Quem os carros autônomos devem matar? O MIT já sabe

O famoso dilema moral e ético da situação de acidente onde é possível salvar o condutor e atropelar pedestres, ou vice-versa, ganhou todo um novo campo de discussão desde que a decisão passou a poder ser tomada não apenas pelo condutor, mas pelo próprio automóvel. E a história fica ainda mais complicada.

Em 2016, o MIT lançou um inquérito chamado Moral Machine, no qual perguntava a pessoas de todo o mundo que tipo de decisões os automóveis autônomos deviam tomar em situações complicadas, onde tivessem que decidir “quem matar”. Agora, temos os resultados.

A questão deu bastante o que falar, recriando problemas hipotéticos do tipo: se um carro autônomo estiver na iminência de matar uma pessoa, deveria evitar matá-la, mesmo que para isso tenha que se chocar contra uma parede e potencialmente matar os ocupantes? E se em vez de uma pessoa for um grupo de crianças; ou um criminoso; ou um executivo?

As variantes são muitas, e o MIT relembra o fato de que esses resultados visam apenas espelhar a opinião de milhões de pessoas pelo mundo, e não deveriam ser encarados como um “guia direto” que deva ser transposto para os sistemas de controle dos automóveis. O estudo foi publicado na semana passada na revista Nature.

Os resultados são curiosos, no sentido em que por um lado confirmam uma tendência moral global que se manteve constante entre todas as pessoas que responderam, como a de dar prioridade às vidas humanas frente à vida de animais, maior valor a grupos de pessoas do que uma só, e também valorizar a vida de crianças frente a adultos.

Mas por outro lado, há diferenças regionais. Países mais ricos têm maior probabilidade de dar preferência a salvar uma pessoa com estatuto elevado frente a um “mendigo”; em países mais pobres essa tendência se inverte.

São resultados que deverão ser analisados em detalhes, já que será inevitável que, por iniciativa própria dos fabricantes desses sistemas, ou por legislação, este tipo de questão tenha que ser considerada.

Até o momento, o único país que já legislou sobre isto foi a Alemanha, para especificar que todas as vidas devem ser consideradas como tendo valor igual, e que por isso não será admissível que um carro eventualmente desse prioridade a salvar uma pessoa rica frente a uma pobre.

Mas de igual modo, a legislação alemã sobre o tema também prevê que o veículo autônomo não daria prioridade a salvar uma criança frente a matar uma pessoa velha.

É um tema que seguramente irá dar bastante o que falar. Mas em um mundo ideal, é de se esperar que os carros autônomos atinjam esse nível de segurança, que nunca chegue a ser necessário colocar em ação essas regras morais.

Até porque, antes de essa legislação ter sido aprovada na Alemanha, a Mercedes já tinha deixado muito clara a sua escolha: confrontados com o dilema, seus futuros veículos autônomos iriam salvar os condutores (e sacrificar os pedestres) – opção que pode parecer duvidosa a qualquer um… exceto se estiver pensando em comprar um Mercedes.

Ciberia // ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Carro voador da NASA levanta voo pela primeira vez; veja como foi

A NASA anunciou que os testes com o eVTOL (veículo elétrico voador com decolagem vertical) mais promissor do mercado foram bem-sucedidos. Desenvolvido pela Joby Aviation, o carro voador experimental realizou uma série de procedimentos para coleta …

Mudanças climáticas: cientistas treinam vacas para usar banheiro contra aquecimento global

Vacas podem ser treinadas para usar um banheiro para reduzir as emissões de gases de efeito estufa, segundo uma experiência realizada na Alemanha por pesquisadores alemães e da Nova Zelândia. No estudo, os cientistas treinaram os …

Reprovação a Bolsonaro volta a subir, afirma Datafolha

O Instituto Datafolha apurou que a reprovação ao governo do presidente Jair Bolsonaro aumentou ainda mais, passando para 53% entre as pessoas consultadas, segundo uma pesquisa divulgada nesta quinta-feira (17/02) pelo jornal Folha de S. …

Empresa norueguesa assegura que pode 'eliminar' furacões antes que se tornem destrutivos

Especialistas ambientais advertem que o sistema de cortina de bolhas proposto pela empresa poderia ela própria provocar efeitos indesejados. A OceanTherm, startup norueguesa, assegura que sua tecnologia pode evitar que as tempestades tropicais se tornem poderosos …

Limitar aquecimento global a 1,5ºC exige redução drástica de gases poluentes, mostra relatório

Manter a temperatura da Terra a 1,5°C será impossível sem uma redução massiva das emissões de gases poluentes. É o que mostra um novo relatório divulgado pela ONU nesta quinta-feira (16). O documento "United …

Alemanha libera entrada para brasileiros que apresentem teste negativo

A Alemanha vai deixar de considerar o Brasil como área de alto risco na pandemia do novo coronavírus a partir deste domingo, anunciou nesta sexta-feira (17/09) o Instituto Robert Koch (RKI), a agência governamental alemã …

Assembleia-Geral da ONU: exigência de vacina ainda não está decidida, mas é improvável que Bolsonaro seja barrado

Perdeu força a possibilidade de que líderes de países tenham que comprovar que se vacinaram contra a covid-19 para participar da 76ª Assembleia-Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), que acontece na semana que vem …

Submarinos: França perde o "contrato do século" para a Austrália, que opta por EUA e Reino Unido

O jornal econômico Les Echos estampa em sua primeira página desta quinta-feira (16) uma notícia, ainda no condicional, que se concretizaria durante a madrugada: "A Austrália desiste de uma encomenda de 12 submarinos franceses …

VSR: o pouco conhecido vírus que se espalha entre crianças no mundo e também no Brasil

No início de 2021, a equipe do Hospital Infantil de Maimonides, no Brooklyn, em Nova York (EUA), começou a experimentar uma cautelosa sensação de alívio. Os casos de covid-19 na cidade estavam em queda. Como …

Com popularidade em queda, premiê britânico Boris Johnson reforma equipe de governo

Após semanas de boatos, o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, decidiu modificar o governo nesta quarta-feira para formar uma "equipe unida" e enfrentar os desafios depois de um ano e meio de pandemia e em …