Afinal, Mordor existe mesmo; e os cientistas já descobriram onde fica

Reynolds et al., Geochem. Geophys. Geosyst., 2018

Os cientistas descobriram recentemente os restos de uma vasta extensão de fluxos de lava subaquática perto da costa australiana, uma paisagem subaquática em nada diferente do reino carbonizado de Mordor, descrito em “O Senhor dos Anéis” – mas sem sinais de Sauron.

Com a utilização de tecnologia avançada, a equipe de cientistas descobriu os restos de 26 antigos fluxos de lava, que mediam até 34 quilômetros em comprimento e 15 quilômetros em largura. O estudo foi publicado na American Geophysical Union Journal, em novembro.

Com um máximo de 625 metros de altura, os picos do terreno não iriam facilitar a vida de Frodo Baggins, se não estivessem submersos, mas é a forma como os pesquisadores olharam para baixo do sedimento do fundo do oceano que torna a descoberta notável.

“Ao utilizar dados recolhidos através da exploração de óleos, fomos capazes de mapear os antigos fluxos com detalhes sem precedentes, revelando uma paisagem vulcânica espetacular que traz à mente ilustrações d’O Senhor dos Anéis”, disse um dos membros da equipe, Nick Schofield, da Universidade de Aberdeen, no Reino Unido.

“Os fluxos de lava submarinos são inerentemente mais difíceis de se estudar do que seus homólogos na superfície terrestre devido à inacessibilidade, e a tecnologia usada é semelhante em muitas formas à usada para produzir ecografias de bebês, mas para a Terra”, explica.

Chama-se dados de reflexão sísmica em 3D e é obtido através da digitalização de superfícies com ondas sísmicas.

Ao medir a forma como estas ondas se recuperam, os cientistas conseguem determinar a composição das características subterrâneas, que de outra forma, estariam escondidas da vista – neste caso, até 250 metros de sedimento.

Além das semelhanças com a paisagem de O Senhor dos Anéis, a descoberta poderia, de fato, nos ensinar mais sobre como os fluxos de lava entram em erupção e se espalham. As primeiras erupções, acredita-se, aconteceram há 35 milhões de anos.

Parte do que os cientistas descobriram na Bacia Bight, perto da costa sul da Austrália são uma série de kīpukas subaquáticas, ou ilhas criadas por fluxos de lava formados em volta dos limites.

Alguns destes fluxos de lava nunca foram estudados debaixo d’água antes. Com mais de dois terços da atividade vulcânica na Terra acontecendo submersos, quanto mais pudermos aprender sobre estes fluxos, melhor.

Todos os fatores têm que ser levados em consideração para formar modelos precisos, incluindo o tamanho da erupção, mas este Mordor de profundidade dá aos especialistas uma paisagem do mundo real para analisar.

O que torna este local, em particular, apto para estudos é o fato de os fluxos de lava estarem relativamente próximos da superfície e não estarem cobertos por basalto, o que tornaria a digitalização sísmica mais difícil.

“Ao usar esta técnica, temos uma visão única de uma paisagem que permaneceu escondida por milhões de anos, destacando a importância crescente de dados sísmicos no estudo do vulcanismo submarino”, disse Schofield.

Ciberia // ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Polônia é multada em € 1 milhão por dia por desobedecer decisão judicial da UE

A Polônia foi condenada nesta quarta-feira (27) a pagar para a Comissão Europeia, órgão Executivo do bloco, uma multa diária de € 1 milhão por não ter encerrado as atividades da câmara disciplinar da …

Startup ajuda pequenas empresas a monitorarem vacinação dos funcionários

A startup brasileira White Tents lançou uma versão em formato freemium — isto é, gratuita mas com alguns recursos pagos — de sua plataforma digital para pequenas empresas que queiram monitorar a vacinação de até …

Argentina vacinará brasileiros na região de fronteira e turistas estrangeiros menores de 18 anos

O governo argentino anunciou uma nova flexibilização para a entrada de estrangeiros no país, a vacinação de turistas menores de 18 anos e de cidadãos de países vizinhos que atravessarem a fronteira por via …

CPI da Pandemia conclui trabalhos e pede o indiciamento de Bolsonaro

Senadores aprovam relatório sobre atuação do governo na crise do coronavírus que propõe punição de 78 pessoas e duas empresas, após seis meses de depoimentos, coleta de provas e repercussão na mídia. A CPI da Pandemia …

Sinais de possível 1º exoplaneta fora da Via Láctea são detectados

Pela primeira vez na história, é possível que os cientistas tenham descoberto um planeta em outra galáxia. O possível exoplaneta recebeu o nome de M51-ULS-1 e se encontra a 28 milhões de anos-luz de distância na …

China vai vacinar crianças a partir de três anos contra a covid-19

Imunizantes aprovados são das farmacêuticas chinesas Sinopharm e Sinovac, fabricante da Coronavac. País será um dos primeiros a começar a vacinar essa faixa etária. No total, China já vacinou 76% da população. Ao menos cinco províncias …

"Bolsonaro ignora todas as necessidades culturais dos brasileiros", diz Gilberto Gil à revista Télérama

A imprensa francesa desta segunda-feira (25) destaca o show de Gilberto Gil nesta noite na Filarmônica de Paris. O músico brasileiro conversou com o jornal Le Monde e com a revista Télérama. "Gilberto Gil", embaixador …

"Peças extraordinárias" achadas na Indonésia podem ser da lendária "ilha do Ouro"

Tesouros no valor de milhões de dólares encontrados nos últimos cinco anos ao longo do rio Musi podem ser do antigo império malaio Serivijaia, na ilha de Sumatra, que por 300 anos dominou as rotas …

Pandemia de Covid-19 vai acabar "quando o mundo decidir acabar com ela", diz diretor da OMS

A pandemia de Covid-19 vai acabar "quando o mundo decidir acabar com ela", disse neste domingo (24) o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Ghebreyesus. O representante da ONU discursou na abertura …

Google está “criando Deus”, alerta ex executivo da Google

Segundo um ex-executivo do Google, a singularidade está chegando. E, segundo ele isso representa uma grande ameaça para a humanidade. Mo Gawdat, ex-diretor de negócios da organização moonshot do Google, que na época se chamava Google …