Asteroide que extinguiu os dinossauros levou à multiplicação de espécies de sapos

(cv) Cinemuse / Vimeo

O asteroide que extinguiu os dinossauros atingiu a Terra com um energia equivalente a dez bilhões de bombas de Hiroshima

O asteroide que extinguiu os dinossauros atingiu a Terra com um energia equivalente a dez bilhões de bombas de Hiroshima

A enorme diversidade de sapos que existe atualmente é uma consequência do asteroide que extinguiu os dinossauros, afirma um novo estudo realizado por uma equipe de cientistas chineses e norte-americanos.

A pesquisa foi divulgada na na revista científica Proceedings of the National Academy of Sciences e concluiu que várias populações de sapos surgiram após a extinção dos dinossauros, há 66 milhões de anos. Trata-se de uma contradição a provas anteriores que sugeriam uma origem mais antiga de muitos grupos de sapos.

Os sapos se tornaram um dos grupos mais diversos de vertebrados, com mais de 6,7 mil espécies descritas. Mas a falta de dados genéticos dificultou as tentativas de determinar a sua história evolutiva.

O novo estudo mostra que as três maiores linhagens de sapos modernos, que juntos correspondem a 88% das espécies de sapos, apareceram quase simultaneamente.

A impressionante diversificação de espécies parece ter ocorrido logo após a colisão de um asteroide com a Terra, na região que é conhecida como a costa da Península de Yucatán, no México.

Ao liberar bilhões de vezes mais energia do que uma bomba atômica, o impacto eliminou três quartos da vida na Terra, mas também parece ter estabelecido a base para o aparecimento de vários sapos.

Os cientistas recolheram uma amostra de 95 genes do DNA de 156 espécies de sapos e combinaram esses dados com informações genéticas de 145 outras espécies para criar uma “árvore genealógica” de sapos com base nas suas relações genéticas.

Depois de utilizarem fósseis de sapo como “o verdadeiro embasamento” dos dados genéticos, os cientistas puderam criar um cronograma da sua árvore genealógica e concluíram que os três grandes grupos de sapos – Hyloidea, Microhylidae e Natatanura – têm origem na expansão que ocorreu há 66 milhões de anos.

“Os sapos existem há mais de 200 milhões de anos, mas este estudo mostra que foi com a extinção dos dinossauros que tivemos a explosão de diversidade de sapos que resultou na maioria dos sapos que vemos hoje”, afirmou o especialista David Blackburn, do Museu de História Natural da Florida.

Blackburn destacou que o asteroide teria destruído grande parte da vegetação do planeta, mas quando as florestas começaram a se recuperar, os sapos parecem ter sido um dos grupos que aproveitaram ao máximo os novos habitats.

No entanto, nenhuma das espécies de sapo que surgiram antes da extinção dos dinossauros e sobreviveram ao asteroide conseguiram se adaptar para viver em árvores.

O estudo também indica que a distribuição global de sapos segue a desintegração dos supercontinentes, começando com Pangeia, há 200 milhões de anos, e, depois, Gondwana, que se dividiu entre América do Sul e África. Isto sugere que os sapos usaram a Antártida, que ainda não estava coberta de gelo, como um degrau da América do Sul para a Austrália.

“Acho que o mais entusiasmante do estudo é que mostramos que os sapos são um grupo animal muito forte porque sobreviveram ao acontecimento que extinguiu completamente os dinossauros”, adiantou Peng Zhang, da Universidade Sun Yat-Sen na China.

// BBC / ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

EUA: Estudo traz primeiros resultados 'promissores' de vacina de RNA mensageiro contra Aids

Uma vacina usando a tecnologia de RNA mensageiro, a mesma que algumas vacinas contra a Covid-19, pode ser usada desta vez contra a Aids. É o que mostram os primeiros resultados promissores de testes …

Viagem de Lula à Argentina visa fortalecer governo de Fernández e teoria de lawfare contra Kirchner

O ex-presidente Lula será o primeiro estrangeiro a discursar diante de uma multidão na Praça de Maio, em Buenos Aires, em um ato destinado a renovar o vínculo do governo argentino com o seu …

Após EUA, vários países se mobilizam em boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia seguiram os passos dos Estados Unidos e anunciaram que também vão participar do “boicote diplomático” aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, previstos para fevereiro. Os países acusam …

Musk anuncia que Neuralink testará microchips neuronais em humanos em 2022

O bilionário e empreendedor norte-americano referiu que já testou com sucesso um implante cerebral em um macaco, e quer agora que essa tecnologia seja aplicada em humanos. Os humanos poderão ter implantes cerebrais da empresa Neuralink …

Cientistas americanos encontram substância contra coronavírus em algas para sushi

Biólogos americanos esperam que sua descoberta ajude na criação de tratamentos antivírus com base em plantas. Os cientistas determinaram que o sulfato de rhamnan – polissacarídeo componente das algas verdes Monostroma nitidum, utilizadas para embrulhar o …

Mulheres comandam metade dos ministérios no governo Scholz

Futuro chanceler confirma nomes finais do seu governo, que deverá começar os trabalhos ainda esta semana. Percentual de mulheres no comando de ministérios federais é o maior da história da Alemanha. O próximo chanceler federal da …

Biden e Putin fazem videoconferência para tentar resolver impasse na Ucrânia

Joe Biden e Vladimir Putin se preparam para uma vídeoconferência nesta terça-feira (7) em um momento em que as tensões entre Washington e Moscou se intensificam com rumores de uma iminente invasão da Ucrânia …

Aung San Suu Kyi é condenada a 4 anos de prisão

Líder deposta por golpe militar em Mianmar enfrenta série de acusações que a Anistia Internacional chama de falsas. Novo veredicto deve sair nos próximos dias. A líder deposta de Mianmar, Aung San Suu Kyi, foi condenada …

Em último vídeo do mandato, Merkel pede que população se vacine

A chanceler alemã Angela Merkel, que deixará o poder na próxima quarta-feira (8), voltou a defender neste sábado (4) a vacinação contra a Covid-19, no último de uma série de mais de 600 vídeos …

Descobrem na China ferramenta de marfim de 99 mil anos, possivelmente a mais antiga do país

Pesquisadores desenterraram uma pá de marfim datada de há cerca de 99.000 anos em um sítio arqueológico do Paleolítico na província chinesa de Shandong. Acredita-se que o objeto seja uma das primeiras ferramentas de osso utilizadas …