas criadas, pelo menos 20, que traziam consigo, passavam o dia à espera das vontades de suas chefes.

No entanto, em 2008, a vida delas mudou de modo radical após a fuga de uma de suas criadas, que buscou ajuda da polícia. A criada afirmou que ela e as outras criadas eram forçadas a trabalhar horas sem descanso, às vezes sem comida suficiente e sem camas para dormir, tendo sido seus vistos confiscados pelas donas.

A polícia belga iniciou a investigação e descobriu que as mulheres estavam vivendo em “condições desumanas”. No entanto, passada quase uma década, a xeique al-Nahyan e suas filhas ainda não foram condenadas por crime algum.

Todas elas serão processadas em breve, mas seus advogados continuam afirmando que processos contra elas são injustos e ilegais. A xeique faz parte da família que comanda Abu Dhabi e que possui influência internacional.

Vale destacar que o xeique Mansour bin Zayed al-Nahyan é proprietário do clube de futebol inglês Manchester City.

O advogado da família real repetiu muitas vezes que a polícia belga violou os direitos das princesas ao efetuar buscas em seus quartos no hotel. Entretanto, o sistema de justiça belga está avançando com o caso. As mulheres são acusadas de tráfico de pessoas e de violação da regulamentação trabalhista da Bélgica.

Se as princesas al-Nahyan forem condenadas, o caso poderia se tornar um precedente significativo contra a escravidão moderna.

Ativistas de direitos humanos acusam alguns Estados do Golfo Pérsico de apoiar a escravidão moderna através do sistema de criados Kafala, que funciona nos EAU, na Arábia Saudita e em Bahrein.

O sistema permite aos empregadores que se tornem guardiões legais de criados e que possam batê-los. Os criados também têm que receber permissão dos donos antes de buscar um novo empregador.

Porém, alguns grupos de direitos humanos europeus receiam que o caso já tenha sido adiado por muito tempo e que a Kalafa continue sendo permitido.

Em entrevista ao jornal alemão Deutsche Welle, a porta-voz da organização de direitos humanos da Bélgica, Patricia LeCocq, disse que “se a Corte decidir que há provas suficientes para continuar com o caso de tráfico de pessoas, os acusados podem ter que pagar indenização aos seus empregados e até ser presos“.

“Mas o problema é que este caso já tem vários anos de idade. Mesmo que as princesas sejam condenadas, a pena pode ser muito branda“, comentou.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

George W. Bush: o suposto plano para matar ex-presidente dos EUA desbaratado pelo FBI

Um simpatizante do Estado Islâmico planejava assassinar o ex-presidente dos EUA George W. Bush, mas o plano foi descoberto pelo FBI (polícia federal americana), segundo autoridades dos Estados Unidos. O suspeito, um residente de Ohio, supostamente …

O que se sabe sobre misterioso surto de varíola dos macacos

Casos recentes da doença na América do Norte e Europa acenderam o alerta entre especialistas. Endêmico na África, vírus é transmitido por animais contaminados e por contato próximo prolongado entre pessoas. Autoridades de saúde na América …

EUA: Estudo traz primeiros resultados 'promissores' de vacina de RNA mensageiro contra Aids

Uma vacina usando a tecnologia de RNA mensageiro, a mesma que algumas vacinas contra a Covid-19, pode ser usada desta vez contra a Aids. É o que mostram os primeiros resultados promissores de testes …

Viagem de Lula à Argentina visa fortalecer governo de Fernández e teoria de lawfare contra Kirchner

O ex-presidente Lula será o primeiro estrangeiro a discursar diante de uma multidão na Praça de Maio, em Buenos Aires, em um ato destinado a renovar o vínculo do governo argentino com o seu …

Após EUA, vários países se mobilizam em boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia seguiram os passos dos Estados Unidos e anunciaram que também vão participar do “boicote diplomático” aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, previstos para fevereiro. Os países acusam …

Musk anuncia que Neuralink testará microchips neuronais em humanos em 2022

O bilionário e empreendedor norte-americano referiu que já testou com sucesso um implante cerebral em um macaco, e quer agora que essa tecnologia seja aplicada em humanos. Os humanos poderão ter implantes cerebrais da empresa Neuralink …

Cientistas americanos encontram substância contra coronavírus em algas para sushi

Biólogos americanos esperam que sua descoberta ajude na criação de tratamentos antivírus com base em plantas. Os cientistas determinaram que o sulfato de rhamnan – polissacarídeo componente das algas verdes Monostroma nitidum, utilizadas para embrulhar o …

Mulheres comandam metade dos ministérios no governo Scholz

Futuro chanceler confirma nomes finais do seu governo, que deverá começar os trabalhos ainda esta semana. Percentual de mulheres no comando de ministérios federais é o maior da história da Alemanha. O próximo chanceler federal da …

Biden e Putin fazem videoconferência para tentar resolver impasse na Ucrânia

Joe Biden e Vladimir Putin se preparam para uma vídeoconferência nesta terça-feira (7) em um momento em que as tensões entre Washington e Moscou se intensificam com rumores de uma iminente invasão da Ucrânia …

Aung San Suu Kyi é condenada a 4 anos de prisão

Líder deposta por golpe militar em Mianmar enfrenta série de acusações que a Anistia Internacional chama de falsas. Novo veredicto deve sair nos próximos dias. A líder deposta de Mianmar, Aung San Suu Kyi, foi condenada …