Cientistas criam minicérebros de Neandertal em laboratório

Um grupo de cientistas norte-americanos está usando células-tronco para desenvolver minicérebros que contêm DNA Neandertal. O verdadeiro objetivo da pesquisa é entender como o órgão, que faz de nós que realmente somos, se desenvolveu.

Os cientistas já tinham conseguido cultivar cérebros em miniatura a partir de células-tronco e, embora seja um grande passo para a ciência, não é uma novidade. Mas, agora, conseguiram desenvolver cérebros neandertais e, isso sim, é uma descoberta que nos deixa boquiabertos.

À frente do projeto está um grupo de cientistas da University of California San Diego School Of Medicine, projeto que só foi possível graças à ajuda e cooperação de várias áreas de pesquisa científica.

Os organoides (versões em miniatura de órgãos usados para estudos) foram criados anteriormente a partir de tecido cerebral humano moderno. Todavia, a equipe de cientistas tem usado DNA Neandertal para criar pequenas versões do córtex da espécie humana já extinta há vários anos.

De acordo com a equipe, os minicérebros demoram vários meses para se desenvolver e, em comparação com os minicérebros de humanos modernos, os “neanderoides” apresentam uma rede neural anormal.

São estas diferenças que sugerem que os Neandertais não conseguiam se comunicar tão bem quanto nós. Seus cérebros não estavam, simplesmente, preparados para isso.

Criados em laboratório, os minicérebros de Neandertal são muito semelhantes a pipocas do tamanho de uma ervilha. Mas, apesar do tamanho, os cientistas afirmam que o modo como os neurônios se desenvolveram é muito parecido com como alguns neurônios se desenvolvem em pessoas que sofrem autismo.

Ainda assim, a equipe não estabeleceu qualquer relação. “Não quero que as famílias concluam que estou comparando as crianças autistas com os neandertais, mas essa é, de fato, uma observação importante”, afirmou Alysson Muotri, geneticista da Universidade da Califórnia, à Science Magazine.

Esses minicérebros cultivados a partir de células-tronco pluripotentes dão aos cientistas a possibilidade de entender melhor o cérebro e como o órgão se desenvolve. Além disso, dão também aos cientistas a possibilidade de testar novos fármacos em um modelo humano, embora simplificado, que produz resultados mais fiéis do que testes em animais.

Os cientistas tentaram criar um minicérebro de Neandertal, mas não criaram um Neandertal vivo. Em vez disso, usaram células-tronco para desenvolver uma versão minúscula e simplificada de um órgão muito semelhante ao cérebro.

Ainda assim, essa foi uma medida tomada para entender melhor nossos antepassados menos sortudos, que poderia nos ajudar a entender como nos tornamos a espécie que somos hoje.

Ciberia // ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Arqueólogos revelam restos mortais de cachorro de 8.400 anos descoberto na Suécia

Após vários meses de meticulosos trabalhos de escavação, foram finalmente revelados os restos mortais de um cachorro, de uma raça há muito tempo desaparecida, enterrado há mais de 8.400 anos na Suécia ao lado de …

“Cogumelos mágicos” são 4x melhores do que antidepressivos, descobre estudo

Quando a psilocibina, a molécula psicodélica descoberta nos cogumelos mágicos (Psilocybe cubensis), é usada durante a psicoterapia, parece possuir efeitos antidepressivos rápidos, substanciais e duradouros contra a depressão maior, de acordo com um novo ensaio …

Sem Trump, Putin e Bolsonaro ensaiam aproximação

Moscou sabe que a troca de poder na Casa Branca abre brecha na política externa brasileira. O elogio do presidente russo às "qualidades masculinas" de Bolsonaro pode ser apenas o primeiro sinal de uma aproximação. "O …

Crimes por preconceito de cor, raça ou orientação sexual podem ter punição maior

Projeto passa no Senado e vai à Câmara, mas falta definir tamanho da pena. Proposta entrou na pauta a pedido de Paulo Paim para "dar uma resposta" ao assassinato de João Alberto Silveira Freitas. Falta a …

Vacinação contra a Covid-19 será obrigatória em voos da companhia aérea australiana Qantas

A vacina contra a Covid-19 ainda não está pronta, mas as companhias aéreas já começam a se preparar. É o caso da australiana Qantas, que anunciou a futura exigência de um certificado de vacinação …

Galinhas substituem agrotóxicos em ação contra veneno na agricultura

A presença de insetos é uma frequente preocupação para agricultores. Os animais são capazes de prejudicar plantações e, para evitá-los, é comum que fazendeiros recorram a pesticidas. A utilização de produtos químicos, no entanto, é nociva …

França aprova projeto de lei que prevê punir filmagem de policiais em ação

Deputados franceses aprovaram nesta terça-feira (24), em primeira leitura, o polêmico projeto de lei sobre a "segurança global", que prevê punir a gravação e divulgação de policiais em ação. O texto será votado pelo …

Astrônomos revelam que 2ª minilua da Terra é do tamanho de carro pequeno

A minilua chamada 2020 CD3 conta com um diâmetro de entre um metro e 1,5 metro e chegou a ficar a 13 mil quilômetros do nosso planeta. A minilua 2020 CD3, que orbita a Terra nos …

Diego Maradona morre aos 60 anos

O ex-jogador argentino Diego Maradona, maior astro da história do futebol do país sul-americano, morreu nesta quarta-feira (25/11) aos 60 anos, após sofrer uma parada cardiorrespiratória em sua casa em Tigre, ao norte de Buenos …

Incêndios na Amazônia deixam rastro de destruição por décadas

Entre galhos e folhas esturricados sobre o solo que abrigava uma área de floresta intacta, o cheiro de queimada ainda é forte. Próximo a uma das aldeias da Terra Indígena Uru-Eu-Wau-Wau, em Rondônia, vazios surgiram …