Arquivos secretos sobre o assassinato de Kennedy estão nas mãos de Trump

O maior mistério no imaginário popular da história recente dos Estados Unidos é quem foi o verdadeiro culpado pelo assassinato do ex-presidente John F. Kennedy, uma incógnita com inúmeras dúvidas que podem ser esclarecidas com milhares de arquivos secretos cuja divulgação depende agora de Donald Trump.

O Arquivo Nacional dos EUA tem sob seu domínio cerca de 3,1 mil documentos confidenciais sobre o assassinato do democrata que governou o país entre 1961 e 1963. Trata-se de informações que os historiadores e especialistas no assunto acreditam que podem ajudar a entender o que aconteceu e talvez até mudar a história oficial.

Agora, os responsáveis pelo Arquivo Nacional têm até o dia 26 de outubro para decidir quais desses documentos, a maioria pertencente ao FBI e à CIA, poderão ser divulgados e quais devem continuar em sigilo. A palavra final será do atual presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que tem a autoridade máxima para expor os arquivos ou não.

A divulgação destes documentos corresponde à JFK Records Act, uma lei aprovada em 1992 devido ao grande interesse pelo caso após a estreia do filme “JFK: A Pergunta que Não Quer Calar” (1991), no qual o cineasta Oliver Stone dava a sua visão sobre o assassinato cometido no dia 22 de novembro de 1963 em Dallas, no estado do Texas.

No longa-metragem, Stone delineou uma hipótese defendida pelos investigadores Jim Garrison e Jim Marrs em seus respectivos livros “On the Trail of the Assassins” e “Crossfire: The Plot That Killed Kennedy” que alimentava as velhas teorias da conspiração e descartava o relatório oficial da famosa Comissão Warren, que apontou um só homem como responsável: Lee Harvey Oswald.

À época da estreia, o ex-presidente Gerald Ford, que integrou a Comissão Warren, considerou o filme uma “fraude” e o classificou como “a grande mentira”.

Mas, 26 anos depois, outros dois estudiosos do caso, Roger Stone e Gerald Posner, ambos do The New York Times, esperam com ansiedade a divulgação dos novos documentos com a esperança de que os arquivos sustentem suas próprias teorias. Apesar de trabalharem no mesmo jornal, eles defendem teses totalmente opostas.

No livro que publicou em 2013, intitulado “The Man Who Killed Kennedy: The Case Against LBJ”, Stone defende a teoria de que o vice-presidente de Kennedy, Lyndon B. Jonhson, que o sucedeu no cargo, foi o cérebro por trás do assassinato.

Walt Cisco, Dallas Morning News / Wikimedia

O presidente dos Estados Unidos, John F. Kennedy, em Dallas, em 1963, na sua limousine ao lado da mulher, Jackie, poucos minutos antes de ser assassinado

A hipótese de Stone inclui grande parte dos personagens habituais das teorias da conspiração em torno do assassinato de Kennedy: a indústria do petróleo texana financiou a trama, que foi executada pela máfia com a ajuda de integrantes da CIA e depois acobertada pelo FBI, então dirigido por J. Edgar Hoover.

Stone, que foi conselheiro e assessor do ex-presidente Richard Nixon, considera que o assassinato de Kennedy, a fracassada invasão da Baía dos Porcos para derrubar Fidel Castro e o escândalo Watergate “estão inextricavelmente relacionados“.

Por sua vez, Posner, que em 1993 foi finalista do Pulitzer de História com o livro “Case Closed: Lee Harvey Oswald and the Assassination of JFK”, considera que as conclusões da chamada Comissão Warren são corretas e que não houve nenhuma conspiração.

Após a tragédia, com o país ainda perturbado, foi criada uma comissão de investigação liderada pelo então presidente do Tribunal Supremo, Earl Warren, que determinou, não sem controvérsias, que Oswald cometeu o crime por conta própria e sem ajuda.

Apesar das visões contrárias sobre este episódio da história, Stone e Posner se uniram para pedir que os documentos ainda mantidos em sigilo sejam divulgados.

Convicto de que o caso não poderá ser encerrado até que o último documento seja revelado, Roger Stone criticou o governo americano por se amparar na “segurança nacional” para negar revelar os documentos sigilosos durante décadas.

“Sei que o diretor da CIA, (Mike) Pompeo, está pedindo ao presidente (Trump) para adiar a divulgação destes registros por mais 25 anos”, disse Stone.

Caso Trump não autorize a divulgação dos documentos, como é sua prerrogativa como presidente, pode ordenar que eles não sejam revelados durante outros 25 anos.

O ex-presidente Barack Obama, enquanto estava no poder, decidiu adiar a divulgação dos documentos da CIA relacionados a outro polêmico caso da época, a invasão da Baía dos Porcos, o que impossibilita esclarecer o compromisso de Kennedy de ajudar os exilados cubanos que em 1961 tentaram derrubar Fidel Castro.

Ciberia // EFE

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Portugueses reelegem presidente Rebelo de Sousa

Urnas em Portugal confirmam previsão de vitória do chefe de Estado de centro-direita, que ganha novo mandato de cinco anos. Combate à pandemia é prioridade. Como esperado, os portugueses reelegeram neste domingo (24/01) o presidente Marcelo Rebelo …

Cuba experimenta dois lados da moeda com chegada de internet móvel

Desde que chegou a Cuba, há apenas dois anos, a internet móvel revolucionou a vida do país – ajudando as pessoas a encontrarem comida, combustível e até remédios em meio a uma escassez terrível. Mas …

Chantilly: em dificuldades finaceiras, um dos mais belos castelos da França pede socorro

A pandemia e o fim da ajuda de um poderoso mecenas colocam em risco o futuro de uma das propriedades mais majestosas da França, o castelo de Chantilly, ao norte de Paris. A reportagem …

Como fumantes de longa data pararam de fumar usando cogumelos mágicos apenas 3 vezes

É mais difícil largar do cigarro do que da heroína, dizem alguns. Mas pesquisadores da Johns Hopkins relataram que um pequeno número de fumantes de longa data que falharam em muitas tentativas de abandonar o …

Gangorra que uniu imigrantes no muro da fronteira dos EUA ganha prêmio

Lembra das gangorras que permitiram que famílias mexicanas brincasse de lados opostos do muro da fronteira EUA-México? O projeto das três gangorras ganhou o prêmio “Design do Ano 2020” pelo Museu de Londres. O arquiteto norte-americano …

Irã diz ter batido recorde de exportação de derivados de petróleo apesar das sanções dos EUA

O Irã bateu recorde de exportação de derivados de petróleo apesar das sanções impostas pelos Estados Unidos, declarou o ministro do Petróleo da República Islâmica, Bijan Zangeneh, nesta sexta-feira (22). Durante o 25º Show Petrolífero do …

A ameaça de epidemia que surge de nova espécie de mosquito Aedes detectada pela 1ª vez nas Américas

Durante a noite de 18 de junho de 2019, na base americana em Guantánamo, Cuba, um intruso foi pego por uma armadilha. A base é conhecida como um lugar onde os EUA aprisionam, por tempo indeterminado …

Homem é preso por tossir em policial que perguntou se ele tinha covid-19

O britânico Casey Saint foi condenado a 11 meses de prisão após tossir no rosto de um policial durante a pandemia do novo coronavírus. O morador de Bury St Edmunds, na Inglaterra, estava fazendo uma festa …

Astrônomos encontram "embrião" de planeta em formação a 330 anos-luz da Terra

Uma equipe de astrônomos encontrou algo que parece ser um planeta embrionário, girando em torno de sua estrela, bem pertinho dela, completando uma volta a cada mês. A estrela em questão é a HD 163296, que …

Físico propõe mega-satélite povoado por humanos orbitando Ceres

O físico Pekka Janhunen, do Instituto Meteorológico Finlandês, desenvolveu uma nova ideia para colonizar um lugar diferente da Terra, e não é a lua ou Marte. Em vez disso, Janhunen está sugerindo em um artigo publicado …