Quanto custa para a Netflix produzir uma série?

(dr) Antena 3 / Netflix

La Casa de Papel

Praticamente um império do entretenimento, não é equivocado dizer que a Netflix investe muito para ter um nome forte dentro do mercado na atualidade. Nós já falamos por aqui quais são as séries mais caras da empresa, com cada episódio custando mais de US$ 10 milhões, mas você já se perguntou quanto custa de fato para a Netflix produzir uma série?

Em um orçamento, é levado em conta todos os custos que aquela determinada produção vai desempenhar no resultado final: desde equipamentos de luz, som e filmagem a figurino, cabelo, maquiagem — e depois da pandemia da covid-19, EPIs e itens de higiene e segurança também tiveram que ocupar um espaço do orçamento.

Ao pensar em quanto deve custar para a gigante do streaming desenvolver uma série de televisão, o Canaltech decidiu utilizar como exemplo a mais cara de todo o seu portfólio (porém muito bem-sucedida também, obrigada): The Crown. Atualmente, o seriado conta com quatro temporadas, acompanhando o drama do reinado da Rainha Elizabeth II na Inglaterra.

De acordo com o ScreenRant, a Netflix gasta US$ 13 milhões para finalizar cada episódio da trama Real. Em 2017, o The Daily Beast produziu uma reportagem indo à fundo da produção da série, revelando que a primeira temporada custou um total de US$ 130 milhões para ser produzida, quebrando o recorde de E.R. e The Get Down e tornando-se a série mais cara de toda a história da televisão.

“A verdade é que não vemos essas coisas”, declarou Matt Smith em 2017 sobre o orçamento de The Crown. O ator interpretou o Príncipe Philip nas duas primeiras temporadas da produção britânica, além de ser o 11º doutor em Doctor Who.

Vale lembrar que por serem os primeiros episódios, o impacto da audiência era muito importante, bem como o cuidado com os mínimos detalhes: o vestido que Claire Foy utilizou no primeiro episódio no casamento da Rainha Elizabeth II custou cerca de US$ 35 mil. Ainda falando de figurino, a produção chegou a reproduzir o icônico vestido de casamento de Lady Di na quarta temporada, que, de acordo com o Bustle, levou mais de 600 horas para ser recriado — mesmo que o seu preço não tenha sido revelado.

A Netflix foi considerada “ousada” nos orçamentos das primeiras temporadas de algumas séries originais, como a já citada The Crown e o sucesso Stranger Things. Esta última foi profundamente inspirada nos filmes de ficção científica de Steven Spielberg da década de 1980, com os episódios iniciais custando US$ 6 milhões cada e tendo um acréscimo de US$ 2 milhões para a segunda temporada. Agora, com a quarta temporada tendo filmagens em locações ao redor do mundo, espera-se que esse valor fique ainda maior.

Quanto custa para a Netflix adquirir um título

Para realizar projetos ambiciosos como o deste ano, de lançar um filme com o selo original do streaming por semana no catálogo, a Netflix precisou “correr” para outros lados ao invés de produzir tudo o que disponibilizaria. Para isso, a empresa buscou adquirir produções que ainda estavam sendo realizadas por estúdios terceiros.

De acordo com uma reportagem da CNBC, a Netflix popularizou um modelo diferente de negócio no setor. Isso porque, anteriormente, era muito comum as produtoras venderem suas produções, mas reterem a maior parte de direitos que podem se tornar lucrativos futuramente.

A publicação revela que embora a empresa compre um programa, ela normalmente deduz uma taxa pela distribuição e inclui esse custo no contrato como uma “licença imputada”. Ou seja, de certa forma, isso acaba compensando 30% dos custos de produção que a produtora pode ter futuramente — mas que a Netflix já está pagando de forma antecipada.

Nessas negociações, a Netflix acaba “levando a melhor” por conta dos direitos de merchandising, distribuição global e desdobramentos para outros países, como reality shows que tiveram suas versões brasileiras. Ainda assim, a gigante do streaming ainda oferece um bônus para as produtoras caso as séries compradas sejam renovadas para uma segunda temporada. No entanto, não é tão lucrativo para as produtoras como se elas mantivessem seus direitos e licenciassem para uma rede de televisão.

O que leva uma produtora a distribuir seu conteúdo na Netflix, então? Alcance global, visto que o streaming está presente em mais de 190 países. Além disso, por conta do tamanho da empresa, chegar no orçamento desejado para desenvolver tal programa é muito mais fácil do que fazê-lo por si só, sem contar que a Netflix é conhecida por tratar muito bem seus criadores de conteúdo.

Ciberia // Canaltech

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

EUA: Estudo traz primeiros resultados 'promissores' de vacina de RNA mensageiro contra Aids

Uma vacina usando a tecnologia de RNA mensageiro, a mesma que algumas vacinas contra a Covid-19, pode ser usada desta vez contra a Aids. É o que mostram os primeiros resultados promissores de testes …

Viagem de Lula à Argentina visa fortalecer governo de Fernández e teoria de lawfare contra Kirchner

O ex-presidente Lula será o primeiro estrangeiro a discursar diante de uma multidão na Praça de Maio, em Buenos Aires, em um ato destinado a renovar o vínculo do governo argentino com o seu …

Após EUA, vários países se mobilizam em boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia seguiram os passos dos Estados Unidos e anunciaram que também vão participar do “boicote diplomático” aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, previstos para fevereiro. Os países acusam …

Musk anuncia que Neuralink testará microchips neuronais em humanos em 2022

O bilionário e empreendedor norte-americano referiu que já testou com sucesso um implante cerebral em um macaco, e quer agora que essa tecnologia seja aplicada em humanos. Os humanos poderão ter implantes cerebrais da empresa Neuralink …

Cientistas americanos encontram substância contra coronavírus em algas para sushi

Biólogos americanos esperam que sua descoberta ajude na criação de tratamentos antivírus com base em plantas. Os cientistas determinaram que o sulfato de rhamnan – polissacarídeo componente das algas verdes Monostroma nitidum, utilizadas para embrulhar o …

Mulheres comandam metade dos ministérios no governo Scholz

Futuro chanceler confirma nomes finais do seu governo, que deverá começar os trabalhos ainda esta semana. Percentual de mulheres no comando de ministérios federais é o maior da história da Alemanha. O próximo chanceler federal da …

Biden e Putin fazem videoconferência para tentar resolver impasse na Ucrânia

Joe Biden e Vladimir Putin se preparam para uma vídeoconferência nesta terça-feira (7) em um momento em que as tensões entre Washington e Moscou se intensificam com rumores de uma iminente invasão da Ucrânia …

Aung San Suu Kyi é condenada a 4 anos de prisão

Líder deposta por golpe militar em Mianmar enfrenta série de acusações que a Anistia Internacional chama de falsas. Novo veredicto deve sair nos próximos dias. A líder deposta de Mianmar, Aung San Suu Kyi, foi condenada …

Em último vídeo do mandato, Merkel pede que população se vacine

A chanceler alemã Angela Merkel, que deixará o poder na próxima quarta-feira (8), voltou a defender neste sábado (4) a vacinação contra a Covid-19, no último de uma série de mais de 600 vídeos …

Descobrem na China ferramenta de marfim de 99 mil anos, possivelmente a mais antiga do país

Pesquisadores desenterraram uma pá de marfim datada de há cerca de 99.000 anos em um sítio arqueológico do Paleolítico na província chinesa de Shandong. Acredita-se que o objeto seja uma das primeiras ferramentas de osso utilizadas …