Já teve o apêndice removido? Temos boas notícias

O corpo humano pode ser uma maravilha da natureza, mas é meio que uma maravilha feita ao acaso, no evoluir de cada espécie, quase que com descuido. Somos projetados de forma imperfeita, propensos a falhas, e temos várias “peças” desnecessárias. Uma delas é o apêndice.

E apesar de sempre haver muito debate em torno das amígdalas, principalmente quando elas incomodam, poderíamos viver melhor sem o apêndice: ter o órgão removido está associado a um risco reduzido de se desenvolver o mal de Parkinson, concluiu um estudo publicado esta semana na Science Translational Medicine.

E não é uma diferença pequena: quem teve o apêndice removido começou a apresentar sintomas de Parkinson mais de 3 anos depois do que as que não tinham. Isto é, se notarem algum sintoma, já que o estudo também descobriu que, sem o apêndice, o risco geral de se desenvolver a doença é reduzida em quase 20%.

A nova pesquisa é o maior e mais longo estudo sobre a condição até agora, envolvendo 1,6 milhão de pessoas por um período de 52 anos, ou seja, 91 milhões de anos de vida humana no total.

Com os dados de mais de 50 anos de registros detalhados de pacientes do Registro Nacional de Pacientes da Suécia, os pesquisadores puderam pesquisar o diagnóstico de doenças, tratamentos e até relacionar indivíduos por idade, sexo e localização, a fim de comparar melhor a progressão, ou não, do mal de Parkinson.

Essa não é a primeira vez que vimos pesquisas ligando o Parkinson a outras áreas do corpo além do cérebro, como o intestino. Por um tempo, os pesquisadores também suspeitaram de um tipo de proteína, chamada α-sinucleína, como um dos agentes por trás da doença. A proteína aparece por todo o corpo, mas é mais abundante no cérebro, onde desempenha um papel na sinalização nervosa.

No entanto, em pacientes com Parkinson, essa proteína pode se transformar em uma pequena porção de partículas, matando as células nas partes do cérebro responsáveis ​​pelo movimento, produzindo tremores, rigidez e lentidão; características da doença.

O novo estudo parece apoiar essa ideia, pois a equipe de pesquisa também descobriu que essas proteínas se acumulam no apêndice. Mas, estranhamente, isso é verdade independente de uma pessoa sofrer de Parkinson ou não, sugerindo que as proteínas são apenas um dos muitos fatores que contribuem para o desenvolvimento da doença.

“É preciso haver algum outro mecanismo ou confluência de eventos que permita que o apêndice afete o risco da doença”, disse a líder da pesquisa, Viviane Labrie, do Centro para Ciência Neurogenerativa do Michigan (EUA) e do Centro para o Vício e Saúde Mental em Toronto (Canadá), ao The Guardian. “É isso que pretendemos analisar a seguir: que fator ou fatores inclinam a escala em favor do Parkinson“, concluiu.

EM, Ciberia // IFLScience

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Mistura inusitada de amônia e água cria raios superficiais e granizos em Júpiter

Júpiter, o maior gigante gasoso do Sistema Solar, é um lugar coberto por tempestades estranhas. O que os cientistas ainda não sabiam é que no meio dessas tormentas, existem raios de natureza bem diferente dos …

Emocionante avanço da teoria para a realidade: bizarro efeito quântico é observado

No núcleo toda estrela anã branca — o denso resto de uma estrela que queimou todo seu combustível — existe um fenômeno quântico enigmático: enquanto ganha massa ela reduz de tamanho chegando a um ponto …

Estudo prevê 300 mil mortes por covid até fim do ano nos EUA

Pesquisadores da Universidade de Washington pintam cenário sombrio caso restrições não sejam respeitadas. Enquanto primeiros epicentros registram queda, outros estados americanos divulgam taxas de infecções recordes. A epidemia de covid-19 deve matar aproximadamente 300 mil americanos …

Coronavírus: Exportações devem cair mais de 20% na América Latina, diz ONU

As exportações da América Latina e do Caribe podem cair mais de 20% em 2020 devido às consequências da pandemia do coronavírus, que também terá um impacto negativo nas importações, disse uma agência da …

O que é nitrato de amônio, que pode provocar explosões como a de Beirute?

A recente tragédia no país árabe trouxe de novo à tona preocupações sobre o armazenamento do perigoso material, tornando necessário saber como esses incidentes ocorrem para os prevenir. A explosão de nitrato de amônio em Beirute, …

Astrônomos descobrem nuvens gigantes "escondidas" em Vênus há 35 anos

Uma equipe de astrônomos encontrou nuvens venenosas, com gotas de ácido sulfúrico em sua formação, em meio à densa atmosfera de Vênus. Curiosamente, essas nuvens já estavam presente na atmosfera venusiana há pelo menos 35 anos, …

Japão lembra 75 anos de bomba de Hiroshima e pede união contra armas nucleares

Esta quinta-feira (6) marca o 75º aniversário do primeiro ataque com bomba atômica do mundo. Cerca de 140 mil pessoas morreram no bombardeio à cidade japonesa, realizado pelo Estados Unidos no fim da Segunda Guerra …

Donald Trump determina bloqueio do TikTok e WeChat nos EUA em 45 dias

O presidente dos Estados Unidos Donald Trump assinou na noite de ontem (6) uma ordem executiva determinando o fim de relações com as empresas responsáveis pelos apps TikTok e WeChat no país norte-americano. Em comunicado emitido …

Brasil caminha para ter 200 mil mortes pelo coronavírus até outubro, diz especialista

Na semana em que o Brasil deverá registrar 100 mil mortes pelo novo coronavírus, um especialista brasileiro indica que o país caminha para dobrar esse número em dois meses, atingindo 200 mil óbitos pela pandemia …

Petição defende que França assuma controle do Líbano

Suspeita de que desastre em Beirute foi causado por negligência eleva indignação dos libaneses, que pedem mandato francês pelos próximos dez anos no país. Apelo recebe mais de 50 mil assinaturas após visita de Macron. Quase …