Já teve o apêndice removido? Temos boas notícias

O corpo humano pode ser uma maravilha da natureza, mas é meio que uma maravilha feita ao acaso, no evoluir de cada espécie, quase que com descuido. Somos projetados de forma imperfeita, propensos a falhas, e temos várias “peças” desnecessárias. Uma delas é o apêndice.

E apesar de sempre haver muito debate em torno das amígdalas, principalmente quando elas incomodam, poderíamos viver melhor sem o apêndice: ter o órgão removido está associado a um risco reduzido de se desenvolver o mal de Parkinson, concluiu um estudo publicado esta semana na Science Translational Medicine.

E não é uma diferença pequena: quem teve o apêndice removido começou a apresentar sintomas de Parkinson mais de 3 anos depois do que as que não tinham. Isto é, se notarem algum sintoma, já que o estudo também descobriu que, sem o apêndice, o risco geral de se desenvolver a doença é reduzida em quase 20%.

A nova pesquisa é o maior e mais longo estudo sobre a condição até agora, envolvendo 1,6 milhão de pessoas por um período de 52 anos, ou seja, 91 milhões de anos de vida humana no total.

Com os dados de mais de 50 anos de registros detalhados de pacientes do Registro Nacional de Pacientes da Suécia, os pesquisadores puderam pesquisar o diagnóstico de doenças, tratamentos e até relacionar indivíduos por idade, sexo e localização, a fim de comparar melhor a progressão, ou não, do mal de Parkinson.

Essa não é a primeira vez que vimos pesquisas ligando o Parkinson a outras áreas do corpo além do cérebro, como o intestino. Por um tempo, os pesquisadores também suspeitaram de um tipo de proteína, chamada α-sinucleína, como um dos agentes por trás da doença. A proteína aparece por todo o corpo, mas é mais abundante no cérebro, onde desempenha um papel na sinalização nervosa.

No entanto, em pacientes com Parkinson, essa proteína pode se transformar em uma pequena porção de partículas, matando as células nas partes do cérebro responsáveis ​​pelo movimento, produzindo tremores, rigidez e lentidão; características da doença.

O novo estudo parece apoiar essa ideia, pois a equipe de pesquisa também descobriu que essas proteínas se acumulam no apêndice. Mas, estranhamente, isso é verdade independente de uma pessoa sofrer de Parkinson ou não, sugerindo que as proteínas são apenas um dos muitos fatores que contribuem para o desenvolvimento da doença.

“É preciso haver algum outro mecanismo ou confluência de eventos que permita que o apêndice afete o risco da doença”, disse a líder da pesquisa, Viviane Labrie, do Centro para Ciência Neurogenerativa do Michigan (EUA) e do Centro para o Vício e Saúde Mental em Toronto (Canadá), ao The Guardian. “É isso que pretendemos analisar a seguir: que fator ou fatores inclinam a escala em favor do Parkinson“, concluiu.

EM, Ciberia // IFLScience

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Museu de Londres reunirá relatos de sonhos de britânicos na pandemia

Projeto visa documentar mudanças no sono causadas pelo confinamento e pela crise gerada com a covid-19, além de coletar narrativas sobre o período para gerações futuras. Mudanças no sono aparentemente têm sido comuns durante a pandemia …

'O Gambito da Rainha': série da Netflix ignora sexismo no xadrez, diz ex-campeã

Existem várias cenas comoventes em O Gambito da Rainha, a série da Netflix que conta a história fictícia de Beth Harman, uma jovem prodígio do xadrez da década de 1960. Em uma delas, um jogador experiente …

Detectada "partícula fantasma" no Sol que confirma teoria da década de 1930

Uma equipe internacional de cientistas conseguiu, pela primeira vez, detectar diretamente a presença do ciclo carbono-nitrogênio-oxigênio (CNO) na fusão nuclear do Sol. Este ciclo representa uma das reações de fusão pelas quais as estrelas convertem hidrogênio …

Musk acertou? Tesla se aproxima dos US$ 500 bilhões de valor de mercado

Nesta segunda-feira (23), a Tesla atingiu o valor de mercado de US$ 498 bilhões. E isso em um momento em que não se sabe se a empresa vai conseguir atingir a sua meta de entregar …

Papai Noel é considerado 'trabalhador essencial' na Irlanda

Na mesma semana em que novas restrições de viagem foram colocadas em prática no Reino Unido e na Irlanda diante dos estragos causados pela segunda onda da pandemia de covid-19 na Europa, a Irlanda fez …

Especialistas da ONU advertem sobre viés racista em algoritmos

Os países devem fazer mais para combater o racismo, principalmente nos algoritmos de inteligência artificial utilizados para reconhecimento facial e controles policiais. Essas ferramentas podem reforçar discriminações, alertam especialistas da ONU. Segundo a especialista jamaicana …

Estudo de dentes de megalodonte revela segredos do tubarão de 18 metros

Especialistas em tubarões revelaram mais informações sobre um dos maiores predadores dos mares – o megalodonte. Nova pesquisa de dentes fossilizados da espécie Odotus megalodons, chamada também de megalodonte, sugere que os tubarões fêmeas desta espécie …

Escritor é alvo de censura e terá conta no Twitter suspensa por críticas contra Igreja Universal

O escritor J. P. Cuenca foi censurado por uma decisão judicial e terá sua conta do Twitter suspensa após o juiz da comarca de Campos dos Goytacazes (RJ), Ralph Machado Manhães Junior, acatar um pedido …

"Tesouro" espetacular de antigos artefatos de caça na Noruega é descoberto sob gelo derretido

Arqueólogos descobriram um “tesouro” de artefatos enquanto outra grande mancha de gelo derrete nas montanhas norueguesas, revelando um total de 68 flechas e muitos outros itens de um antigo local de caça de renas. As primeiras …

Não é mais 90%? AstraZeneca assume erro de eficácia da vacina da COVID-19

A AstraZeneca e a Universidade de Oxford, que estão desenvolvendo juntas uma vacina contra a COVID-19, revelaram na última quarta-feira (25) que houve um erro no momento da divulgação dos resultados dos testes da vacina …