NASA se prepara para trazer solo marciano à Terra

gsfc / Flickr

Curiosity, veículo de exploração da NASA que foi a Marte em 2012

A agência espacial norte-americana (NASA) e a europeia (ESA) assinaram no dia 27 de abril uma declaração de intenção em explorar conceitos de missões para trazer amostras de solo marciano para a Terra.

As naves espaciais em órbita e os rovers na superfície de Marte fizeram muitas descobertas emocionantes, transformando a nossa compreensão do planeta e revelando pistas para a formação do Sistema Solar, bem como nos ajudam a compreender nosso planeta natal.

O próximo passo é trazer amostras para a Terra para análises detalhadas em laboratórios sofisticados, onde os resultados podem ser verificados de forma independente, e as amostras podem ser reanalisadas, à medida que as técnicas de laboratório continuam a melhorar.

Trazer Marte à Terra não é um empreendimento simples – seria necessário, pelo menos, três missões a partir da Terra e uma, nunca antes realizada, para o lançamento de um foguete a partir de Marte.

Uma primeira missão, a Mars Rover 2020 da NASA, deverá recolher amostras da superfície em recipientes do tamanho de uma caneta, enquanto explora o Planeta Vermelho. 31 caixas serão preenchidas e preparadas para uma coleta posterior – uma espécie de geocaching interplanetário.

No mesmo período, o ExoMars da ESA, que também deverá pousar em Marte no ano 2021, irá perfurar até dois metros abaixo da superfície para procurar evidências de vida.

Uma segunda missão, com um pequeno rover, pousaria nas proximidades e recuperaria as amostras em uma operação marciana de busca e resgate.

Esse rover traria as amostras de volta ao seu módulo e as colocaria em um MAV (Mars Ascent Vehicle; veículo de subida de Marte, em português) – um pequeno foguete para lançar um contentor do tamanho de uma bola de futebol à órbita de Marte.

Um terceiro lançamento, a partir da Terra, forneceria uma nave enviada para orbitar Marte e se reunir com os contentores de amostras.

Assim que as amostras estivessem recolhidas e carregadas de forma segura em um veículo de entrada na Terra, a nave retornaria à Terra, liberando o veículo para pousar nos Estados Unidos, onde as amostras seriam recuperadas e colocadas em quarentena para análise detalhada por uma equipe de cientistas internacionais.

NASA

Solo marciano recolhido pelo rover Curiosity da NASA numa área arenosa chamada Rocknest. Pensa-se que essa partícula brilhante perto centro da imagem, e outras parecidas na mesma área, seja material marciano nativo.

Estudar os conceitos

O comunicado assinado no ILA Berlim pelo Diretor de Exploração Humana e Robótica da ESA, David Parker, e pelo Administrador Associado da NASA para a Diretoria da Missão Científica, Thomas Zurbuchen, descreve os potenciais papéis que cada agência espacial poderia executar e como podem oferecer apoio mútuo.

“Uma missão de retorno de amostras de Marte é uma visão tentadora, e realizável, que se encontra na interseção de muitas boas razões para explorar o espaço”, diz David Parker.

“Não há dúvida de que, para um cientista planetário, a oportunidade de trazer amostras primitivas e cuidadosamente escolhidas do Planeta Vermelho de volta à Terra para examinar, utilizando as melhores instalações, é uma perspectiva de dar água na boca“, acrescenta o cientista.

Reconstruir a história de Marte e responder a perguntas do passado são apenas duas áreas de descoberta que avançarão dramaticamente devido a esta missão.

“Os desafios de ir a Marte e voltar exigem que sejam abordados por uma parceria internacional e comercial – os melhores dos melhores. Na ESA, com os nossos 22 estados membros e outros parceiros colaboradores, a cooperação internacional faz parte do nosso DNA”, conclui o diretor da ESA.

ATG Medialab / ESA

O orbitador TGO (Trace Gas Orbiter) e seu módulo de entrada, descida e pouso, Schiaparelli, em aproximação a Marte

Missões anteriores a Marte revelaram antigos córregos e a química certa que poderia ter apoiado a vida microbiana no Planeta Vermelho”, diz por sua vez Thomas Zurbuchen. “Trazer uma amostra forneceria um salto crítico na nossa compreensão do potencial de Marte para abrigar vida”.

“Estou ansioso para conectar e colaborar com parceiros internacionais e comerciais para enfrentar os excitantes desafios tecnológicos pela frente – que nos permitiriam trazer para casa uma amostra de Marte”, acrescenta o responsável da NASA.

A sonda ExoMars da ESA já circunda Marte para investigar sua atmosfera. Na semana passada, o dispositivo transmitiu dados do rover Curiosity da NASA para a Terra, provando, também, seu valor como um satélite de retransmissão.

As descobertas da missão ExoMars podem ajudar a decidir quais amostras armazenar e trazer para a Terra durante a missão de retorno.

A colaboração demonstra uma boa cooperação com a NASA e fornece uma infraestrutura essencial de comunicação em torno do Planeta Vermelho.

Ciberia // CCVAlg / ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Investigação revela terras protegidas da Amazônia à venda no Facebook

Pessoas que invadem e desmatam ilegalmente trechos da Floresta Amazônica estão anunciando as áreas no Facebook em busca de compradores. Uma investigação da BBC encontrou na plataforma dezenas de anúncios em que vendedores negociam pedaços da …

Primeiro ataque militar da era Biden mata pelo menos 17 no leste da Síria

Os Estados Unidos atacaram, nesta quinta-feira (25), infraestruturas utilizadas pelas milícias pro-iranianas no nordeste da Síria, deixando 17 mortos. Esta é a primeira operação militar organizada pelo governo de Joe Biden. A ação é …

Tiranossauros jovens impediram o desenvolvimento de espécies menores, diz estudo

A pesquisa demonstrou que grandes dinossauros, como o T-rex, que cresceram de um pequeno tamanho até se tornarem criaturas enormes, modificaram seus ecossistemas ao competirem com espécies rivais menores. Um estudo publicado nesta sexta-feira (26), no …

UE quer passaporte para vacinados até meio do ano

A União Europeia quer estabelecer um sistema de passaportes para vacinados contra covid-19 ainda antes de suas férias de verão, no meio do ano. O setor turístico é fundamental para várias economias do bloco, sobretudo …

Facebook encerra contas do exército birmanês devido ao recurso à violência

A rede Facebook anunciou hoje em comunicado ter encerrado as contas vinculadas à junta militar birmanesa devido ao uso da "violência mortífera" contra os manifestantes que têm protestado contra o golpe militar perpetrado no …

Malcolm X: carta indica plano do FBI e polícia de NY para assassinar líder negro

Morto em 1965, aos 39 anos, em Nova York, o ativista negro norte-americano Malcolm X não teve, até hoje, o assassinato totalmente esclarecido. Contudo, o surgimento recente de uma carta aponta para uma possível conspiração entre …

NVIDIA e Stefanini anunciam que desenvolverão Inteligência Artificial no Brasil

A Nvidia Enterprise e a Woopi, empresa do Grupo Stefanini focada em Inteligência Artificial (IA) anunciaram nesta quarta-feira (24) uma parceria para desenvolver soluções de IA e processamento de linguagem natural. E o primeiro projeto …

250 mil mortos por covid no Brasil: o que significa esse número

O Brasil acumula um quarto de milhão de mortes por covid-19, às vésperas de se completar um ano desde o primeiro caso de coronavírus ter sido identificado no país. Segundo as contas do consórcio de imprensa …

Na diplomacia das vacinas, Israel troca imunizante por reconhecimento de Jerusalém como capital

No combate à Covid-19, Israel é exemplo mundial. A metade da população do Estado hebreu já recebeu pelo menos uma dose da vacina contra o coronavírus e um terço está completamente imunizada, com as …

"Subestimar Rússia de Putin é sempre um erro", diz indicado de Biden para chefiar CIA

Nesta quarta-feira (24), William Burns, o indicado do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, para o cargo de diretor da CIA, disse que subestimar a Rússia é sempre um erro e acusou a China de …