Asteroide que dizimou dinossauros determinou sucesso das cobras, aponta estudo

As cobras devem seu sucesso na Terra, em parte, ao asteroide que atingiu o planeta há 66 milhões de anos e levou à extinção dos dinossauros, de acordo com um estudo publicado nesta terça-feira (14/9) na revista científica Nature Communications.

O impacto desta colisão provocou terremotos, tsunamis e incêndios florestais, além de uma década de escuridão por conta de nuvens de cinzas que bloquearam o sol. Tudo isso levou ao fim estimado de 76% dos animais e plantas.

Mas, segundo os autores da pesquisa recém-publicada, algumas cobras sobreviventes foram capazes de prosperar em um mundo pós-apocalíptico, se abrigando no subsolo e passando longos períodos sem comida.

Estes répteis resilientes conseguiram então se espalhar por todo o globo, e sua evolução nos trouxe às 3 mil ou mais espécies conhecidas hoje.

Alguns mamíferos, pássaros, sapos e peixes também foram capazes de sobreviver aos tempos pós-asteroide.

“Neste ambiente de colapso das cadeias alimentares, as cobras conseguem sobreviver e prosperar, e são capazes de colonizar novos continentes e interagir com o ambiente de novas maneiras”, explicou a líder da pesquisa, Catherine Klein, da Universidade de Bath, na Inglaterra.

“É provável que, sem o impacto do asteroide, elas não estivessem onde estão hoje.”

Quando o asteroide atingiu o que hoje é o território do México, as cobras eram muito parecidas com as que conhecemos hoje: sem pernas e com mandíbulas alongadas para engolir presas.

Com poucos alimentos à disposição, elas conseguiam sobreviver sem comida por até um ano e caçar em meio à escuridão. As espécies de cobras que sobreviveram foram principalmente aquelas que viviam no ambiente subterrâneo, no solo das florestas ou em água doce.

Sem muitos animais para competir, elas tiveram um caminho aberto para evoluir com diversas ramificações e alcançar novos habitats e tipos de presas. Isso permitiu que se espalhassem por todo o mundo, chegando à Ásia pela primeira vez, e que sua diversidade aumentasse.

Eventos determinantes para a eliminação de espécies em um curto espaço de tempo, como a queda do asteroide, ocorreram poucas vezes na história do planeta.

Nick Longrich, também da Universidade de Bath, diz que, nos períodos logo após as grandes extinções, a evolução chega à “sua forma mais selvagem, experimental e inovadora”.

O estudo também encontrou evidências de um segundo pico na evolução das cobras, quando o planeta deixou de ser como uma quente estufa e passou a ter um clima mais frio, levando à formação de calotas polares e o início da era do gelo.

O sucesso das cobras é importante para a saúde dos ecossistemas como um todo, já que elas controlam as populações de presas e ajudam os humanos no controle de pragas. Depois de tanto prosperar na Terra, porém, a convivência com o homem está deixando muitas espécies de cobras sob risco de extinção.

// BBC

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

EUA: Estudo traz primeiros resultados 'promissores' de vacina de RNA mensageiro contra Aids

Uma vacina usando a tecnologia de RNA mensageiro, a mesma que algumas vacinas contra a Covid-19, pode ser usada desta vez contra a Aids. É o que mostram os primeiros resultados promissores de testes …

Viagem de Lula à Argentina visa fortalecer governo de Fernández e teoria de lawfare contra Kirchner

O ex-presidente Lula será o primeiro estrangeiro a discursar diante de uma multidão na Praça de Maio, em Buenos Aires, em um ato destinado a renovar o vínculo do governo argentino com o seu …

Após EUA, vários países se mobilizam em boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia seguiram os passos dos Estados Unidos e anunciaram que também vão participar do “boicote diplomático” aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, previstos para fevereiro. Os países acusam …

Musk anuncia que Neuralink testará microchips neuronais em humanos em 2022

O bilionário e empreendedor norte-americano referiu que já testou com sucesso um implante cerebral em um macaco, e quer agora que essa tecnologia seja aplicada em humanos. Os humanos poderão ter implantes cerebrais da empresa Neuralink …

Cientistas americanos encontram substância contra coronavírus em algas para sushi

Biólogos americanos esperam que sua descoberta ajude na criação de tratamentos antivírus com base em plantas. Os cientistas determinaram que o sulfato de rhamnan – polissacarídeo componente das algas verdes Monostroma nitidum, utilizadas para embrulhar o …

Mulheres comandam metade dos ministérios no governo Scholz

Futuro chanceler confirma nomes finais do seu governo, que deverá começar os trabalhos ainda esta semana. Percentual de mulheres no comando de ministérios federais é o maior da história da Alemanha. O próximo chanceler federal da …

Biden e Putin fazem videoconferência para tentar resolver impasse na Ucrânia

Joe Biden e Vladimir Putin se preparam para uma vídeoconferência nesta terça-feira (7) em um momento em que as tensões entre Washington e Moscou se intensificam com rumores de uma iminente invasão da Ucrânia …

Aung San Suu Kyi é condenada a 4 anos de prisão

Líder deposta por golpe militar em Mianmar enfrenta série de acusações que a Anistia Internacional chama de falsas. Novo veredicto deve sair nos próximos dias. A líder deposta de Mianmar, Aung San Suu Kyi, foi condenada …

Em último vídeo do mandato, Merkel pede que população se vacine

A chanceler alemã Angela Merkel, que deixará o poder na próxima quarta-feira (8), voltou a defender neste sábado (4) a vacinação contra a Covid-19, no último de uma série de mais de 600 vídeos …

Descobrem na China ferramenta de marfim de 99 mil anos, possivelmente a mais antiga do país

Pesquisadores desenterraram uma pá de marfim datada de há cerca de 99.000 anos em um sítio arqueológico do Paleolítico na província chinesa de Shandong. Acredita-se que o objeto seja uma das primeiras ferramentas de osso utilizadas …