Nossos rostos mostram o que queremos, não o que sentimos

Nossas expressões faciais derivam principalmente do que queremos das interações sociais, não dos nossos sentimentos, sugere uma nova pesquisa.

“A visão tradicional das nossas expressões faciais é que são sobre nós, que revelam o nosso humor e emoções”, diz Alan J. Fridlund, professor associado do departamento de psicologia e ciências do cérebro da Universidade da Califórnia, em Santa Bárbara.

“Nossos rostos não são sobre nós, mas sobre o que queremos de uma interação social. Por exemplo, a cara de ‘choro’ é geralmente considerada uma expressão de tristeza, mas usamos esse rosto para solicitar socorro, quer isso signifique segurança, palavras de conforto ou apenas um abraço”.

O novo estudo, publicado em março na revista Trends in Cognitive Sciences, sustenta e expande o trabalho anterior de Fridlund, que acaba com a suposição anterior e difundida de que as expressões faciais revelam as emoções das pessoas. Fridlund também é psicólogo social e clínico.

“Esse trabalho é uma tentativa de trazer a este campo uma compreensão científica das expressões faciais humanas, e de restaurar a continuidade com as visões modernas da comunicação animal”, diz Fridlund.

“Desde a pré-escola, vemos rostos sorridentes com a palavra ‘feliz’ escrita. Vemos rostos tristes com a palavra ‘triste’ escrita. Essa pode não ser a melhor forma de entender expressões faciais. Um macaco no jardim zoológico que sorri não é necessariamente porque está feliz. Na verdade, o animal está dando uma “careta de ameaça submissa”.

Nos últimos anos, diz Fridlund, os biólogos olharam de outra forma para a maneira como os animais comunicam e começaram a vê-los como comunicadores sofisticados e negociadores. A abordagem sugere que nossas expressões faciais têm a mesma finalidade.

O novo estudo detalha as maneiras como a ecologia comportamental de Fridlund de displays faciais em primatologia tem sido útil em inteligência artificial e ainda investiga o que chama de “fenômeno peculiar”, como os rostos que as pessoas fazem quando estão sozinhas.

“Não há dúvida de que o que fazemos com nossos monitores faciais é diferente do que os não-humanos fazem, mas muitas vezes isso é mostrado da mesma maneira, já que atuam como ferramentas sociais na negociação comportamental”.

Não existem expressões universais

O novo trabalho também incorpora a pesquisa de Carlos Crivelli, professor da Universidade De Monfort, em Leicester, Inglaterra, sobre como os indígenas Trobriand Islanders na Papua Nova Guiné – ainda amplamente imunes às tradições e convenções ocidentais – pensam em emoção e usam expressões faciais.

Os pesquisadores descobriram que o que era considerado antes uma expressão universal para o medo, no caso dos trobriandeses servia como uma exibição de ameaça, visando assustar os outros até a submissão.

“Os cientistas na década de 1960 tinham noções preconcebidas sobre certas expressões que combinam emoções específicas”, diz Fridlund. “E assim suas experiências – concebidas e interpretadas através de lentes ocidentais – estavam destinadas a corroborar essas crenças”.

Muitos estudos recentes que investigaram as ligações entre expressões faciais e emoções encontraram poucas provas de uma relação entre os dois.

Rostos “irritados” não significam necessariamente que estamos zangados. Podemos nos sentir frustrados, magoados ou com prisão de ventre, mas, independentemente de como nos sentimos, nossos rostos servem para subjugar, intimidar ou sinalizar possíveis retaliações contra quem quer que os apontemos.

“Uma cara de ‘nojo’ pode significar que uma pessoa está prestes a vomitar, mas também pode significar que não gostamos de certa música. Assim, a outra pessoa sabe que não deve colocar aquele CD. Quando perguntamos a alguém sobre o tempo lá fora, um sorriso diz que é bom, mesmo que esteja a ter um dia ruim”, explica Fridlund.

O trabalho atual de Fridlund se baseia em pesquisas apresentadas pela primeira vez há mais de duas décadas no livro “Human Facial Expression: An Evolutionary View (Academic Press, 1994)”.

Em estudos anteriores, Fridlund mostrou que, quando imaginamos estar em situações divertidas, assustadoras, tristes ou irritantes, fazemos mais expressões quando imaginamos estar com os outros, do que quando imaginamos enfrentar essas situações imaginárias sozinhos.

As pessoas que assistem a vídeos engraçados, sorriem quando assistem com os amigos – e sorriem quando acreditam que um amigo está assistindo ao mesmo vídeo em outro lugar ao mesmo tempo. “Quando estamos com os outros, estamos sempre verificando como estão reagindo”, explica Fridlund.

Ciberia // ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Funcionário de funerária é demitido após tirar selfie com corpo de Maradona

Foi demitido o funcionário da funerária responsável pelo velório do ex-jogador Diego Armando Maradona que tirou uma foto ao lado do caixão com o corpo do astro, enterrado nesta quinta-feira, dia 26, na Grande Buenos …

Museu de Londres reunirá relatos de sonhos de britânicos na pandemia

Projeto visa documentar mudanças no sono causadas pelo confinamento e pela crise gerada com a covid-19, além de coletar narrativas sobre o período para gerações futuras. Mudanças no sono aparentemente têm sido comuns durante a pandemia …

'O Gambito da Rainha': série da Netflix ignora sexismo no xadrez, diz ex-campeã

Existem várias cenas comoventes em O Gambito da Rainha, a série da Netflix que conta a história fictícia de Beth Harman, uma jovem prodígio do xadrez da década de 1960. Em uma delas, um jogador experiente …

Detectada "partícula fantasma" no Sol que confirma teoria da década de 1930

Uma equipe internacional de cientistas conseguiu, pela primeira vez, detectar diretamente a presença do ciclo carbono-nitrogênio-oxigênio (CNO) na fusão nuclear do Sol. Este ciclo representa uma das reações de fusão pelas quais as estrelas convertem hidrogênio …

Musk acertou? Tesla se aproxima dos US$ 500 bilhões de valor de mercado

Nesta segunda-feira (23), a Tesla atingiu o valor de mercado de US$ 498 bilhões. E isso em um momento em que não se sabe se a empresa vai conseguir atingir a sua meta de entregar …

Papai Noel é considerado 'trabalhador essencial' na Irlanda

Na mesma semana em que novas restrições de viagem foram colocadas em prática no Reino Unido e na Irlanda diante dos estragos causados pela segunda onda da pandemia de covid-19 na Europa, a Irlanda fez …

Especialistas da ONU advertem sobre viés racista em algoritmos

Os países devem fazer mais para combater o racismo, principalmente nos algoritmos de inteligência artificial utilizados para reconhecimento facial e controles policiais. Essas ferramentas podem reforçar discriminações, alertam especialistas da ONU. Segundo a especialista jamaicana …

Estudo de dentes de megalodonte revela segredos do tubarão de 18 metros

Especialistas em tubarões revelaram mais informações sobre um dos maiores predadores dos mares – o megalodonte. Nova pesquisa de dentes fossilizados da espécie Odotus megalodons, chamada também de megalodonte, sugere que os tubarões fêmeas desta espécie …

Escritor é alvo de censura e terá conta no Twitter suspensa por críticas contra Igreja Universal

O escritor J. P. Cuenca foi censurado por uma decisão judicial e terá sua conta do Twitter suspensa após o juiz da comarca de Campos dos Goytacazes (RJ), Ralph Machado Manhães Junior, acatar um pedido …

"Tesouro" espetacular de antigos artefatos de caça na Noruega é descoberto sob gelo derretido

Arqueólogos descobriram um “tesouro” de artefatos enquanto outra grande mancha de gelo derrete nas montanhas norueguesas, revelando um total de 68 flechas e muitos outros itens de um antigo local de caça de renas. As primeiras …