A Antártida está ficando mais alta

O material rochoso de uma parte da Antártida Ocidental está subindo mais rápido do que se pensava e isso acontece porque o manto terrestre é mais fluido do que se julgava. Essas recentes descobertas são, ao mesmo tempo, boas e más notícias para o continente gelado.

Comecemos pelas boas notícias: o fato de o material rochoso estar subindo faz com que sejam formados alicerces que, por sua vez, sustentam as plataformas de gelo. Essas plataformas que restam podem, assim, se tornar mais estáveis.

Por outro lado, a má notícia é que, nos últimos anos, as medições de satélite podem ter sido distorcidas pelo aumento da Terra, levando os pesquisadores a subestimar a taxa de desaparecimento do gelo em até 10%.

Uma viagem por baixo do gelo da Antártida Ocidental

A Antártida Ocidental ocupa cerca de 1,8 milhão de quilômetros quadrados do continente. Por baixo do gelo, encontramos o substrato rochoso, o conjunto de formações rochosas sobre as quais neve foi se acumulando, sendo transformada em gelo com o tempo, explica ao Público António Correia, cientista no Instituto de Ciências da Terra, da Universidade de Évora, em Portugal.

Para entender esta ascensão do substrato rochoso, os cientistas instalaram várias estações de GPS em afloramentos rochosos ao longo da costa do mar de Amundsen, na Antártida Ocidental, e chegaram à conclusão que nessa região o substrato está subindo mais rápido do que o esperado.

A subida é de 41 milímetros por ano. Em comparação, na Islândia ou no Alasca observou-se uma subida de 20 a 30 milímetros. Na Groenlândia, a ascensão é de 30 milímetros por ano.

Mas quem é o verdadeiro culpado dessa rápida subida? O manto terrestre, afirmam os cientistas. A elevação do substrato rochoso se deve ao fato de a viscosidade do manto apresentar valores dez a 100 vezes inferiores ao que inicialmente se pensava.

António Correia, que não participou do estudo, explica ainda que a diminuição da viscosidade pode estar acontecendo graças a um maior fluxo de calor no manto da região. Em termos práticos, o que acontece na Antártida é que o manto terrestre é mais fluido do que se julgava, mas a temperatura não explica tudo.

“Sabemos onde a Terra é mais quente e mais fria, no entanto, a viscosidade do manto não depende apenas da temperatura, mas também do teor da água”, adianta Valentina Barletta, da Universidade Técnica da Dinamarca e autora do estudo.

Assim, “estimar a temperatura do manto em uma determinada zona poderia dar uma visão imprecisa de quão rápida é essa ascensão, dado que uma área fria com alto teor de água pode ser tão viscosa quanto uma zona quente com menos água”, explicou a pesquisadora.

Manto terrestre mais fluido do que se pensava

O leito rochoso da Antártida é difícil de se estudar, isto porque que a maior parte está coberto por grossas camadas de gelo. Aliás, a cobertura de gelo do continente corresponde a cerca de 90% de todo o gelo existente na Terra e contém água suficiente para elevar o nível médio do mar em todo o mundo em cerca de 61 metros, segundo a NASA.

Ao todo, foram instaladas seis estações de GPS, na esperança de ver a lenta elevação do leito rochoso ao longo do tempo. Mas não foi isso que aconteceu.

Em vez disso, os cientistas viram que a taxa de elevação era cerca de quatro vezes mais rápida do que a esperada. A velocidade – cerca de 41 milímetros por ano – é uma das taxas mais rápidas registradas em áreas glaciares.

Os cientistas sugerem assim que o manto por baixo do gelo da Antártida Ocidental é muito fluido. “A fusão do gelo faz diminuir o peso que o substrato rochoso tem que suportar e, por ajustamento isostático glaciar, tende a subir”, explica António Correia.

Um futuro incerto e um fio de esperança

A elevação do leito rochoso é o resultado da perda de gelo ao longo do século passado, e o gelo continua desaparecendo a um ritmo preocupante. O lençol de gelo do oeste da Antártida (WAIS, na sigla em inglês) pode, inclusive, entrar em colapso nos próximos 100 anos, causando uma subida do nível do mar de quase três metros.

No entanto, os cientistas sugerem que pode haver um fio de esperança para o enfraquecimento do WAIS.

O leito rochoso, sustentado por um manto fluido, pode fornecer uma fonte inesperada de apoio para o WAIS. Como? A elevação do leito poderia estabilizar o lençol o suficiente para impedir um colapso completo, mesmo sob fortes pressões.

“Além de nos dar uma nova imagem das dinâmicas da terra na Antártida, os novos resultados vão impulsionar modelos mais precisos para a camada de gelo da Antártida Ocidental sobre o que vai acontecer no futuro”, considera a autora Valentina Barlett.

Os resultados do estudo foram publicados semana passada na Science.

Ciberia // ZAP

COMPARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. Precisamente! Mas no português (e em nenhum outro idioma) são aceitos dois nomes. Em ambos os casos, infelizmente o futuro é bem pouco animador…

  2. “…elevar o nível médio do mar em todo o mundo em cerca de 61 centímetros, segundo a NASA.”
    Acredito que seriam, 61 metros pois logo depois falam que o colapso do lado oeste elevaria o nível dos oceanos em 3 metros!

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Motoboy é vítima de racismo de homem branco: "Você tem inveja disso aqui [minha cor]"

A manhã de sexta-feira (7) começou com mais um caso de racismo no Brasil. Um vídeo que viralizou no Twitter registra um homem branco fazendo injúrias raciais contra um entregador de delivery. As fortes imagens são …

‘Grande ameaça à saúde pública’: cientistas descobrem mutação resistente a remédio contra a malária

Pesquisadores em Ruanda identificaram uma cepa do parasita causador da malária que é resistente a medicamentos. O estudo, publicado na revista Nature, revelou que os parasitas eram capazes de resistir ao tratamento com a artemisinina, um …

Brasil, um ano no foco da crítica ambiental mundial

Em agosto de 2019, país virou pária ambiental devido a incêndios e aumento do desmatamento. Bolsonaro reagiu com agressividade e insultos. Agora, aumenta a pressão de investidores estrangeiros por uma mudança de rumo. Foi uma catástrofe …

Com medo da Covid-19, Venezuela discrimina venezuelanos que voltam ao país

Várias medidas vêm sendo aplicadas na Venezuela para conter a Covid-19. Um estádio foi transformado em hospital de campanha, blocos de concreto foram colocados nas vias, festas estão proibidas e há um canal de …

Centro Gamalei, desenvolvedor de vacina russa, explica como funciona e se há riscos para o paciente

O diretor do Centro Nacional de Pesquisa de Epidemiologia e Microbiologia Gamalei falou sobre os testes da vacina, que será registrada oficialmente na quarta-feira (12). As partículas do coronavírus na vacina da COVID-19 não podem prejudicar …

Mistura inusitada de amônia e água cria raios superficiais e granizos em Júpiter

Júpiter, o maior gigante gasoso do Sistema Solar, é um lugar coberto por tempestades estranhas. O que os cientistas ainda não sabiam é que no meio dessas tormentas, existem raios de natureza bem diferente dos …

Emocionante avanço da teoria para a realidade: bizarro efeito quântico é observado

No núcleo toda estrela anã branca — o denso resto de uma estrela que queimou todo seu combustível — existe um fenômeno quântico enigmático: enquanto ganha massa ela reduz de tamanho chegando a um ponto …

Estudo prevê 300 mil mortes por covid até fim do ano nos EUA

Pesquisadores da Universidade de Washington pintam cenário sombrio caso restrições não sejam respeitadas. Enquanto primeiros epicentros registram queda, outros estados americanos divulgam taxas de infecções recordes. A epidemia de covid-19 deve matar aproximadamente 300 mil americanos …

Coronavírus: Exportações devem cair mais de 20% na América Latina, diz ONU

As exportações da América Latina e do Caribe podem cair mais de 20% em 2020 devido às consequências da pandemia do coronavírus, que também terá um impacto negativo nas importações, disse uma agência da …

O que é nitrato de amônio, que pode provocar explosões como a de Beirute?

A recente tragédia no país árabe trouxe de novo à tona preocupações sobre o armazenamento do perigoso material, tornando necessário saber como esses incidentes ocorrem para os prevenir. A explosão de nitrato de amônio em Beirute, …