Rússia está usando reconhecimento facial contra a COVID-19

Moscou, a capital russa, está usando um sistema de câmeras com reconhecimento facial para combater a disseminação do vírus da COVID-19. O governo local recorreu à tecnologia para reconhecer, multar e até prender pessoas que estão quebrando a quarentena no país.

Segundo levantamento da agência de notícias AFP, autoridades reconheceram afetados e possíveis contaminados pela doença e os submeteu a um regime de isolamento por 14 dias. Com isso, catalogou o endereço, passaportes e telefone destas pessoas, principalmente as que viajaram para alguma região com surto.

Isso é possível por um conjunto de 170 mil câmeras espalhadas por Moscou. No total, 100 mil já são capazes de reconhecer automaticamente o rosto das pessoas filmadas. As outras 70 mil também são usadas para monitoramento, mas não automático. Com isso, o governo local disse já ter identificado perto de 200 pessoas que estavam quebrando a quarentena imposta a elas.

A tecnologia foi desenvolvida pela empresa NtcheLab, com sede na Rússia. Segundo o CEO, Alexandre Minin, em entrevista para a agência de notícias, a probabilidade de erro é de 1 em 15 milhões. Ainda, ele defende que o sistema é capaz de identificar uma pessoa apenas pela silhueta, com eficácia de 80%.

A tecnologia foi implementada no país para a Copa do Mundo de 2018 e depois ampliada no início deste ano, antes mesmo da pandemia chegar ao território russo. Foram necessários 10 anos para que todas as câmeras fossem colocadas na cidade.

Além das ruas, o governo também disse que está acompanhando a situação de mercados e farmácias para evitar a falta de produtos nas prateleiras.

Leis abertas

Um dos pontos que permitiram que o governo local tivesse facilidade em monitorar a população é que não há no país uma legislação como a Lei geral de Proteção de Dados, aqui no Brasil. Com isso, a prefeitura consegue implementar um mecanismo para vigiar a população, sem restrições tão severas de uso de dados dos usuários.

Entretanto, isso não exclui a possibilidade de críticas. Um dos entraves de popularização, segundo Minin, é exatamente o medo de que o governo utilize o reconhecimento facial parra vigiar rivais políticos e restringir a opinião pública.

O CEO defende a sua tecnologia dizendo que isso não é possível, pois as informações são salvas em lugares diferentes. Ou seja, a imagem de uma pessoa e o banco de dados ligados a ela estão em servidores separados. Assim, só há a união das duas informações quando há exigência do governo.

Em 2019, uma advogada e ativista chamada Aliana Popova prestou queixa contra o governo pelo uso do sistema. Ela participava de uma manifestação autorizada na cidade e disse que o mecanismo de reconhecimento facial havia sido colocado nos detectores de metal pelos quais as pessoas tinham que passar. Contudo, a denúncia da ativista não teve força no país.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

COVID-19: produção de vacina pode causar morte de meio milhão de tubarões, alertam especialistas

Óleo natural feito a partir do fígado dos tubarões é um componente-chave entre os ingredientes utilizados por vários candidatos a vacina contra a COVID-19. A Shark Allies, uma organização de defesa aos tubarões, da Califórnia, EUA, …

Quem é Amy Barrett, a indicada de Trump para Suprema Corte?

Se aprovada pelo Senado, atual juíza federal e católica devota poderá influenciar a vida pública dos EUA por décadas e mover de vez a composição da Corte para uma orientação conservadora. Se no Brasil o presidente …

Uber ganha 18 meses de licença para atuar em Londres

Após uma longa batalha jurídica, a Uber ganhou uma licença para restabelecer suas operações em Londres pelos próximos 18 meses. Em novembro de 2019, a empresa havia sido impedida de atuar na capital inglesa, depois que …

Testes de DNA da moda não identificam indígenas brasileiros

Testes de DNA estão na moda. Se você pensou em exames para comprovar paternidade ou algo nesse sentido: não é disso que estamos falando (embora pudéssemos). A nova tendência — entre aqueles que têm condições para …

EUA e Brasil querem barrar governo Maduro na Organização Pan-Americana da Saúde

Os Estados Unidos, o Brasil e outros 11 países rejeitaram nesta segunda-feira (28) a legitimidade do governo de Nicolás Maduro na Venezuela para participar do Conselho Diretor da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas). A …

Água líquida em Marte: descobertas mais reservas no polo sul do Planeta Vermelho

Em 2018, pesquisadores italianos anunciaram que haviam encontrado evidências da existência de água líquida em Marte, abaixo da calota polar sul. Agora, a equipe voltou em mais uma série de informações que não apenas sustentam essa …

Cientistas russos encontram nova forma de tratamento para covid-19

Uma equipe de cientistas russos sugeriu tratar os pacientes gravemente afetados pelo coronavírus SARS-CoV-2 da mesma maneira que são tratados alguns casos de intoxicação. De acordo com os especialistas do Instituto de Pesquisa de Medicina de …

Covid-19 já causou a morte de um milhão de pessoas no mundo

Nove meses após seu surgimento na China, a pandemia de Covid-19 superou, neste domingo (27), o número simbólico de um milhão de mortos no mundo. No total, o coronavírus causou 1.000.009 mortes e 33.018.877 casos …

Homem que comia alcaçuz todos os dias morre e médicos alertam sobre riscos à saúde

Um homem de 54 anos morreu após consumir alcaçuz em excesso. Segundo os médicos do Hospital Geral de Massachussets (EUA), após duas semanas ingerindo alcaçuz preto em excesso, o homem teve uma overdose de uma …

Conflito armado se acirra na fronteira entre Armênia e Azerbaijão

A Armênia e o Azerbaijão se acusaram mutuamente neste domingo (27/09) de iniciar confrontos mortais na região separatista de Nagorno-Karabakh, na fronteira entre os dois países, em meio a uma disputa territorial de décadas. Ao …