Maior erupção já registrada de um vulcão submarino quase passou despercebida

NASA

Havre Seamount, vulcão subaquático

Um passageiro voltava para casa depois de passar férias em Samoa quando viu, pela janela do avião, uma “grande massa peculiar” flutuar no oceano, a centenas de quilômetros da costa da Nova Zelândia.

O passageiro fotografou o que tinha visto e enviou as imagens a cientistas, que perceberam do que se tratava – uma balsa de pedra flutuante “cuspida” por um vulcão subaquático, produzida na maior erupção deste gênero.

“Sabíamos que era uma erupção em grande escala, aproximadamente o equivalente à maior erupção que já vimos em terra no século XX“, disse a vulcanologista Rebecca Carey, da Universidade de Tasmânia.

Os incidentes, produzidos pelo vulcão subaquático Havre Seamount, inicialmente passaram despercebidos aos cientistas, mas a plataforma flutuante de rocha que a erupção gerou foi mais difícil de passar despercebida.

A história remonta a 2012, quando a plataforma flutuante cobriu cerca de 400 quilômetros do sudoeste do Oceano Pacífico. Meses mais tarde os satélites gravaram sua dispersão numa área com o dobro do tamanho da Nova Zelândia.

Abaixo da superfície, a grande escala das consequências da erupção surpreendeu os cientistas quando inspecionaram o local em 2015 a profundidades de até 1.220 metros.

“Quando vimos os mapas detalhados do AUV (Veículo Subaquático Autônomo), vimos todos aqueles ‘solavancos’ no fundo do mar e eu pensei que a máquina estava com defeito”, explicou o vulcanologista Adam Soule, da instituição Oceanográfica de Woods Hole. “Afinal cada um dos ‘altos’ eram pedaços da erupção do vulcão, alguns do tamanho de uma van. Nunca tinha visto nada assim no fundo do mar”.

A pesquisa – conduzida com o Sentry AUV e o veículo de operação remota (ROV) Jason – revela que a erupção do Havre Seamount foi mais complexa do que se pensava inicialmente.

A cratera, com cerca de 4,5 quilômetros de diâmetro, jorrou lava de 14 aberturas em uma “ruptura maciça do edifício vulcânico”, produzindo não apenas pedra pomes, mas cinzas, montes e fluxos de lava no fundo do mar.

Pode ter sido (felizmente) enterrado sob um oceano de água, mas, para uma noção de escala, esta foi uma erupção 1.5 vezes maior do que a erupção do Monte de Santa Helena, em Washington (EUA), ou 10 vezes maior que a erupção do Eyjafjallajökull, na Islândia, em 2010.

Os cientistas dizem que do material que entrou em erupção, três quartos ou mais flutuaram até a superfície e depois afundaram.

O restante se espalhou pelo fundo do mar, levando a devastação às comunidades biológicas, que só agora estão se recuperando da erupção. “O registro da erupção no vulcão é muito pouco fiável”, disse Carey.

“O vulcão preserva um pequeno componente do que foi efetivamente produzido, o que é importante para a forma como interpretamos antigas erupções vulcânicas subaquáticas que são agora altamente prospectivas para metais e minerais”, acrescentou.

Com as amostras recolhidas pelos submersíveis, é uma grande e rara oportunidade de estudar o que ocorre quando um vulcão entra em erupção submerso no mar – um fenômeno que ocorre 70% mais que na terra, mesmo que seja mais difícil de indicar o local.

Ciberia // ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

EUA: Estudo traz primeiros resultados 'promissores' de vacina de RNA mensageiro contra Aids

Uma vacina usando a tecnologia de RNA mensageiro, a mesma que algumas vacinas contra a Covid-19, pode ser usada desta vez contra a Aids. É o que mostram os primeiros resultados promissores de testes …

Viagem de Lula à Argentina visa fortalecer governo de Fernández e teoria de lawfare contra Kirchner

O ex-presidente Lula será o primeiro estrangeiro a discursar diante de uma multidão na Praça de Maio, em Buenos Aires, em um ato destinado a renovar o vínculo do governo argentino com o seu …

Após EUA, vários países se mobilizam em boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia seguiram os passos dos Estados Unidos e anunciaram que também vão participar do “boicote diplomático” aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, previstos para fevereiro. Os países acusam …

Musk anuncia que Neuralink testará microchips neuronais em humanos em 2022

O bilionário e empreendedor norte-americano referiu que já testou com sucesso um implante cerebral em um macaco, e quer agora que essa tecnologia seja aplicada em humanos. Os humanos poderão ter implantes cerebrais da empresa Neuralink …

Cientistas americanos encontram substância contra coronavírus em algas para sushi

Biólogos americanos esperam que sua descoberta ajude na criação de tratamentos antivírus com base em plantas. Os cientistas determinaram que o sulfato de rhamnan – polissacarídeo componente das algas verdes Monostroma nitidum, utilizadas para embrulhar o …

Mulheres comandam metade dos ministérios no governo Scholz

Futuro chanceler confirma nomes finais do seu governo, que deverá começar os trabalhos ainda esta semana. Percentual de mulheres no comando de ministérios federais é o maior da história da Alemanha. O próximo chanceler federal da …

Biden e Putin fazem videoconferência para tentar resolver impasse na Ucrânia

Joe Biden e Vladimir Putin se preparam para uma vídeoconferência nesta terça-feira (7) em um momento em que as tensões entre Washington e Moscou se intensificam com rumores de uma iminente invasão da Ucrânia …

Aung San Suu Kyi é condenada a 4 anos de prisão

Líder deposta por golpe militar em Mianmar enfrenta série de acusações que a Anistia Internacional chama de falsas. Novo veredicto deve sair nos próximos dias. A líder deposta de Mianmar, Aung San Suu Kyi, foi condenada …

Em último vídeo do mandato, Merkel pede que população se vacine

A chanceler alemã Angela Merkel, que deixará o poder na próxima quarta-feira (8), voltou a defender neste sábado (4) a vacinação contra a Covid-19, no último de uma série de mais de 600 vídeos …

Descobrem na China ferramenta de marfim de 99 mil anos, possivelmente a mais antiga do país

Pesquisadores desenterraram uma pá de marfim datada de há cerca de 99.000 anos em um sítio arqueológico do Paleolítico na província chinesa de Shandong. Acredita-se que o objeto seja uma das primeiras ferramentas de osso utilizadas …