A Antártida está ficando mais alta

O material rochoso de uma parte da Antártida Ocidental está subindo mais rápido do que se pensava e isso acontece porque o manto terrestre é mais fluido do que se julgava. Essas recentes descobertas são, ao mesmo tempo, boas e más notícias para o continente gelado.

Comecemos pelas boas notícias: o fato de o material rochoso estar subindo faz com que sejam formados alicerces que, por sua vez, sustentam as plataformas de gelo. Essas plataformas que restam podem, assim, se tornar mais estáveis.

Por outro lado, a má notícia é que, nos últimos anos, as medições de satélite podem ter sido distorcidas pelo aumento da Terra, levando os pesquisadores a subestimar a taxa de desaparecimento do gelo em até 10%.

Uma viagem por baixo do gelo da Antártida Ocidental

A Antártida Ocidental ocupa cerca de 1,8 milhão de quilômetros quadrados do continente. Por baixo do gelo, encontramos o substrato rochoso, o conjunto de formações rochosas sobre as quais neve foi se acumulando, sendo transformada em gelo com o tempo, explica ao Público António Correia, cientista no Instituto de Ciências da Terra, da Universidade de Évora, em Portugal.

Para entender esta ascensão do substrato rochoso, os cientistas instalaram várias estações de GPS em afloramentos rochosos ao longo da costa do mar de Amundsen, na Antártida Ocidental, e chegaram à conclusão que nessa região o substrato está subindo mais rápido do que o esperado.

A subida é de 41 milímetros por ano. Em comparação, na Islândia ou no Alasca observou-se uma subida de 20 a 30 milímetros. Na Groenlândia, a ascensão é de 30 milímetros por ano.

Mas quem é o verdadeiro culpado dessa rápida subida? O manto terrestre, afirmam os cientistas. A elevação do substrato rochoso se deve ao fato de a viscosidade do manto apresentar valores dez a 100 vezes inferiores ao que inicialmente se pensava.

António Correia, que não participou do estudo, explica ainda que a diminuição da viscosidade pode estar acontecendo graças a um maior fluxo de calor no manto da região. Em termos práticos, o que acontece na Antártida é que o manto terrestre é mais fluido do que se julgava, mas a temperatura não explica tudo.

“Sabemos onde a Terra é mais quente e mais fria, no entanto, a viscosidade do manto não depende apenas da temperatura, mas também do teor da água”, adianta Valentina Barletta, da Universidade Técnica da Dinamarca e autora do estudo.

Assim, “estimar a temperatura do manto em uma determinada zona poderia dar uma visão imprecisa de quão rápida é essa ascensão, dado que uma área fria com alto teor de água pode ser tão viscosa quanto uma zona quente com menos água”, explicou a pesquisadora.

Manto terrestre mais fluido do que se pensava

O leito rochoso da Antártida é difícil de se estudar, isto porque que a maior parte está coberto por grossas camadas de gelo. Aliás, a cobertura de gelo do continente corresponde a cerca de 90% de todo o gelo existente na Terra e contém água suficiente para elevar o nível médio do mar em todo o mundo em cerca de 61 metros, segundo a NASA.

Ao todo, foram instaladas seis estações de GPS, na esperança de ver a lenta elevação do leito rochoso ao longo do tempo. Mas não foi isso que aconteceu.

Em vez disso, os cientistas viram que a taxa de elevação era cerca de quatro vezes mais rápida do que a esperada. A velocidade – cerca de 41 milímetros por ano – é uma das taxas mais rápidas registradas em áreas glaciares.

Os cientistas sugerem assim que o manto por baixo do gelo da Antártida Ocidental é muito fluido. “A fusão do gelo faz diminuir o peso que o substrato rochoso tem que suportar e, por ajustamento isostático glaciar, tende a subir”, explica António Correia.

Um futuro incerto e um fio de esperança

A elevação do leito rochoso é o resultado da perda de gelo ao longo do século passado, e o gelo continua desaparecendo a um ritmo preocupante. O lençol de gelo do oeste da Antártida (WAIS, na sigla em inglês) pode, inclusive, entrar em colapso nos próximos 100 anos, causando uma subida do nível do mar de quase três metros.

No entanto, os cientistas sugerem que pode haver um fio de esperança para o enfraquecimento do WAIS.

O leito rochoso, sustentado por um manto fluido, pode fornecer uma fonte inesperada de apoio para o WAIS. Como? A elevação do leito poderia estabilizar o lençol o suficiente para impedir um colapso completo, mesmo sob fortes pressões.

“Além de nos dar uma nova imagem das dinâmicas da terra na Antártida, os novos resultados vão impulsionar modelos mais precisos para a camada de gelo da Antártida Ocidental sobre o que vai acontecer no futuro”, considera a autora Valentina Barlett.

Os resultados do estudo foram publicados semana passada na Science.

Ciberia // ZAP

COMPARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. Precisamente! Mas no português (e em nenhum outro idioma) são aceitos dois nomes. Em ambos os casos, infelizmente o futuro é bem pouco animador…

  2. “…elevar o nível médio do mar em todo o mundo em cerca de 61 centímetros, segundo a NASA.”
    Acredito que seriam, 61 metros pois logo depois falam que o colapso do lado oeste elevaria o nível dos oceanos em 3 metros!

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Quantos anos de vida saudável os ricos ganham em relação aos pobres?

Um novo estudo europeu e americano descobriu que os ricos possuem cerca de nove anos de vida saudável a mais do que os pobres. A pesquisa foi bastante abrangente – os cientistas analisaram dados de mais …

O país sul-americano que deve crescer 14 vezes mais que a China neste ano

A Guiana ganhou na loteria e está prestes a resgatar o prêmio. Seus vizinhos, especialmente a Venezuela, aguardam intrigados para saber em que ela vai gastar. De acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI), a economia …

Portugal supera marca histórica de 500 mil imigrantes residindo no país; brasileiros são a maioria

Portugal atingiu um número recorde de imigrantes vivendo no país. O anúncio foi feito pelo governo nesta quarta-feira (15), durante debate no Parlamento sobre o Orçamento de Estado para 2020. "Os dados preliminares levam a dizer …

Papa Francisco nomeia primeira mulher para cargo de alto escalão no Vaticano

Pela primeira vez, uma mulher ocupará um cargo de alto nível no Vaticano. O Papa Francisco nomeou Francesca Di Giovanni para a função de vice-ministra da Secretaria de Estado da Santa Sé, órgão equivalente ao …

Khamenei chama Trump de "palhaço" e exalta ataque a bases dos EUA

Em primeiro sermão desde 2012, líder supremo do Irã afirma que Trump finge apoio ao povo iraniano e pede união após dizer que queda de avião foi "acidente trágico". EUA admitem que militares ficaram feridos. O …

Uma desconhecida explosão de ondas gravitacionais foi detectada na Terra

Os detectores de ondas gravitacionais da Terra, os observatórios LIGO e Virgo, identificaram uma misteriosa “explosão” de ondas gravitacionais não prevista na última terça-feira, 14 de janeiro. As ondas gravitacionais detectadas até hoje foram resultado de …

Twitter pede desculpas por permitir anúncios direcionados a neonazistas

O Twitter emitiu hoje (16), um pedido de desculpas público, logo após a BBC fazer uma denúncia de que a plataforma de anúncios da empresa estava permitindo o direcionamento de conteúdo para neonazistas e outros …

SP quer lei para incentivar uso de veículos híbridos e elétricos

Um novo projeto de lei apresentado em São Paulo pretende combater os problemas ambientais provocados pelos carros à combustão, que utilizam os tão poluentes combustíveis fósseis, através do incentivo ao uso de veículos elétricos ou …

Ataques iranianos teriam deixado 11 militares dos EUA feridos

Ao menos 11 militares norte-americanos foram retirados do Iraque para receberem tratamento médico em decorrência dos ataques iranianos contra as bases dos EUA. "Quando ficarem aptos para o serviço, estes militares regressarão ao Iraque", declarou à …

Evo recua e diz que não pretende mais criar milícias

Em carta pública divulgada nesta quinta-feira (16/01), o ex-presidente da Bolívia Evo Morales, que está refugiado na Argentina há mais de um mês, recuou da ideia de promover a formação de milícias no país. "Há alguns …