No Twitter, a mentira se espalha mais rápido que a verdade

Arne Hoel / World Bank

Cientistas do Instituto de Tecnologia do Massachusetts (MIT), nos EUA, analisaram informações compartilhadas no Twitter e chegaram à conclusão de que as notícias falsas se espalham mais rapidamente do que as verdadeiras na rede social.

O estudo do MIT concluiu que as notícias falsas têm 70% mais probabilidade de serem compartilhadas do que a informação verdadeira. Além disso, alcançam muito mais pessoas.

Os autores do artigo científico, publicado na Science, analisaram 126 mil informações falsas, verdadeiras ou mistas tuitadas mais de 4,5 milhões de vezes por 3 milhões de pessoas entre 2006 e 2017.

Segundo o Público, tudo começa quando alguém faz um tuíte com uma afirmação que pode incluir um texto escrito, fotografia ou link para um artigo online. A informação é depois retuitada por outros utilizadores e assim se forma um efeito dominó que teve uma única origem.

Os pesquisadores analisaram o efeito através de seis sites de desconstrução de mitos – como o Snopes e o PolitiFact – que as classificaram como informação falsa, verdadeira ou mista. No final da análise, os cientistas chegaram à conclusão de que a concordância dessa classificação foi entre 95% e 98%.

O efeito foi ainda estudado em relação à sua intensidade (número de retuítes) ou sua dimensão (número de utilizadores envolvidos ao longo do tempo).

Na origem do trabalho, está o atentado na maratona de Boston que, em abril de 2013, matou três pessoas e feriu mais de 200. Segundo Soroush Vosoughi, principal autor do estudo, “o Twitter se tornou a principal fonte de notícias” nos EUA, mas a maior parte do que se lê nesta rede social são “informações falsas”.

Vosoughi e mais dois colegas decidiram então testar a veracidade do Twitter e concluíram que a informação falsa viaja mais, mais depressa e de forma mais intensa do que a verdadeira. Os efeitos são mais significativos nas notícias de política que nos rumores sobre terrorismo, desastres naturais, ciência ou finanças.

Consta no artigo científico que a informação falsa é cerca de 70% mais suscetível de ser retuitada que a verdadeira. Inclusive, a informação verdadeira demora seis vezes mais para alcançar 1.500 pessoas em contraste com a informação falsa.

Além disso, ao invés da informação verdadeira que muito dificilmente se espalha por mais de mil pessoas, o efeito dominó de informação falsa mais popular consegue atingir entre 10 mil e 100 mil pessoas.

Mas quem são os responsáveis pela disseminação de informações falsas? Ao contrário do que seria de se imaginar, os utilizadores que as espalham tinham poucos seguidores e seguiam poucas pessoas e eram significativamente menos ativos no Twitter.

“A mentira se difunde mais e mais depressa apesar destas características, não por causa delas”, aponta o comunicado.

Ciberia // ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Autoridade de saúde da administração Trump rejeita hidroxicloroquina como tratamento para COVID-19

O responsável por coordenar a aplicação de testes de COVID-19 nos EUA afirmou neste domingo (2) que não há evidências de que a hidroxicloroquina seja um tratamento eficaz contra o novo coronavírus. O secretário assistente do …

Julho foi mês mais fatal da pandemia de covid-19 no Brasil

Com quase 33 mil vítimas, julho foi o pior mês desde as primeiras infecções com o coronavírus no país. Em São Paulo, estado mais atingido, Instituto Butantan oferece testes grátis da doença respiratória na capital. O …

Ouvidos poderiam esconder coronavírus, descobre estudo

Uma equipe de cientistas da Universidade Johns Hopkins, EUA, encontrou vestígios do novo coronavírus nos ouvidos humanos, alertando que agora as autoridades médicas precisam tomar mais cuidado. Chamado de SARS-CoV-2, o novo coronavírus poderia se esconder …

Quase humano: cérebro artificial ajuda robô a realizar tarefas complexas

Pegar uma lata de refrigerante pode ser uma tarefa simples para os seres humanos, mas isso pode ser muito complexo para um robô. Isso porque ele precisa localizar o objeto, deduzir sua forma, determinar a …

Se você fizer isso, dificilmente terá câncer por toda a vida

A Sociedade Americana de Câncer acaba de atualizar o guia de dieta e atividades físicas com o objetivo de reduzir o risco de se ter câncer ou, possivelmente não ter câncer durante toda a vida. …

Nos hospitais, 70% dos profissionais se sentem despreparados para pandemia

O conhecimento sobre a covid-19 ainda é tão pouco que os médicos, enfermeiros e outros profissionais de saúde estão com medo e se sentindo despreparados. Ao mesmo tempo, por conta da pandemia ainda descontrolada no …

Este chef é um verdadeiro herói no lar de idosos onde trabalha

A admiração conquistada pelo chef Kevin na casa de repouso onde trabalha em Perthshire, na Escócia, não vem apenas do sabor e da beleza de cada prato montado por ele. Cozinheiro profissional desde 1995, Kevin se …

Desafio para Starlink? Rússia prepara sua própria rede de satélites Sfera

A futura rede de conexão de alta velocidade Sfera terá mais de 200 satélites destinados à Internet das Coisas e mais de 250 aparelhos para sondar a Terra, revelou a corporação russa Roscosmos. A rede Sfera …

Mark Zuckerberg comprou Instagram por medo de ele ameaçar o Facebook

“Caso eles cresçam em grande escala, isso pode acabar sendo disruptivo para nós”, afirma Mark Zuckerberg em um e-mail enviado em fevereiro de 2012 ao então diretor financeiro do Facebook, David Eberman. Eles discutiam a compra …

Japão: vítimas da chuva radioativa de Hiroshima são finalmente reconhecidas pela Justiça

Um tribunal de Hiroshima ampliou a definição de sobreviventes de bombas atômicas para incluir na lista novas vítimas do fenômeno que ficou conhecido como "chuva negra" radioativa, que se seguiu ao bombardeio nuclear da …