No Twitter, a mentira se espalha mais rápido que a verdade

Arne Hoel / World Bank

Cientistas do Instituto de Tecnologia do Massachusetts (MIT), nos EUA, analisaram informações compartilhadas no Twitter e chegaram à conclusão de que as notícias falsas se espalham mais rapidamente do que as verdadeiras na rede social.

O estudo do MIT concluiu que as notícias falsas têm 70% mais probabilidade de serem compartilhadas do que a informação verdadeira. Além disso, alcançam muito mais pessoas.

Os autores do artigo científico, publicado na Science, analisaram 126 mil informações falsas, verdadeiras ou mistas tuitadas mais de 4,5 milhões de vezes por 3 milhões de pessoas entre 2006 e 2017.

Segundo o Público, tudo começa quando alguém faz um tuíte com uma afirmação que pode incluir um texto escrito, fotografia ou link para um artigo online. A informação é depois retuitada por outros utilizadores e assim se forma um efeito dominó que teve uma única origem.

Os pesquisadores analisaram o efeito através de seis sites de desconstrução de mitos – como o Snopes e o PolitiFact – que as classificaram como informação falsa, verdadeira ou mista. No final da análise, os cientistas chegaram à conclusão de que a concordância dessa classificação foi entre 95% e 98%.

O efeito foi ainda estudado em relação à sua intensidade (número de retuítes) ou sua dimensão (número de utilizadores envolvidos ao longo do tempo).

Na origem do trabalho, está o atentado na maratona de Boston que, em abril de 2013, matou três pessoas e feriu mais de 200. Segundo Soroush Vosoughi, principal autor do estudo, “o Twitter se tornou a principal fonte de notícias” nos EUA, mas a maior parte do que se lê nesta rede social são “informações falsas”.

Vosoughi e mais dois colegas decidiram então testar a veracidade do Twitter e concluíram que a informação falsa viaja mais, mais depressa e de forma mais intensa do que a verdadeira. Os efeitos são mais significativos nas notícias de política que nos rumores sobre terrorismo, desastres naturais, ciência ou finanças.

Consta no artigo científico que a informação falsa é cerca de 70% mais suscetível de ser retuitada que a verdadeira. Inclusive, a informação verdadeira demora seis vezes mais para alcançar 1.500 pessoas em contraste com a informação falsa.

Além disso, ao invés da informação verdadeira que muito dificilmente se espalha por mais de mil pessoas, o efeito dominó de informação falsa mais popular consegue atingir entre 10 mil e 100 mil pessoas.

Mas quem são os responsáveis pela disseminação de informações falsas? Ao contrário do que seria de se imaginar, os utilizadores que as espalham tinham poucos seguidores e seguiam poucas pessoas e eram significativamente menos ativos no Twitter.

“A mentira se difunde mais e mais depressa apesar destas características, não por causa delas”, aponta o comunicado.

Ciberia // ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Em nome da ciência, polvos tomaram ecstasy (e teve muito amor envolvido)

O que acontece quando um polvo consome drogas, mais precisamente ecstasy? Cientistas norte-americanos tiveram a oportunidade de descobrir. De acordo com o Science Alert, a equipe de pesquisadores deu MDMA, substância psicoativa também conhecida por ecstasy, …

Companhia austríaca cria método que transforma plástico em petróleo

A companhia petrolífera austríaca OMV apresentou nesta quinta-feira um inovador procedimento que permite a produção de petróleo a partir de resíduos de plástico (material fabricado a partir desse recurso natural). A inovadora tecnologia, batizada de ReOil, …

Múmia e amuletos divinos são descobertos no Egito

Um grupo de arqueólogos descobriu várias múmias antigas no Egito – incluindo os restos de um misterioso indivíduo extremamente bem conservado – em uma sepultura comum na margem oeste do Rio Nilo.  A tumba foi encontrado …

Em caso raro, mulher doa órgãos e transmite câncer a quatro pessoas

Quatro pessoas que receberam órgãos da mesma doadora desenvolveram posteriormente câncer de mama, revelou um novo estudo. O caso, que remota a 2007, representa uma situação extremamente rara. Rins, pulmões, fígado e coração foram retirados de …

Criatura “alienígena” é encontrada em praia na Nova Zelândia

Uma família neozelandesa passeava ao longo de uma praia no norte de Auckland quando encontrou uma bizarra criatura vermelha em forma de bolha. A criatura, que foi identificada como uma espécie específica de medusa, tem um …

Veneza quer proibir turistas de sentarem ou deitarem no chão

Veneza, famosa pelos seus canais, testemunhou um dilúvio de turistas nos últimos anos, que ultrapassa em muito a população residente e sobrecarrega a cidade. As autoridades da cidade italiana têm tomado várias medidas para travar …

Teia de aranha gigantesca cobre praia na Grécia

Um enorme teia de aranha com cerca de 300 metros cobriu uma área à beira-mar na cidade de Aitoliko, na região oeste da Grécia. A época de acasalamento das aranhas transformou a praia no pior …

Depois dos morangos, agulhas chegam às maçãs e bananas na Austrália

As autoridades australianas investigam mais de 100 casos por todo o país. Agora, além dos morangos, as agulhas também já chegaram a frutas como maçãs, bananas e mangas. A Austrália investiga uma série de casos misteriosos …

Proibição de doações empresariais não blinda política de interesses privados, afirma cientista político

Apesar da proibição do financiamento empresarial de campanhas, que vigora no país desde 2015 por força de uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), a classe empresarial continua engajada em diferentes candidaturas. Se, por um lado, …

Brasileiros são finalistas em Campeonato Mundial de Cubo Mágico

Criado nos anos 80, o cubo mágico é um dos brinquedos mais simples e fascinantes que existem. Quem nunca passou horas, dias, semanas ou até meses tentando acertar as cores de todas as faces ou …